I Congresso Internacional de Direito e Tecnologia discute inteligência artificial no Direito

Publicado em
direito-tecnologia-lawtech-ab2l

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), ministro Ives Gandra Martins Filho, participou na manhã desta quinta-feira (23), da abertura do I Congresso Internacional de Direito e Tecnologia, que tem o objetivo de investigar e debater a inteligência artificial no Direito e o uso de blockchain, cujas aplicações têm enorme impacto e potencial de transformar a área jurídica nacional.

Na abertura do Congresso, Ives Gandra saudou todos os presentes e ressaltou a satisfação do Tribunal em receber o evento. Destacou que a Justiça do Trabalho é o ramo da Poder Judiciário que está totalmente integrado no Processo Judicial Eletrônico (PJe) e lembrou da inauguração, há dois meses, da última Vara do Trabalho a ser integrada nesse sistema, em Abaetetuba (PA). “Hoje a Justiça do Trabalho está 100% na era digital”, disse. “O Poder Judiciário tem hoje na JT o seu ramo vanguardista no desbravamento desse caminho tecnológico”, completou.

O presidente do TST lembrou que, no próximo dia 5/12, completará seis do início do processo de implantação do PJe no Judiciário Trabalhista, na Vara do Trabalho de Navegantes (SC), e no mesmo dia será implementada a versão 2.0 do PJe na Vara catarinense. “Será uma nova revolução tecnológica para o Processo Judicial Eletrônico. É uma versão amigável, em que as dificuldades da primeira que se tinham num primeiro momento começam a ser superadas”, afirmou.

Por fim, Ives Gandra ressaltou a importância da união entre o Direito e as ferramentas tecnológicas, além dos limites que essa conjunção pode ter. “Esse congresso não é apenas para mostrar o que a tecnologia pode fazer, mas também debater os limites éticos e tecnológicos desse casamento”.

O ministro compôs a mesa de abertura do evento, que contou com a presença dos ministros do Supremo Tribunal Federal Ayres Britto (aposentado) e Dias Toffoli; do ministro Alexandre Agra Belmonte, coordenador da Comissão da Tecnologia da Informação da Tecnologia da Informação do Tribunal Superior do Trabalho; da representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), Maristela Baioni; do diretor da Faculdade de Direito da UnB, Mamede Said e do coordenador científico do congresso, professor Ricardo Fernandes.

Celeridade e sustentabilidade

O ministro Ayres Britto afirmou que a tecnologia é um bem jurídico que está inteiramente ligado à preocupação dos operadores do direito em promover uma célere prestação jurisdicional. O ministro destacou ainda que o PJe tem importância não apenas para a rápida tramitação processual, mas, também, pelas vantagens ecológicas e insalubres sobre o processo físico. “Muitas árvores deixarão de serem abatidas, muitos espaços físicos já não se fazem necessários. O processo físico é receptáculo e depósito de ácaros, fungos e bactérias”, disse.

O ministro Alexandre Agra Belmonte, por usa vez, destacou que é possível incorporar a tecnologia sem temer que a máquinas substituam as pessoas. “Hoje temos a secretária eletrônica, mas ela não substituiu a secretária; temos porteiro eletrônico, mas ele não substituiu o porteiro de verdade”, afirmou.

A representante da ONU afirmou que esse tipo de desenvolvimento é importante para os planos traçados pela ONU, o que inclui a promoção de uma sociedade pacífica e inclusiva. “Devemos avançar nessa pauta e garantir que a conexão entre Direito e tecnologia garanta a justiça social, promova a desenvolvimento humano e, acima de tudo, acelere a implementação dos objetivos de desenvolvimento sustentáveis no Brasil”, afirmou.

Por fim, o professor Ricardo Fernandes agradeceu ao ministro Ives Gandra pelo apoio dado para a realização do congresso, que acontece nesta quinta e sexta-feira (24) e contará com a presença de mais de 30 especialistas de nove países. Segundo os organizadores, o evento nasceu da necessidade de reunir instituições e profissionais que estão desenvolvendo e aplicando inteligência artificial no Direito, e atualizar aqueles que ainda não tomaram contato com a nova realidade processual.

(Alessandro Jacó/CF)

 

Fonte http://www.tst.jus.br/web/guest/noticias/-/asset_publisher/89Dk/content/i-congresso-internacional-de-direito-e-tecnologia-discute-inteligencia-artificial-no-direito?inheritRedirect=false&redirect=http%3A%2F%2Fwww.tst.jus.br%2Fweb%2Fguest%2Fnoticias%3Fp_p_id%3D101_INSTANCE_89Dk%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-1%26p_p_col_pos%3D2%26p_p_col_count%3D5

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
3D Rendered Illustration of a Human Face Design.

IA x Homem: Advogado robô defenderá réu em julgamento real

Pela primeira vez na história uma inteligência artificial será usada em tribunal para defender um réu acusado de infringir leis de trânsito
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.