Projeto de integrantes do TJPE vence desafio tecnológico do CNJ

Publicado em
Eita!

A ferramenta “EITA – Mais que dados, informação estratégica”, desenvolvida por integrantes do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), foi um dos dois projetos vencedores do primeiro ciclo de inovação colaborativa CNJ Inova. A maratona mobilizou mais de 500 profissionais de diferentes áreas do conhecimento para apresentarem soluções tecnológicas destinadas a aprimorar a produtividade, dar maior agilidade e qualificar a tramitação de processos judiciais no país.

Durante o encerramento do evento, transmitido pelo canal do CNJ no YouTube, as seis equipes finalistas apresentaram as versões definitivas dos projetos de ciência de dados e inteligência artificial em torno de dois desafios: tempo e produtividade; e inconsistência de dados nos sistemas dos tribunais para consolidação na Base Nacional de Dados do Poder Judiciário (DataJud).

Escolhida como vencedora do desafio 1, a “EITA – Mais que dados, informação estratégica” se destacou, segundo a Comissão Avaliadora Final, por apresentar uma ferramenta capaz de, a partir do DataJud, possibilitar o acesso a um fluxo inovador de identificação de padrões e comparação de processos, o que auxiliará o Poder Judiciário na identificação e percepção de problemas. “A ferramenta de previsão de fases foi um diferencial e fez essa solução se distinguir das outras duas finalistas e a colocou num patamar um pouco acima”, explicou o juiz auxiliar da Presidência do CNJ, Fabio Porto.

O juiz José Faustino Macedo, integrante da equipe vencedora e magistrado do TJPE, reforçou que o foco foi na mineração de processos para entregar ao gestor público uma ferramenta de acompanhamento e comparação dos fluxos de trabalho no Judiciário, fornecendo apoio na tomada de decisão. Segundo o integrante da equipe EITA, com a inteligência artificial empregada na ferramenta é possível mapear o ciclo de vida dos processos e identificar os gargalos existentes e ainda atuando de forma preventiva.

“Nossa ferramenta pretende impactar por meio da mineração de processos e possibilitar uma visão macro do Poder Judiciário, gerando insights sobre qual é o tribunal mais lento, o mais rápido, entre outros. A intenção é estimular reflexões e comparações através de variáveis próprias, como atuação. Além disso, promovermos o enriquecimento dos dados, pois agregamos outras bases públicas como socioeconômica e demográfica”, contou.

Compõem ainda a equipe o analista de sistemas e arquiteto de soluções Cleber Moura, o mestre em inteligência computacional e analista de sistemas Hadautho Roberto Barros, a arquiteta de dados Suely Batista e os gestores de tecnologia da informação Fabio Cruz e Luiz Henrique Seus, todos servidores do TJPE lotados na Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação do Tribunal. O servidor do TJPE Diego Lages, que também atua na Setic, integrou outra equipe finalista da maratona com o Projeto Panorama.

Experiência

Para a juíza auxiliar da Presidência do CNJ Ana Lucia Andrade de Aguiar, todos os trabalhos apresentados durante o CNJ Inova foram de excelência. “Essa análise de dados interessa muito ao CNJ, que tem a vocação de reunir os dados dos tribunais, mas não tem todo esse conhecimento de análise destes profissionais. E juntos nós podemos somar esses trabalhos para o Poder Judiciário e também para a sociedade.”

Também integrante da Comissão Avaliadora Final, o juiz auxiliar da Presidência do CNJ Carl Smith reforçou a importância da parceria com a Escola Nacional de Administração Pública (Enap) e do apoio do Lab Griô e da Plataforma Shawee para a realização do CNJ Inova, que ao final deste ciclo de Inovação colaborativa formou 68 equipes que apresentaram 39 soluções tecnológicas.


Texto e Foto: Fonte CNJ

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.