Pesquisar
Close this search box.

Um novo bicho papão?

Uma conversa informal com chatGPT sobre a sobrevivência dos operadores do direito.
Publicado em
Captura de tela 2023-03-13 093315

Por Migalhas

Nos últimos dias uma notícia tem dominado o debate público. O lançamento público do chatGPT, que é um chat bot, ou seja, um robô que usa inteligência artificial para a partir de perguntas do usuário dar respostas simulando um diálogo natural, possibilitando respostas desestruturadas e que ampliam os limites da pergunta feita. Assim, as respostas, em decorrência de serem baseadas em enorme banco de dados e na tecnologia de Machine Learning (máquinas que aprendem em razão das interações passadas) são naturais e com grau de inovação e criatividade que impressionam. Ele responde nossas questões e não apenas nos guia em alternativas predeterminadas como os chat bots padrão. 

Exatamente essa característica que assombrou o mundo e acordou em nós a noção cinematográfica de inteligência artificial que foi esculpida em nosso subconsciente por filmes como 2001 uma odisseia no espaço, exterminador do futuro e matrix. Nestes filmes a inteligência artificial sempre se volta contra a humanidade. 

Passado o susto, a realidade é menos dramática do que nos filmes, porém ainda assim merece preocupação, na medida em que chat bots como esses possuem o potencial de causarem impactos em diversas profissões desestruturando cadeias laborativas, cadeias de negócios e por que não, a própria sociedade.  

Diante desse quadro, temos os pessimistas que acham o copo meio vazio, os otimistas que veem o copo meio cheio, já eu vejo o copo com água na metade e ele ficará mais cheio ou mais vazio a depender de como reagiremos a essa novidade. De como cada indivíduo vai se adaptar, de como cada empresas vão reagir e de como o Estado vai regular essa inovação.              

Contudo, porque não ouvir o que “pensa” esse bicho papão sobre seu impacto no mercado de trabalho, em especial em profissões jurídicas como advogados, defensores, juízes e tabeliães. Vamos conversar com chatGPT: 

Eu: comecemos falando de forma resumida o que é você?

ChatGPT: Eu sou um modelo de linguagem treinado pela OpenAI. Minha função é responder perguntas e ajudar com informações, conversando de maneira natural como se fosse uma pessoa. Tenho conhecimento até 2021 e estou sempre pronto para ajudar com o que precisar.

Eu: em termos técnicos?

ChatGPT: Tecnicamente, sou uma rede neural de linguagem baseada em transformers, treinada em grandes quantidades de texto da internet para realizar tarefas como resposta a perguntas, geração de texto e tradução de idiomas. A tecnologia de transformers permite que eu compreenda o contexto e a semântica de uma frase, o que me permite responder de forma mais precisa e natural.

Eu: qual o impacto que você gerará nos postos de trabalho?

ChatGPT: O impacto da tecnologia de modelos de linguagem como eu na força de trabalho ainda é objeto de debates e previsões. Por um lado, existe a preocupação de que algumas tarefas sejam automatizadas e substituam postos de trabalho. Por outro lado, também existe a expectativa de que a tecnologia possa criar novos postos de trabalho e otimizar processos, liberando os profissionais para se concentrarem em tarefas que requerem criatividade e pensamento humano.

A longo prazo, acredita-se que os modelos de linguagem como eu possam ajudar a aumentar a produtividade humana, permitindo que as pessoas completem tarefas mais rapidamente e eficientemente. No entanto, também é importante considerar a necessidade de se preparar para a transição e garantir que todos os profissionais possam se beneficiar e se capacitar para as novas demandas do mercado de trabalho.

Eu: ok, mas aumentando a produtividade de cada indivíduo, não haverá diminuição de postos de trabalhos?

ChatGPT: A automatização de tarefas pode levar a uma diminuição temporária de alguns postos de trabalho, especialmente aqueles que são repetitivos ou baseados em regras. No entanto, a história mostra que, em geral, a automatização acaba criando mais postos de trabalho do que os que ela elimina, uma vez que aumenta a eficiência e permite que as empresas invistam em novos negócios e iniciativas.

