Trabalho remoto de advogados será o “novo normal” nos EUA

Publicado em
Trabalho remoto de advogados será o “novo normal” nos EUA

Em fevereiro, na “Conferência 2030” realizada na faculdade de direito da Universidade da Pensilvânia, se discutiu mudanças que a advocacia poderia enfrentar nos próximos 10 anos. Porém, tais mudanças chegaram precocemente — apenas alguns meses depois — por causa da pandemia de coronavírus. E chegaram para ficar.

A mudança em destaque é a do trabalho remoto — ou trabalho em casa. Os administradores dos escritórios de advocacia vislumbram um novo modus operandi, em que o trabalho remoto passará a ser uma prática comum, amplamente adotada — certamente, de forma permanente.

A primeira — e grande — vantagem de se organizar para que os advogados possam trabalhar de casa é a economia de custos. O pagamento de aluguel ou de manutenção de um prédio próprio é a segunda maior despesa de um escritório de advocacia, logo depois da folha de pagamentos.

Com pelo menos parte dos advogados e empregados trabalhando de casa, o escritório pode reduzir significativamente o espaço necessário para abrigar toda sua força de trabalho. E, com isso, reduzir custos.

Essa é uma perspectiva que anima os escritórios a tornar permanente uma situação causada pela pandemia de coronavírus. É óbvio que isso significará economia de custos para os advogados também.

Além disso, os escritórios poderão contratar mais advogados e mais auxiliares, porque não irão depender mais de disponibilidade de espaço físico para abrigá-los. Administradores de escritórios de advocacia dos EUA disseram ao Jornal da ABA (American Bar Association) que a possibilidade de trabalhar de casa será atraente para advogados que queiram contratar.

A Covid-19 forçou os escritórios de advocacia a experimentar o trabalho remoto e a rápida transição foi mais tranquila do que se esperava. Uma pesquisa da Loeb Leadership indicou que 98% dos dirigentes de bancas entrevistados aprovaram o “escritório em casa”, com 77% dizendo que o experimento foi “altamente bem-sucedido”.

Agora, “não é mais possível colocar o gênio de volta na lâmpada, se você vem operando bem,  por dois ou três meses, com os advogados e empregados fora do escritório”, disse em recente entrevista o sócio da Baker McKenzie, Bem Allgrove.

Alguns escritórios são mais resistentes, mas estão experimentando de forma lenta e gradual, começando por um ou dois dias por semana de trabalho remoto. Outros, ao contrário, requerem que os advogados venham ao escritório um ou dois dias por semana.

Adesão a novas tecnologias
Os advogados dos EUA, como de outras partes do mundo, são famosos pela resistência à adoção de novas tecnologias. Mas a COVID-19 os está obrigando a experimentá-las. As mais comuns são as que viabilizam o trabalho remoto.

Ferramentas de videoconferência (ou de audioconferência) passaram a ser usadas para uma variedade de propósitos, como os de comunicação com os colegas, reuniões com clientes, webinars e prática da advocacia em geral.

Segundo o Jornal da ABA, alguns escritórios como a Littler Mendelson, banca que representa empresas globalmente, produziram vídeos de treinamento, para ajudar os advogados a atuar, através de vídeo, em depoimentos, preparação de testemunhas, julgamentos e mediações.

O advogado Scott Forman, da Littler Mendelson, disse ao jornal que as tecnologias de videoconferência não serão abandonadas após a Covid-19. “Os advogados resistentes à tecnologia de videoconferência, porque acreditam que seu trabalho deve ser feito pessoalmente, irão mudar de ideia. A resistência vai se dissipar e eles irão se acostumar com o novo normal”, ele disse.

Dave Kinsey, diretor da Total Networks, firma que que fornece tecnologia a escritórios de advocacia, disse ao jornal que o Microsoft Teams vem ganhando popularidade, graças à pandemia. O software possibilita conferência por vídeo ou áudio, troca de mensagens instantâneas, compartilhamento de arquivos e edição de documentos entre colegas, em tempo real. Ele prevê que os advogados irão se tornar “craques em tecnologia”.

A hora e a vez da nuvem
Apesar da desconfiança dos advogados que se preocupam com a segurança e a confidencialidade das comunicações, os escritórios irão adotar a nuvem, durante e após a pandemia. “É impossível imaginar o trabalho remoto em um escritório de advocacia que não esteja conectado à nuvem”, disse o sócio-administrador da Rimon Law ao Jornal da ABA. “O argumento de que a nuvem não é segura já está ultrapassado a esse ponto.”

A consultora de tecnologia Adriana Soares disse ao jornal que muitos servidores de escritórios de advocacia irão desaparecer, porque os softwares necessários para operar a banca estarão na nuvem. Por enquanto, em parte, porque muitas provedoras de tecnologia para escritórios de advocacia ainda não oferecem seus serviços na nuvem. Mas é uma questão de tempo para isso mudar.

fonte: https://www.conjur.com.br/2020-ago-02/trabalho-remoto-advogados-normal-eua?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Assessorando negócios com startups

Assessorando negócios com startups

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas – o que muda?

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

Blockchain na administração pública e o case Real Digital

Blockchain na administração pública e o case Real Digital

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.