3 NOVAS PROFISSÕES PARA BACHARÉIS EM DIREITO

Publicado em
Grey marble column details on building
Imagem: Freepik

Texto de Bernardo de Azevedo e Souza, pesquisador de Direito, inovação e novas tecnologias, para o Observatório AB2L

O mercado jurídico brasileiro está oferecendo muitas oportunidades aos bacharéis em Direito. Os escritórios de advocacia buscam profissionais de outras áreas para aprimorar seus serviços jurídicos. Os departamentos jurídicos almejam profissionais de diferentes expertises para diminuir os riscos empresariais. E as legaltechs procuram novos ares para oferecer soluções mais eficientes.

Se antigamente as opções após a graduação em Direito eram reduzidas, hoje o número de oportunidades é significativamente maior. Empresas e organizações estão investindo em equipes multidisciplinares para atender as demandas de um mundo em constante transformação. Conheça hoje 3 novas profissões para bacharéis em Direito:

1. Cientista de dados jurídicos

  • O que faz: desenvolve estruturas para analisar, organizar e interpretar dados de natureza jurídica;
  • Funções principais: definir critérios para extração de dados de processos e dados relacionados a teses jurídicas;
  • Conhecimentos necessários: estatística, SQL, R e/ou Python, e noções de visualização de dados e machine learning;
  • Onde desenvolver as habilidades: cursos online e abertos (edX, Coursera e Future Learn), além de cursos de Stanford e MIT;
  • Remuneração aproximada: de R$ 4.000 (cientista de dados júnior) até R$ 25.000 (nível head, chief ou manager).

2. Legal designer

  • O que faz: cria e remodela serviços jurídicos, e propõe soluções com foco na experiência do usuário;
  • Funções principais: facilitar processos, remodelar documentos jurídicos, além de redesenhar serviços e produtos;
  • Conhecimentos necessários: design thinking, criatividade, UX design, metodologias ágeis, storytelling e design gráfico;
  • Onde desenvolver as habilidades: cursos oferecidos no mercado brasileiro, bem como exercitar as atividades na prática;
  • Remuneração aproximada: em escritórios de advocacia e lawtechs a remuneração inicial gira entre R$ 2.000 e R$ 5.000.

3. Engenheiro jurídico

  • O que faz: intermedeia a relação entre advogado e desenvolvedor, ajudando a criar ferramentas;
  • Funções principais: traduzir a linguagem jurídica em lógica de programação (em códigos e variáveis);
  • Conhecimentos necessários: noções de lógica básica e pensamento analítico, além de entender árvores de decisão;
  • Onde desenvolver as habilidades: cursos oferecidos no mercado brasileiro e estrangeiro, além de aprendizado em legaltech;
  • Remuneração aproximada: de R$ 1.500 (estagiários) até R$ 30.000 (para profissionais do Jurídico de grandes empresas).

Conclusões: As informações constantes neste material foram adquiridas após reuniões e conversas que tive com mais de 20 profissionais que atuam nas carreiras jurídicas mencionadas. Se você é cientista de dados jurídicos, legal designer ou engenheiro jurídico e sentiu falta de alguma informação relevante, comente. Será um prazer atualizar o material em breve e torná-lo ainda melhor.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
14cfba59-94f6-4724-9c7e-6828caadc8a2

Advogado, qual é o seu maior medo? - Abertura do AB2L Lawtech Experience 2022

businessman hand stop dominoes continuous toppled or risk with c

Uma alternativa para a resolução de conflitos

Correcting interface

Marketing jurídico: o que é e como fazer

Entrepreneur using digital tablet

Você está pronto para o mercado 4.0?

African American bank manager and a couple signing a contract in

Legal Ops: O que são e porque investir nesse setor?

Business people using internet

Afinal, o que é Web 3.0 e qual sua relação com o Metalaw?

News-LEX

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

martelo

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.