Gestão de dados no contencioso: A Importância da eficiência dos processos e impacto no planejamento e tomada de decisão

Amanda Pioli e Andreia Barbalho, respectivamente advogadas Sênior e Júnior da C&A, falam sobre a importância de saber usar bem os dados - e o papel do advogado nesse processo
Publicado em
Gestão de dados no contencioso: A Importância da eficiência dos processos e impacto no planejamento e tomada de decisão
Imagem: Freepik

Texto de Amanda Pioli e Andreia Barbalho para o Observatório AB2L

A gestão de dados é um assunto que está ganhando cada vez mais visibilidade no mundo atual e, com o aumento de tecnologias que ajudam em análises mais estratégicas e preditivas isso também se tornou uma realidade nos departamentos jurídicos. É evidente a importância de um software padronizado e bem alimentado para atender as demandas desses departamentos. Isso porque, o processo de automação torna o gerenciamento do contencioso muito mais ágil, diminui erros operacionais, aumenta a
produtividade, permite que o advogado esteja disponível para apoiar em questões mais estratégicas para o negócio, entre diversos outros benefícios. O software, desde que possua uma base robusta, torna possível a formação de uma base de dados confiável através da qual é possível realizar essas análises
estratégicas e que trazem benefícios para o negócio.

A partir disso, considerando que os dados estão disponíveis, é imprescindível saber como valer-se em benefício do negócio. A análise de dados consiste basicamente na transformação de dados e números em conhecimento e estratégia. Ou seja, tem potencial para apresentar insights que podem influenciar diretamente no planejamento e na tomada de decisão, de forma ágil e com embasamento em dados concretos.

Uma análise de dados com qualidade e eficiência é capaz de identificar riscos e oportunidades no contencioso, por exemplo, analisando o histórico de processos e pagamentos de condenação, podemos tomar a melhor decisão para os processos que estão em curso, se é melhor fazer um acordo, aguardar
o julgamento, alterar a tese de defesa e até avaliar a melhor forma de provisionamento da base. Outro fator importante é que a análise do contencioso também é capaz de trazer insights para atuação no consultivo.

Digamos que após analisar sua base de dados e condenações, notou-se que determinada região está com alto índice de entrada de processos trabalhistas com pedido de danos morais, através dessa análise é possível que o departamento jurídico, atuando como parceiro do negócio, traga soluções de medidas preventivas nesse local, como por exemplo treinamentos personalizados sobre o assunto, atuação do time de Compliance etc. Neste sentido, tais análises são capazes de identificar/propiciar:

 Falhas operacionais;
 Possibilidade de redução de custos;
 Formas de atuação preventiva;
 Gestão de riscos;
 Definição de objetivos e metas;
 Fazer previsões com um maior nível de assertividade.


Além disso, em uma análise ainda mais profunda, essas tecnologias nos permitem identificar quais tipos de processos a empresa está sofrendo condenações e em qual região, qual magistrado está julgando a favor e contra, se o acordo for a melhor opção qual o valor que poderíamos oferecer e se a concorrência vem encarando os mesmos problemas, ou seja, o uso dos dados com inteligência e criticidade pode ser um meio muito eficiente para eliminar problemas, podendo, inclusive, elevar a lucratividade.
Um contencioso que se baseia em dados consegue se antecipar a diversos problemas e apoiar os outros departamentos da empresa a realizar o que é primordial, visando, inclusive, a geração de novos negócios e consequentemente mais lucro à medida que faz a gestão dos riscos legais envolvidos.

Hoje em dia, o cliente interno espera que o departamento jurídico “pense fora da caixa” e apresente soluções inovadoras para os desafios que se manifestam no cotidiano organizacional. É desejado que a atuação seja realizada de forma propositiva, com agilidade e parceira, ou seja, que haja uma
participação ativa no negócio e não somente em questões burocráticas e legais. É esperado também que o jurídico tenha conhecimento do tipo de risco que realmente tem potencial de se concretizar no futuro afim de que não trave determinados projetos sem a real necessidade. Neste sentido, a análise
preditiva de dados e conhecimento do seu contencioso auxiliam o advogado corporativo nesse quesito pois ele será capaz de realmente entender o que tem possibilidade de se tornar um passivo e trazer soluções que minimizem o risco para o negócio.

Nota-se, portanto, a importância de o advogado corporativo se tornar um profissional “multitarefas”, o que inclui saber e ter prazer por trabalhar com dados, bem como que esteja envolvido no negócio de maneira aprofundada. Assim, considerando que os dados norteiam o mundo globalizado e altamente tecnológico, também podem e devem nortear o contencioso de um departamento jurídico, trazendo a possibilidade de análises mais estratégicas para que a tomada de decisão se dê de forma mais assertiva.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Assessorando negócios com startups

Assessorando negócios com startups

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas – o que muda?

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.