Pesquisar
Close this search box.

Suíça aprova lei e dá sinal verde para tokenização de produtos em blockchain

Publicado em
shutterstock_1581231604-300x173

Uma coleção de vinhos será o primeiro produto a receber tokenização na Suíça com as novas leis acerca da tecnologia blockchain que parcialmente entrou em vigor no país nesta segunda-feira (01). A nova classe de ativos teve início com a parceria entre o Sygnum Bank e a empresa de vinhos Fine Wine Capital AG, conforme comunicado em conjunto das instituições.

“As novas disposições legais pavimentam o caminho para a próxima geração de valores mobiliários no blockchain e fornecem uma base legal robusta para realizar o potencial de tokenização de ativos”, diz a nota.

Segundo comunicado, os ativos são tokenizados na plataforma Desygnate da Sygnum e emitidos de acordo com a estrutura legal e totalmente reconhecidos em uma nova categoria de títulos com base em DLT.

Para o cofundador da Fine Wine, Alexandre Challand, a inovação abre caminho para novos investidores tanto privados como institucionais. “Isso lhes dá a oportunidade de manter, negociar ou solicitar uma liquidação física deste ativo único de maneira eficiente”, comentou.

Associação de blockchain comemora

A Swiss Blockchain Federation, que é a associação de blockchain do país, disse em nota que em meados de dezembro passado, o Conselho Federal decidiu colocar partes da proposta de blockchain que havia sido aprovada em setembro pelo parlamento. A entidade comemorou que agora os ativos podem viver sem papel e, ao contrário dos negociados em bolsa de valores, sem bancos.

“Em vez disso, os direitos do valor de registro são “impressos” em tokens criptográficos, que, como as criptomoedas, podem ser transferidos digitalmente e diretamente de pessoa para pessoa sem um intermediário”, explicou.

Gino Wirthensohn, chefe do setor de tecnologia do Sygnum Bank, seguiu o mesmo discurso. Para ele, as disposições legais que entram em vigor nesta segunda garantem que a tokenização de ativos seja agora uma alternativa viável à securitização tradicional.

Comemorou também a advogada suíça Cornelia Stengel, que participou da elaboração da nova legislação sobre blockchain. “Isso significa que, a partir de hoje, é possível transferir direitos e reivindicações de forma puramente digital e sem o envolvimento de um intermediário”, escreveu em sua conta no Linkedin.

Fonte: portaldobitcoin

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
web-summit

Web Summit Rio: a força do empreendedorismo e da tecnologia

O Web Summit Rio nos mostrou que a ativação de grandes eventos como esse trouxe também benefícios intangíveis para nos estimular na capacidade de perceber novamente a partir do acesso àquilo que não conhecíamos e, com isso, o país só tem a ganhar
1_ticiano-36284834

Ticiano Gadêlha: Entre a lei e a inovação

A Lei Complementar nº 182, de 2021, conhecida como Marco Legal das Startups, é um exemplo de como o país busca fomentar o ecossistema de inovação, oferecendo um ambiente regulatório mais flexível e adaptado às peculiaridades dessas empresas
201021flavia11

B3 desenvolve plataforma para transações secundárias de startups

Infraestrutura será vendida em modelo white label para companhias de crowdfunding
tatiana coutinho

Ambientes Jurídicos mais Inclusivos: Uma Reflexão sobre Diversidade e Inclusão no Direito

Tatiana Coutinho, Associada à AB2L, recebe destaque no artigo "Ambientes Jurídicos mais Inclusivos: Uma Reflexão sobre Diversidade e Inclusão no Direito", do site Ela Jurista!
EMPRESAS ALIADAS E MANTENEDORAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.