Inteligência Artificial (IA) aplicada ao Direito

Publicado em
Inteligência Artificial (IA) aplicada ao Direito

O Brasil tem o Judiciário com o maior volume processual do mundo — sendo o TJSP o maior dentre todos os tribunais. Definitivamente, é um recorde do qual não nos orgulhamos. Mas acreditamos que a tecnologia disponível hoje pode ajudar a desenrolar as áreas jurídicas de massa e realizar tarefas repetitivas. Soluções nesse sentido, agilizam processos, aliviam os servidores, diminuem o “custo Brasil” e, consequentemente, favorecem o cidadão.

Após o período cinzento de repressão militar, o retorno à democracia registrou na Carta de 88 o valor essencial do livre acesso ao Judiciário. Nada (ou quase nada, vide as exceções ao non liquet) poderia barrar as pessoas em sua pretensão de levar suas demandas à presença de um juiz.

Naquele ano, o volume de processos brasileiros era estimado em menos de 400 mil ações. Cerca de uma década depois, a estimativa deu conta de um salto, estimado entre 2 e 6 milhões de processos. A linha permaneceu crescente e, hoje, o resultado é impressionante: mais de 100 milhões de processos tramitaram na Justiça brasileira todos os anos desde 2015 até agora. Sendo que ingressam entre 24/28 milhões de processos por ano. A boa notícia é que desde 2015 o mesmo número de processos (24/28 milhões) é julgado todos os anos. Mas ainda resta o estoque, que em 2016 era de 79,6 milhões de processo pendentes.

Atrelado à quantidade, há também a assustadora lentidão no contexto judicial. O tempo médio de tramitação dos processos pendentes na Justiça Comum Estadual é de cerca de 5 anos no 1º Grau; 2 anos no 2º Grau; e de 7 anos na Execução. O cidadão comum, ao ver seus direitos subtraídos, vai esperar um período considerável de sua vida para receber “justiça”: a prestação jurisdicional.

Um dos reflexos destes vícios do sistema é o aumento do custo. Enquanto o custo com pessoal não para de crescer, o investimento em tecnologia da informação não chega a 3% do Judiciário. Em 2016, somente a despesa com pessoal foi de R$ 75,94 bilhões (ou 89,5%), de um total de gastos na ordem de R$ 84,8 bilhões1, enquanto os gastos com TI não chegaram a R$ 2,5 bilhões. A ampliação do serviço judicial sem o uso de tecnologia inovadora escalável tende a manter o histórico de crescimento desarrazoado de gastos públicos com pessoal.

O volume, a morosidade e o alto custo são as características que mais pesam negativamente sobre o Custo-Brasil. Todavia, onde há dificuldade, há também oportunidade: o cenário de centenas de milhões de processos é que melhor adere ao uso de tecnologias de aprendizado de máquina (machine learning), especialmente de aprendizado profundo de máquina (deep learning). Os Tribunais e os grandes litigantes, especialmente o Poder Público – mas também Bancos, Seguradoras, Telecons, e-Commerce etc. – são os que mais se beneficiarão da tecnologia.

Experiências para atrelar tecnologia ao direito já acontecem de vários países, especialmente em Universidades (MIT, Stanford etc.). Mas, dessa vez, o Brasil vai protagonizar o debate no I Congresso Internacional de Direito e Tecnologia, idealizado pelo DireitoTec.UnB (Grupo de Pesquisa & Desenvolvimento em Direito e Tecnologia da UnB), coordenado pelo professor Henrique Araújo Costa e por mim. O evento será realizado no Tribunal Superior do Trabalho (TST), em 23 e 24 de novembro de 2017.

Serão 16 palestrantes internacionais de 9 países do mundo: EUA, Reino Unido, Alemanha, Holanda, França, Bélgica, Israel, Índia e Brasil. Ao todo são 53 pesquisadores, empresas e autoridades que espelham os mais importantes especialistas do mundo em inovação tecnológica jurídica, especialmente em inteligência artificial. A abertura será com o Presidente do TST, Ministro Ives Gandra Filho, o Ministro Dias Toffoli do STF, Representante Residente da ONU/PNUD, Maristela Baioni, Diretor da Faculdade de Direito da UnB, Mamede Said e Ministro Ayres Britto, que proferirá a palestra de boas vindas.

O Congresso tem organização executiva da Legal Labs http://legalabs.com.br/. Com formação ideológica, conhecimentos e parte da equipe advindos do DireitoTec.UnB, decidimos criar um projeto privado, com investimento de recursos e tempo para a criação dessa startup que se propõe a realizar projetos altamente complexos de IA aplicada a contextos jurídicos. O primeiro projeto com uso dessa tecnologia tão potente, a Dra. Luzia, está pronto e sendo utilizado por uma Procuradoria de Estado em suas execuções fiscais, com acurácia mínima de 99,42%. Os algoritmos utilizados em sua construção possuem grande utilidade para aplicação a Tribunais brasileiros.

Com tecnologia 100% nacional, o software tem como objetivo melhorar a execução das dívidas públicas, podendo servir também a outros tipos de processos de massa, de cunho repetitivo2. “Baseada em Inteligência Artificial, a robô-advogada é capaz de entender os processos, o seu andamento e quais suas possíveis soluções. A máquina também pode ser usada para cruzar dados e encontrar endereços ou bens dos envolvidos nos processos”, conforme afirmei em entrevista.

O segundo projeto, o Nomos – Legal Strategy, utiliza machine learning na entrada dos dados para extrair informação jurídica e estatísticas de massas processuais. Tem importante aplicação para litigantes de massa, como Bancos, Seguradoras, Telecons, e-Commerce etc. Já conseguimos extrair leis, precedentes, valores de danos, desvio padrão nas condenações, entre outras informações. Tivemos inspiração no http://ravellaw.com/ e na https://lexmachina.com/.

As informações do congresso, incluindo a programação completa e as inscrições estão disponíveis em http://www.congressodireitotecnologia.com.br/


Fonte: Jota

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Assessorando negócios com startups

Assessorando negócios com startups

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas – o que muda?

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

Blockchain na administração pública e o case Real Digital

Blockchain na administração pública e o case Real Digital

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.