Além disso, a tecnologia de modelos de linguagem como eu pode ser usada para ajudar a resolver problemas complexos e aumentar a eficiência de tarefas que exigem habilidades humanas, como a tomada de decisões, a solução de problemas e a criatividade. Desta forma, em vez de substituir postos de trabalho, a tecnologia pode ser usada para complementar e apoiar o trabalho humano.

Em resumo, o impacto da tecnologia de modelos de linguagem na força de trabalho é complexo e pode variar de acordo com a indústria e a tarefa em questão. No entanto, a tendência geral é de que a automatização crie mais oportunidades do que as que ela elimina a longo prazo.

Eu: a automação já empurrou a força de trabalho para tarefas mais intelectuais e agora você faz parte dessas tarefas. Quais sobrarão?

ChatGPT: A automação pode substituir trabalhos que envolvem tarefas repetitivas e previsíveis, mas ainda há muitas tarefas que exigem habilidades e capacidades que as máquinas não possuem. Algumas das tarefas que ainda não podem ser automatizadas incluem:

Trabalhos criativos, como escrita, design e arte.
Trabalhos que envolvem interação social, como cuidados de saúde e serviços ao cliente.
Trabalhos que exigem julgamento e tomada de decisão complexa, como advogados e juízes.
Trabalhos que exigem habilidades manuais e destreza, como construção e reparo de equipamentos.
Além disso, com o aumento da automação, espera-se que surjam novos empregos e oportunidades, especialmente em áreas relacionadas à tecnologia e à ciência da computação. À medida que a automação continua a evoluir, é importante que as pessoas se preparem para as mudanças e adquiram habilidades que sejam relevantes e valiosas para a economia em evolução.

Eu: especificamente com relação as profissões jurídicas, qual o seu impacto?

ChatGPT: A tecnologia de modelos de linguagem como eu pode ter um impacto significativo nas profissões jurídicas, especialmente nas tarefas que são repetitivas ou baseadas em regras, como a pesquisa jurídica, a classificação de documentos e a geração de contratos.

Por exemplo, os modelos de linguagem podem ser usados para pesquisar rapidamente grandes quantidades de informações jurídicas, identificar padrões e ajudar a tomar decisões informadas. Isso pode permitir que os profissionais do direito se concentrem em tarefas mais estratégicas e criativas, como a defesa dos direitos dos clientes e a resolução de conflitos complexos.

No entanto, é importante notar que a tecnologia de modelos de linguagem não pode substituir completamente o conhecimento e a habilidade humana dos profissionais do direito. A interpretação e aplicação do direito requerem uma compreensão profunda da lei, da jurisprudência e da ética, o que é algo que somente os seres humanos podem fornecer.

Em resumo, a tecnologia de modelos de linguagem como eu pode ajudar a otimizar e aumentar a eficiência das profissões jurídicas, mas não pode substituir completamente o trabalho humano. É importante que os profissionais do direito sejam capacitados para trabalhar em conjunto com a tecnologia e se adaptem às mudanças do mercado de trabalho.

Eu: mas um menor número de pessoas pode fazer um maior número de tarefas?

ChatGPT: Sim, é possível que a tecnologia de modelos de linguagem como eu permita que um menor número de pessoas execute um maior número de tarefas de forma mais eficiente. Por exemplo, a automatização de tarefas repetitivas ou baseadas em regras pode liberar tempo para que os profissionais se concentrem em tarefas mais estratégicas e criativas.

No entanto, é importante notar que a tecnologia não pode substituir completamente o trabalho humano, especialmente em tarefas que exigem habilidades humanas, como a solução de problemas, a tomada de decisões e a criatividade. Além disso, a mudança para uma força de trabalho mais tecnológica pode afetar o mercado de trabalho e requerer treinamento para que os trabalhadores possam se adaptar a novas habilidades e oportunidades de carreira.

Em resumo, a tecnologia pode aumentar a eficiência e permitir que uma equipe menor execute um maior número de tarefas, mas não pode substituir completamente o trabalho humano. É importante considerar cuidadosamente como a tecnologia pode ser usada para complementar e apoiar o trabalho humano de forma ética e responsável.

Eu: qual então sua opinião sobre o que um profissional do direito deve ter para manter seu trabalho?

