Sistemas tecnológicos são tendência para escritórios

Atualizações no Direito são importantes para o avanço da área
Publicado em

Texto original de Jaire Filho, publicado na versão impressa do Jornal do Comércio de Porto Alegre

As novas tecnologias vêm alterando o modo de se fazer Direito. Escritórios têm novos equipamentos, os autos são relacionados em âmbito virtual, muitos documentos podem ser acessados remotamente pelas partes, e audiências por videoconferência são comuns. A pandemia forçou o processo de atualização dessas empresas e instituições, que precisavam impedir o acúmulo de processos e garantir uma maior agilidade do poder Judiciário. Além disso, ajudam a diminuir o consumo de papel em tribunais e instituições. Esse tipo de sistema focado em organização já é utilizado na maioria dos tribunais brasileiros, mas as novas tendências apontam para programas focados nos escritórios e que facilitem o trabalho dos advogados.
Um dos pontos mais sabidos em relação ao Direito é o sobrecarregamento dos profissionais, já que há grande demanda de ações movidas no País. Em 31 de dezembro de 2021, o Brasil possuía 71 milhões de processos em tramitação. Portanto, há grande necessidade por organização nas milhares de instituições jurídicas e a utilização de novos sistemas com inteligência artificial e capacidade organizacional poderá ser o futuro dos escritórios. Esses programas são desenvolvidos por empresas chamadas de lawtechs ou legaltechs. A Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L) informou a existência de 106 startups
ligadas ao Direito e tecnologia, em março de 2019. Apenas duas dessas empresas tinham o setor público como alvo. O fato demonstra como o investimento na área está aumentando e também como o alvo desses programas jurídicos é o setor privado, com sistemas focados na facilidade de utilização e capacidade de organização.
O Jornal da Lei compareceu ao Legal Innovation Experience, evento sobre tecnologia no Direito ocorrido na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), e conversou com a advogada Caroline Francescato da Rosa, fundadora e CEO da rede social LinkLei, e especialista em tecnologia no Direito.

Caroline comentou sobre a funcionalidade das lawtechs, empresas focadas em solucionar problemas das empresas jurídicas.

Jornal da Lei – O que são as Lawtechs/Legaltechs?
Caroline Francescato – Legaltechs são empresas que utilizam da tecnologia para resolver problemas jurídicos ou para auxilia os profissionais jurídicos e advogados no dia a dia. A gente vai ter lawtechs que vão tentar diminuir um pouco o número de processos e lawtechs que atuam na parte de auxiliar o advogado com automatização de processos, analise e predição de riscos. São empresas que utilizam das tecnologias jurídicas para resolver problemas ou auxiliar os agentes jurídicos a resolvê-los.


JL – O Direito brasileiro está atrasado em relação à tecnologia?
Caroline – A gente não pode dizer que o Direito no Brasil está atrasado em relação à tecnologia, porque quando a gente olha para outros países, a gente tem mais de duzentas empresas de tecnologia. O Brasil é o primeiro país que pode ter uma Justiça 100% digital. Porque nós já temos bastante evoluída essa questão de digitalização dos processos.

JL – O Brasil é o país com maior número de advogados por habitante. Como a tecnologia pode criar novas funções no Direito?
Caroline – A tecnologia tem gerado mais oportunidades e possibilidades para os profissionais
que a têm encarado como aliada. Acho que esse é o diferencial daquele profissional que não vai ter
oportunidade para o que vai ter. Sim, nós temos um número gigantesco de profissionais por habitante, mas aí a gente começa a pensar nas novas profissões que existem. Não só o profissional que vai ter a OAB e advogar, mas a possibilidade de engenheiros jurídicos, diretores jurídicos de inovação. A gente tem um grande número de advogados, mas temos mais de três mil novas funções que estão surgindo por causa da tecnologia jurídica.


JL – Como os profissionais antigos lidam com as novas tecnologias?
Caroline – As pessoas têm tido um receio pelo motivo de acharem que serão substituídas por robôs.
Mas na verdade, a tecnologia nos ajuda a avaliar melhor as habilidades do humano, tornando nosso trabalho menos robotizado. A tecnologia deixa para o robô as ações repetitivas, ações em massa, e deixa para o humano a parte de comunicação. Acredito que os profissionais mais antigos têm a parte das Softskills evoluídas. São profissionais que sabem comunicar muito bem. Por mais que não consigam ser adeptos às novas tecnologias, eles podem usar desses outros artifícios. A tecnologia, a inovação, gera estranheza no começo, mas depois é algo que a gente não consegue se imaginar sem. Podemos usar o exemplo do smartphone. As pessoas mais velhas atualmente não conseguem se imaginar mais sem o smartphone e as redes sociais. Então acho que é só a questão de entender como elas (as tecnologias) podem caminhar junto com o nosso trabalho.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
BGC

Streamers gamers apostam em um novo nicho: eventos proprietários

Brasil movimentará US$ 2,7 bi em negócios relacionados a games em 2022
carreira_profissoesdofuturo_24022021_Marko-Geber_GettyImages-3-768x512

No pain, no gain: tentativa e erro devem fazer parte da cultura das empresas da era digital

Atualmente as empresas procuram desencadear transformações digitais e se beneficiar de infraestruturas escaláveis e ágeis
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.