CNI se manifesta a favor de manter vetos ao uso obrigatório do certificado digital

Publicado em
CNI se manifesta a favor de manter vetos ao uso obrigatório do certificado digital

A Confederação Nacional da Indústria (CNI), junto a outras instituições e associações públicas como o ITS-Rio e a AB2L, reforçam a importância de manter os vetos 50.20.002 e 50.20.003 (incisos II e V do § 2º do art. 5º) que obrigam o uso de assinatura eletrônica qualificada (certificado digital) nas interações com o ente público que envolvam sigilo constitucional, legal ou fiscal; e nos atos de transferência de propriedade de veículos automotores, respectivamente.

Se rejeitado o Veto 50.20.002, qualquer ação que envolva sigilo (por menor que seja) com o poder público, seja entre entes do poder públicos ou entre o poder público e sociedade, deverá ser por meio de certificado digital emitido pelos moldes ICP-Brasil. Será obrigatório para uso de sites do governo, tanto os que envolverem acesso de informação, como de acesso simples a todas as plataformas de aplicativos do governo.

“A manutenção do veto é essencial. A derrubada aumentará o custo Brasil. Só em renovação de certificados digitais o governo federal gasta aproximadamente R$ 80 milhões por ano. Enquanto o mercado, especialmente o pequeno empreendedor, terá que desembolsar R$ 2 bilhões por ano. Há outros métodos igualmente seguros, eficazes, muito mais baratos e até gratuitos. Não faz sentido onerar ainda mais o cidadão e aumentar o custo da máquina pública”, afirmou Daniel Marques, diretor da AB2L (Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs).

Diretrizes internacionais como as do Banco Mundial apontam que os níveis de garantia devem ser proporcionais aos serviços prestados digitalmente, mas não onerosos ao cidadão.

“Ao realizar a apresentação da declaração de Imposto de Renda Pessoa Física, sendo esse um documento repleto de informações com limitação de acesso, todos os contribuintes serão obrigados a ter ‘certificado digital’ ou a apresentar a declaração fisicamente, num evidente excesso”, diz a nota técnica.

A utilização de assinatura qualificada na transferência de veículos, prevista no veto 50.20.003, representa reserva de mercado artificial, eliminando a inovação no mercado e a capacidade das partes envolvidas definirem regras de forma infralegal.

“A derrubada do veto impediria a simplificação burocrática, a redução de custo financeiro e a economia do tempo gasto por empresas e pelo cidadão”, diz a nota técnica.

“Estamos para voltar décadas no governo eletrônico. A manutenção dos vetos é importante não só para evitar um governo caro, como é essencial para manter quem está na internet conectado. Obrigar a compra de um certificado caro, que só 2% da população tem, para quem quer trocar de carro ou enviar documentos pro INSS, na prática, é excluir a população do governo”, defendeu Fabro Steibel, diretor do ITS-Rio.

Segundo a CNI, caso os vetos sejam rejeitados, a regra que entrará em vigor, além de onerar demasiadamente os cidadãos e as empresas brasileiras, contrariam o objetivo da proposta original uma vez que são ações que podem ser qualificadas como relativamente simples para os quais está sendo exigido um nível de segurança oficial maior que o necessário.

Fonte: TI INSIDE

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
Man and wooden cubes on table. Management concept

Soft skills para advogados: descubra as 12 habilidades essenciais para crescer na advocacia

O que são soft skills, porque elas são importantes e quais são as principais para os advogados.
Captura de tela 2022-09-19 173216

Judicialização das relações de consumo: ruim para empresa e cliente

A judicialização tem custos sociais, financeiros e na credibilidade das empresas. A busca pelo consenso, principalmente através do bom atendimento, foi tema de painel no Conarec 2022
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.