ChatGPT: Acredito que um profissional do direito deve ter as seguintes habilidades e características para manter e aprimorar seu trabalho em um mercado cada vez mais tecnológico:

Conhecimento jurídico profundo: Uma compreensão sólida da lei, da jurisprudência e da ética é fundamental para a profissão do direito. A tecnologia pode ajudar a acessar e processar informações, mas a interpretação e aplicação da lei ainda dependem da habilidade humana.
Habilidades técnicas: Conhecer e saber usar as tecnologias relevantes, como os sistemas de informação jurídica e de automação de processos, é importante para a eficiência e competitividade no mercado de trabalho.
Habilidades de comunicação e resolução de conflitos: A capacidade de se comunicar de forma clara e persuasiva e de resolver conflitos de forma efetiva é fundamental para o sucesso como advogado.
Adaptabilidade e resiliência: A tecnologia está mudando rapidamente e os profissionais do direito precisam estar abertos a aprender e se adaptar às novas tecnologias e processos. Além disso, precisam ter resiliência para enfrentar desafios e mudanças no mercado de trabalho.
Ética e integridade: O profissionalismo e a integridade são valores fundamentais na profissão do direito e são importantes para garantir a confiança dos clientes e da sociedade.
Em resumo, para manter e aprimorar seu trabalho, acredito que um profissional do direito deve ter conhecimento jurídico sólido, habilidades técnicas, habilidades de comunicação e resolução de conflitos, adaptabilidade e resiliência, além de ética e integridade.

Eu: obrigado

É isso, não sabemos se essas respostas estão pré-direcionadas em razão de ser questões que logicamente seriam levantadas ou são resposta normais em decorrência de seu algoritmo.

E, podemos extrair alguns ensinamentos de suas respostas. O operador do direito terá que se preparar para essa transição, focar imediatamente em capacitação, resiliência diante das mudanças, adaptabilidade e constatar imediatamente que a tecnologia não é coisa de engenheiros, programadores e cientistas de dados. Hoje em dia ela está intimamente ligada ao exercício de praticamente todas as profissões. Imperioso entender seu funcionamento e como aplicá-la à sua profissão.          

Não estamos falando do futuro. Estamos falando do presente e precisamos nos mexer imediatamente. É sempre importante lembrar que a humanidade nunca abandonou uma tecnologia nova e não será dessa vez. Resta trabalhar para que os otimistas tenham razão. 

Por fim, pego-me diante de uma estranheza. Tratei o chatGPT pelo pronome ELE, me senti compelido a debater com ele, talvez tentando convencê-lo, após algum tempo esqueci que era um sistema e agora me coloco como autor de um texto que boa parte não foi escrito por mim. 

É o assustador e admirável mundo novo.


Escrito por Andrey Guimarães Duarte, atual presidente da Associação dos Titulares de Cartório de São Paulo, vice-presidente do Colégio Notarial do Brasil – Seção São Paulo, 4º tabelião de notas da Comarca de São Bernardo do Campo e membro do Conselho Consultivo do Instituto Brasileiro de Direito Imobiliário – IBRADIM.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
web-summit

Web Summit Rio: a força do empreendedorismo e da tecnologia

O Web Summit Rio nos mostrou que a ativação de grandes eventos como esse trouxe também benefícios intangíveis para nos estimular na capacidade de perceber novamente a partir do acesso àquilo que não conhecíamos e, com isso, o país só tem a ganhar
1_ticiano-36284834

Ticiano Gadêlha: Entre a lei e a inovação

A Lei Complementar nº 182, de 2021, conhecida como Marco Legal das Startups, é um exemplo de como o país busca fomentar o ecossistema de inovação, oferecendo um ambiente regulatório mais flexível e adaptado às peculiaridades dessas empresas
201021flavia11

B3 desenvolve plataforma para transações secundárias de startups

Infraestrutura será vendida em modelo white label para companhias de crowdfunding
tatiana coutinho

Ambientes Jurídicos mais Inclusivos: Uma Reflexão sobre Diversidade e Inclusão no Direito

Tatiana Coutinho, Associada à AB2L, recebe destaque no artigo "Ambientes Jurídicos mais Inclusivos: Uma Reflexão sobre Diversidade e Inclusão no Direito", do site Ela Jurista!
EMPRESAS ALIADAS E MANTENEDORAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.