Quando a tecnologia ajuda a evitar contendas

Publicado em
Quando a tecnologia ajuda a evitar contendas

Texto original de Antonio Rodrigo Sant’Ana, publicado no Linkedin

Processos trabalhistas representam uma parcela alta das demandas judiciais Brasil afora. O volume estratosférico permite que se possa identificar padrões através dos processos e, assim, utilizar a tecnologia para filtrar esses dados e contribuir com a previsibilidade dos resultados.

O Direito é subjetivo e interpretado caso a caso, claro. Mas de posse de dados gerados através do volume de processos, é possível determinar as chances de uma empresa ganhar ou não uma causa trabalhista — e é o advogado, não a máquina, quem vai proporcionar esse olhar apurado.

O fato é que muitas empresas lançam mão de ferramentas tecnológicas para obter esse tipo de análise e isso é ótimo. O problema é quando essa análise serve apenas para tentar remediar uma situação já problemática. Em outras palavras, as empresas recorrem à tecnologia para buscar caminhos para ganhar uma ação trabalhista.

Tudo bem, a tecnologia é útil para isso mas, com o volume de dados gerado, seria possível criar mecanismos internos justamente para evitar ações trabalhistas ou, em última análise, costurar acordos extra-judiciais.

Não são apenas as ferramentas de trabalho e os profissionais individualmente que devem evoluir. A gestão das empresas deve acompanhar o passo da sociedade — que está cada vez mais ciente dos seus direitos e não vai hesitar em buscar o processo legal se julgar necessário.

O desafio não está apenas em interpretar dados para definir a estratégia em um processo, mas sim, usar esses dados para aprender as principais causas de ações trabalhistas e trabalhar internamente para modernizar a gestão e mitigar os riscos de ações judiciais.

Grande parte dos fatores que levam a ações trabalhistas já são conhecidos de longa data: horas extras, assédio moral, reversão de justa causa, acúmulo de funções, entre outros. Voltar a cometer esses erros é uma questão de escolha administrativa, especialmente com as tecnologias disponíveis — ou se usa as tecnologias para prevenção ou será necessário recorrer a elas para encarar um processo.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
O que as startups podem ensinar aos advogados?

O que as startups podem ensinar aos advogados?

Legal Design: Uma Mudança de Mindset

Legal Design: Uma Mudança de Mindset

Home Office: o modelo de trabalho que veio para ficar

Home Office: o modelo de trabalho que veio para ficar

3 NOVAS PROFISSÕES PARA BACHARÉIS EM DIREITO

3 NOVAS PROFISSÕES PARA BACHARÉIS EM DIREITO

O futuro da educação jurídica no Brasil

O futuro da educação jurídica no Brasil

A tecnologia mãe

A tecnologia mãe

Gestão de dados no contencioso: A Importância da eficiência dos processos e impacto no planejamento e tomada de decisão

Gestão de dados no contencioso: A Importância da eficiência dos processos e impacto no planejamento e tomada de decisão

Como o varejo e as big techs influenciam o direito

Como o varejo e as big techs influenciam o direito

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.