Direito & Startups | Caçando Mitos #1 | Vai lá e Faz

Publicado em
muralha-golerio-mito-lawtech-direito-inovacao-ab2l

Em recente entrevista para o portal globo.com, o goleiro rubro-negro, Alex Muralha, revelou que na disputa de penaltis da final da Copa do Brasil 2017, entre Flamengo e Cruzeiro, tomou a iniciativa de escolher o canto direito em todas as cobranças do adversário, independentemente da análise, estudo e estratégias da área de inteligência do seu time sobre o posicionamento e canto de preferência desses cobradores. E mais: ao consultar o estrategista do setor antes da disputa, ainda foi orientado: “vai lá e faz”.

A expressão, por sua vez, se tornou um clichê para quem pretende empreender. É uma espécie de estímulo, incentivo de se lançar ao mundo e ver no que vai dar. Pega-se a “ideia”, convoca-se programadores, designers, marketeiros (ou sócios), elabora-se um produto viável mínimo, ouve-se mentores (até mesmo palpiteiros) e lança-se a startup. Pode ser tudo com dinheiro próprio, de amigos ou de algum investidor corajoso (ou maluco-beleza, o “fool”).

Validações, mudanças, “pivotagens”, produto feito com o usuário e não para o usuário, buzz, escala, etc e, daí, golaço, com boa fama, investidores mais robustos, perenização e, se preferir, cair fora e levar um estilo própria de vida. E, se não der certo, outra glória atual: exaltar o fracasso, a tentativa e erro até conseguir. O que não vale é desistir.

Steve Blank e Bob Dorf defendem o “Vai para a rua”. Eric Ries já é adepto do “Just do it”, Tiago Matos, influenciado pela escola da Singularity, diz o “Vai lá e faz”, ou seja, a capacidade de execução é mil vezes melhor e mais eficiência do que ser uma “stealth startup”.

Mas, claro, não se trata de se lançar a própria sorte. A “ideação” impõe elementos juridicos básicos de proteção, como a fixação da criação de espírito em um suporte, se valer de legaltechs que oferecem mecanismos de registro de direitos autorais ou depositar a patente do invento ou do modelo de utilidade previamente, assim como a marca e o design.

Estabelecer um instrumento particular (aí vale chamar de Memorando de Entendimentos, Carta de Intenções, Acordo, etc), regulando direitos e deveres desses sócios, divisão de participação, opção e formas de saída do negócio, não concorrência e confidencialidade com terceiros que venham acessar informações estratégicas e sigilosas, escolha do melhor enquadramento fiscal, sede, são alguns outros exemplos da indispensabilidade da assessoria jurídica nessa fase da startup, ou seja, não basta simplesmente ir lá e fazer.

A tolerância ao risco, naturalmente, é elemento fundamental para empreender. Mas não é necessario se lançar a própria sorte. Orientações jurídicas, mesmo que mínimas, são indispensáveis para o êxito do negócio. Mas, se preferir, repita o Alex Muralha: ignore planejamentos, estudos e assessoria especializada, faça o sinal da cruz e veja no que vai dar.


Por Helder Galvão

Fonte LinkedIn

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Business people using internet

Afinal, o que é Web 3.0 e qual sua relação com o Metalaw?

News-LEX

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

martelo

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Business people with startup rocket

Assessorando negócios com startups

Hands in a digital universe background

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

dominoes-ge819e653e_1920

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Retinal biometrics technology with man’s eye digital remix

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Valentine's Day concept with tic tac toe on beige background

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.