Exchange e startup desenvolvem criptomoeda com foco em minimizar o impacto ambiental no interior de São Paulo

Publicado em
blockchain-reciclagem-energia-sustentabilidade-e1543425466229-616x340

A exchange FlowBTC juntou-se à startup ECOCHAIN e mais duas empresas para criar a Ecochain Moeda Verde, criptomoeda que busca minimizar o impacto ambiental e promover o desenvolvimento socioeconômico em municípios brasileiros.

Além da FlowBTC e da ECOCHAIN, juntaram-se ao projeto a Ti2Ci, empresa de soluções para cidades inteligentes, e a LF1, especialista em inovação tecnológica.

O cenário desse projeto é a cidade de Santa Cruz da Esperança que, desde 2017, já conduzia a Moeda Verde, cupom que era dado a voluntários que recolhiam e depositavam materiais para reciclagem nos pontos de coleta. O projeto também já existia em outras cidades, como Santo André, e serviu como inspiração para a ECOCHAIN.

“Na época, conduzia um estudo de pós-doutorado sobre aplicações da blockchain em prol da sustentabilidade e do meio ambiente. Quando conheci a iniciativa do município foi amor à primeira vista. Já nos juntamos com a FlowBTC e a Ti2Ci para desenvolvermos uma alternativa mais segura e transparente que substitui o cupom impresso utilizado anteriormente”, explicou Antônio Limongi, sócio da startup ECOCHAIN. Atualmente, 3% dos moradores da cidade usufruem do sistema. Com a mudança, Limongi espera atingir a marca de 100% de utilização.

Blockchain é sustentável

Segundo a FlowBTC, o projeto vai muito além de criar uma plataforma segura, confiável e transparente para transações de compra e venda de uma criptomoeda. Essa iniciativa afirma o caráter disruptivo das criptomoedas, uma vez que o núcleo da existência da moeda ECOCHAIN é ser utilizada como forma de promoção da economia circular no município de Santa Cruz da Esperança.

“COM ESSA TECNOLOGIA QUEREMOS, TAMBÉM, QUEBRAR AQUELA IMAGEM CONSTRUÍDA A RESPEITO DAS CRIPTOMOEDAS COMO ALGO QUE VISA APENAS LUCRO, E MOSTRAR QUE É TOTALMENTE POSSÍVEL UTILIZAR ESSE RECURSO PARA CONTRIBUIR COM O ECOSSISTEMA”, ACRESCENTOU MARCELO MIRANDA, CEO DA FLOWBTC.

Como funciona

Para fazer parte do projeto, o voluntário precisa fazer o cadastro no site Ecochain Moeda Verde na prefeitura do município, ou em um posto de coleta. Para efetuar o registro, basta fornecer nome completo e CPF.

Após esse processo, o cidadão tem acesso automaticamente à uma carteira onde receberá seus tokens (ECOs) e poderá verificar seu saldo – a carteira pode ser acessada de qualquer dispositivo móvel. Caso algum voluntário não tenha celular, o token é disponibilizado em formato de QR code. Com essa moeda digital, o voluntário pode adquirir itens de cesta básica e materiais escolares.

Dados sobre resíduos sólidos

O descarte de resíduos sólidos tem se tornado um tema cada dia mais presente nas discussões das autoridades. De acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE), que elaborou o “Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil – 2016”, são gerados 78,3 milhões de toneladas de resíduos por ano nas terras brasileiras. Ainda, o Compromisso Empresarial para Reciclagem (CEMPRE) estima que o Brasil gasta mais de R$10 bilhões em resíduos sólidos, por ano.

Até o momento, já foram coletadas cerca de 24 toneladas de resíduos sólidos domésticos no município. Limongi estima que esse número deve saltar para duas toneladas ao mês.

“ISSO É MUITO IMPORTANTE PARA A CIDADE, POIS ALÉM DE CONTRIBUIR PARA A DIMINUIÇÃO DE MATERIAIS DESCARTADOS NOS ATERROS – QUE FOI CONSIDERAVELMENTE MENOR SE COMPARADO AOS ANOS ANTERIORES – ESSA INICIATIVA AJUDA A ERRADICAR DOENÇAS COMO DENGUE E CHICUNGUNHA”, EXPLICOU O SÓCIO.

ECOCHAIN em outras cidades

Além de iniciar a circulação da ECO em Santa Cruz da Esperança, a ECOCHAIN pretende levar essa tecnologia para 40 outros municípios de diversos tamanhos, os quais já demonstraram interesse pelo projeto. Desses, existem duas cidades com propostas firmes para iniciar a parte “legislativa” do processo e já contar com o Ecochain Moeda Verde.

“ESSE É SÓ O COMEÇO. ATÉ DEZEMBRO DE 2019, PRETENDEMOS JÁ TER A MOEDA IMPLEMENTADA EM TODOS OS MUNICÍPIOS DA LISTA. ALÉM DISSO, TAMBÉM QUEREMOS ADAPTAR O SISTEMA PARA ATUAR EM UMA CAPITAL, COMO SÃO PAULO”, COMPLETOU RONAN CUNALI, DIRETOR DA TI2CI.

 

Por Luciano Rocha

Fonte: https://www.criptomoedasfacil.com/exchange-e-startup-desenvolvem-criptomoeda-com-foco-em-minimizar-o-impacto-ambiental-no-interior-de-sao-paulo/

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.