Pesquisar
Close this search box.

Empreender na mediação: inovação e oportunidades em comemoração a semana global do empreendedorismo  lei nº 14.135/2021

Publicado em
laptop-2558400_1280
Imagem: Pixabay

A Lei nº 14.135, de 16 de abril de 2021, marcou uma importante iniciativa ao instituir a Semana Global do Empreendedorismo no calendário nacional, celebrada anualmente na terceira semana de novembro. Este marco legislativo ressalta a relevância do empreendedorismo como motor propulsor da economia.

O que significa empreender? Romper barreiras, arriscar, inovar, oportunizar empregabilidade e transformar vidas com sonhos que se concretizam, quando um projeto de negócio é edificado e implantado com sucesso??

O empreendedorismo, está diretamente  ligado à capacidade de identificar oportunidades e transformá-las em empreendimentos bem-sucedidos, é um motor vital para o desenvolvimento econômico e social. O empreendedor não apenas vislumbra soluções inovadoras para desafios existentes, mas também têm a ousadia de colocar essas ideias em prática, mudando de carreira, atuando com mudança de paradigmas e assumindo riscos calculados.

No coração e na mente  do empreendedorismo está a mentalidade pró-ativa, a resiliência diante de obstáculos e a busca constante por melhorias e modelos inovadores que impactam no comportamento da sociedade.

Além disso, o empreendedorismo transcende fronteiras, encontrando expressão em diversos setores da sociedade. Desde empreendedores  individuais, sociais que buscam solucionar problemas sociais até intraempreendedores que promovem a inovação dentro de grandes corporações, a mentalidade empreendedora é uma força dinâmica que impulsiona a progressão.

Em um mundo em constante evolução, a habilidade de empreender não só cria oportunidades individuais, mas também contribui para o crescimento econômico coletivo, fomentando a criação de empregos, a inovação tecnológica e o aprimoramento da qualidade de vida.

No âmbito da mediação, observando as disposições da referida lei, surge uma oportunidade para empreendedores explorarem novas áreas de atuação. A introdução do tribunal Multiportas, por exemplo, representa uma inovação no campo da resolução de conflitos, promovendo métodos adequado para solucionar disputas, oferecendo métodos como negociação, mediação, conciliação e/ou arbitragem além da já disposta “porta” de acesso a judicialização.

Empreendedores podem desempenhar um papel crucial ao atuar na mediação, oferecendo serviços especializados para facilitar negociações e reduzir litígios, sejam eles no formato presencial ou online com plataformas de acordo. Essa nova área de empreendedorismo na mediação contribui não apenas para a eficiência do sistema jurídico, mas também para a construção de um ambiente empresarial mais resiliente e harmonioso.

Dessa forma, a Semana Global do Empreendedorismo não apenas celebra a iniciativa empreendedora, mas também inspira a busca por inovação na mediação, alinhada às disposições da lei, visando uma sociedade mais justa e cooperativa.

O mediador, devidamente qualificado e apto para  aplicar técnicas e conduzir um procedimento de mediação na gestão do conflito, é a figura essencial na resolução de conflitos. O cenário atual encontra um promissor  mercado de trabalho, impulsionado pelo reconhecimento crescente da eficácia da mediação em diversos setores. Suas oportunidades de atuação são vastas e impactantes, podendo atuarl com conflitos familiares, empresariais, societários, consumeristas, condominiais, superendividamento, franquias, entre tantos outros.

Setores como educação, saúde e comunidade também apresentam oportunidades para mediadores, visto que a habilidade de gerenciar conflitos é essencial em diversas interações sociais. Escolas, hospitais e organizações comunitárias reconhecem o valor de profissionais capacitados para promover diálogos construtivos e prevenir desentendimentos.

Em ambientes corporativos, o mediador desfruta de uma demanda significativa, auxiliando na gestão de conflitos internos como  a “endomediação,” promovendo um ambiente de trabalho mais saudável e aumentando a eficiência das equipes. Empresas buscam profissionais capacitados para facilitar negociações e evitar litígios, otimizando processos e preservando relacionamentos.

No âmbito judicial, a mediação se torna uma alternativa valiosa, aliviando a sobrecarga dos tribunais e proporcionando soluções mais ágeis e personalizadas. O mediador, nesse contexto, atua como um facilitador imparcial, contribuindo para a celeridade e eficácia na resolução de disputas legais.

Além disso, o mediador pode atuar de forma independente, “ad-hoc”, essa autonomia permite uma ampla flexibilidade na escolha de clientes e na definição da agenda de trabalho.

Em resumo, as oportunidades de atuação para o empreendedorismo na mediação são vastas e diversificadas, e pode ser exercida no âmbito privado por profissional de qualquer formação, desde que qualificado e escolhido pelas partes, refletindo a crescente importância da mediação como ferramenta eficaz na construção de relações saudáveis e na resolução pacífica de conflitos em diferentes esferas da sociedade.

Celeida Laporta é Co – Founder da CS VIEWS Mediação e Arbitragem, é Sócia da L2Z1 Law Digital Solutions, Coordenadora do Informativo ADRODR, Doutoranda na PUC/SP TIDD – Tecnologias da Inteligência e Design Digital, Mestre em Direito pela Escola Paulista de Direito EPD Brasil. Bacharelado e Licenciatura Matemática PUC /SP, Analista de Sistemas, Advogada pós-graduada em Direito Tributária PUC/SP, Mediadora judicial e extrajudicial credenciada no CNJ, Congresso Direitos Humanos Universidad de Valladolid – Espanha, Summer School Siena – Itália, Curso Theory and Tools of Harvard Negotiation Project – EUA. Especialização em Mediación pela Universidad Salamanca – Espanha. Especialização em Práticas em Mediação e Arbitragem pela Universidade Portucalense – Portugal. Especialização em Abogacía 5.0: Nuevas Tecnologías y Justicia  pela Universidad Salamanca – Espanha 2022.

Autora de livros de tecnologia, artigos e coautora dos livros: O Fenômeno da Desjudicialização: uma nova era de acesso a justiça – Ed. Lumen Juris 2018 e Soluções Extrajudiciais de Controvérsias Empresariais v.4 – Ed. Saraiva 2018. Organizadora e coautora: Mediação de Conflitos na Prática: Estudos de Casos Concretos – Ed. Lumen Juris.2019. Autora do livro ODR – Resolução de conflitos online – Ed. Quartier Latin.2021. Organizadora e coautora: A Consensualidade aplicada às relações laborais – Ed. Lumen Juris 2022. Organizadora e coautora Direito e Inteligência Artificial Fundamento. Ed. Lumen Juris 2022.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Imagem: Pixabay

Evolução da criatividade - da teoria para a prática

artigo obs

Ausência da parte Autora e do Preposto nas Audiências Judiciais Cíveis e Juizados Especiais. Quais as diferenças e quais as consequências?

Imagem: Pixabay

Advogados contra a Tecnologia: as máquinas irão substituir os advogados?

interface-3614766_1280

Desenvolvimento responsável da IA com a nova norma ISO/IEC 42001.

laptop-5673901_1280

DJe ou Painel de Intimações? Como acompanhar as intimações e não perder prazos!

Blockchain e Direito Desvendando os Desafios da Tokenização, por Isabela Santos.

 Blockchain e Direito: Desvendando os Desafios da Tokenização

opportunity-7958383_1280

Você precisa de 5 palavras para tornar seu perfil no LinkedIn mais atrativo

Tokenização da Propriedade Intelectual

Tokenização da propriedade intelectual: a gestão da inovação na blockchain

EMPRESAS ALIADAS E MANTENEDORAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.