Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Celeida M. Celentano Laporta, Co Founder da CSVIEWS Câmara de Mediação e Arbitragem escreve para o Observatório AB2L
Publicado em
Hands in a digital universe background
Imagem: Freepik

Texto original de Celeida M. Celentano Laporta, exclusivo para o Observatório AB2L

A terminologia ODR Online Dispute Resolution, já não é tão desconhecida como há quatro anos. Indubitavelmente, com o advento da pandemia, o crescente número de litígios e a necessidade de adaptação no mundo virtual, centenas e milhares de conflitos foram resolvidos através de plataformas de acordos online.

Podemos dizer que enfrentamos a primeira onda disruptiva para a resolução de conflitos, seja por uma negociação direta, negociação assistida ou perante a mediação a distância. Uma verdadeira disrupção, que alterou o comportamento do mercado frente as opções tradicionais que buscavam acordos extrajudiciais.

Inicialmente, o acesso a videoconferências, assinatura digital, chat boot, algoritmos de probabilidade de acordos, inteligência artificial, programas de análise de risco de processo para análise prévia de negociação ou mediação, enfim, foram inúmeras inovações. Aduzindo a quebra de paradigmas frente ao litígio, que redirecionou a tradicional judicialização outorgada ao terceiro juiz, para um modelo de desjudicialização de autocomposição responsabilizada, e efetivamente empoderada às partes de um conflito.

Enfim, vencida essa etapa podemos observar que uma segunda onda das ODR ́s se aproxima.

Praticamente inevitável, o metaverso deve avançar com a fúria de uma onda sobrepondo tudo que aparecer, no sentido metafórico. Ele já chegou e continuará transformando o modelo disruptivo para o tratamento de acordos extrajudiciais à distância. A evolução é constante, em breve teremos a era “antes do metaverso” e “depois do metaverso”, com hipotéticos multiversos, onde cada um interage e se socializa como no mundo real.

O metaverso é uma rede de ambientes digitais, que graças à realidade aumentada, realidade virtual, blockchain, juntamente com outras tecnologias emergentes, possibilita a criação de espaços virtuais simulados, gerando uma experiência imersiva em tempo real, em muitos casos multissensorial e que pode ser aplicada a diferentes casos de uso. Os usuários avatares/perfil digital se socializam, fazem negócios, se divertem, e por corolário também estarão em algum momento habilitados para resolver conflitos em sessões de mediação no metaverso.

Certamente, teremos que superar muitas limitações tecnológicas e culturais nesse novo nível das ODR ́s. Entretanto, desenvolver acordos em espaços virtuais 3D, com multiusuários compartilhados que se entrelaçam com o mundo físico e se fundem para construir um universo virtual paralelo, transportará as ODR ́s a uma disrupção sem fronteiras.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Business people using internet

Afinal, o que é Web 3.0 e qual sua relação com o Metalaw?

News-LEX

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

martelo

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Business people with startup rocket

Assessorando negócios com startups

dominoes-ge819e653e_1920

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Retinal biometrics technology with man’s eye digital remix

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Valentine's Day concept with tic tac toe on beige background

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

smart-attractive-asian-female-business-owner-weared-virtual-reality-glasses-enjoys-casual-metaverse-meeting-with-concentrate-at-cafe-restaurantasian-female-using-oculus-rift-headset-in-cafe

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.