Inventário ou união estável? Rocket Lawyer lança plataforma de contratos no Brasil

Publicado em
Inventario ou uniao estavel Rocket Lawyer lanca plataforma de contratos no Brasil
Imagem: Pixabay

Texto original de Maria Luíza Filgueiras, publicado por Pipeline

Legaltech americana soma mais de 25 milhões de usuários e fez rodada de US$ 223 milhões em abril

O advogado americano Charley Moore atendia empresas de tecnologia apoiadas por grandes fundos de investimento, gestoras e empresários no Vale do Silício, quando viu um filão para também empreender. Ele fundou a Rocket Lawyer em 2008, com a proposta de democratizar serviços jurídicos que custavam uma nota na Califórnia. Treze anos e 25 milhões de usuários depois, a legaltech está montando sua operação no Brasil, seu primeiro mercado latino-americano – além, de Estados Unidos, a Rocket Lawyer já tem operação em alguns países europeus.

Não que Moore nunca tenha olhado para o mercado brasileiro – mas fechou os olhos rapidamente depois que passou uma temporada por aqui e entendeu a complexidade cartorária, os custos altos e então o baixo uso de tecnologia nesse mercado e entre os brasileiros de forma geral. “Ele veio ao Brasil em 2016 e a conclusão, depois de testar serviços e ir a cartórios, foi ‘no go’. Era tudo muito análogico ainda”, diz Rafael Steinhauser, sócio e presidente da operação local e amigo de longa data de Moore – e ele mesmo um estrangeiro que teve lá seus desafios para decifrar as peculiaridades de Brasil há algumas décadas.

Steinhauser considera que, desde aquela visita, houve uma mudança considerável de cenário. A tecnologia implementada avançou muito, desde o intensivo uso de smartphones no Brasil a ferramentas alavancadas pela pandemia, como assinatura eletrônica de documentos. “A pandemia também ajudou muito no avanço regulatório, que se acelerou”, complementa Michel Cury, CEO da Rocket Lawyer Latin America.

“Isso também trouxe uma mudança cultural, hoje o brasileiro confia no banco digital para fazer transações, por exemplo”, diz Steinhauser. “Não dá mais para fazer transações comerciais no dia a dia no fio do bigode, o que não serve se tiver um litígio. Se você contratou um serviço que não foi prestado, é melhor ter isso em contrato assinado do que usando mensagens de WhatsApp para provar seu argumento”, emenda ele, sobre o que se tornou um hábito local nas relações comerciais.

Cury e Steinhauser são sócios minoritários e Moore controlador da sociedade latino-americana, que deve se replicar para outros mercados depois de ganhar tração no Brasil. O lançamento local vem depois de uma rodada de captação de US$ 223 milhões em abril deste ano, com boa parte dos recursos carimbada para a expansão geográfica.

Por aqui, os sócios apontam que são 130 milhões de brasileiros sem qualquer registro contratual, seja de seu casamento, seja de vínculo de trabalho, e mais de 4 milhões de pequenas e médias empresas com poucas ferramentas (e verba) para documentar sua vida jurídica. A Rocket Lawyer espera atrair esse cliente PJ e dois grupos de pessoas físicas – aqueles que nunca fizeram um contrato e outro grupo que já faz com certa frequência mas de forma mais onerosa, como proprietários de imóveis para locação.

No exterior, a plataforma tem mais de 1,1 mil modelos de contratos. No soft launch no Brasil, a Rocket Lawyer terá 10 modelos de contrato gratuitos, como locação, compra e venda de automóvel e união estável, passando a 120 contratos na fase de implementação total e lançamento comercial, quando cobrará assinatura mensal de R$ 79,80.

“Nos Estados Unidos, o seguro jurídico, com esse tipo de solução, tem se tornado cada vez mais comum entre os benefícios de uma companhia aos funcionários. Mas é uma etapa distante para a realidade brasileira ainda”, diz Cury. A plataforma faz parceria com uma rede de advogados, que podem ser contratados pelo cliente em caso de litígio sobre o contrato feito, mas sem vínculo econômico com o aplicativo.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
BGC

Streamers gamers apostam em um novo nicho: eventos proprietários

Brasil movimentará US$ 2,7 bi em negócios relacionados a games em 2022
carreira_profissoesdofuturo_24022021_Marko-Geber_GettyImages-3-768x512

No pain, no gain: tentativa e erro devem fazer parte da cultura das empresas da era digital

Atualmente as empresas procuram desencadear transformações digitais e se beneficiar de infraestruturas escaláveis e ágeis
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.