Após aporte do Softbank, olist compra startup de logística (e quer ir além dos marketplaces)

Publicado em
Após aporte do Softbank, olist compra startup de logística (e quer ir além dos marketplaces)

Em 2015, quando fundou a olist, a ideia de Tiago Dalvi era encurtar o caminho da digitalização das vendas para o pequeno e médio varejo, em especial nos marketplaces. O modelo atraiu 25 mil clientes e sete rodadas de aportes. A última delas, há um mês, de R$ 310 milhões, liderada pelo Softbank.

Capitalizada, a startup quer seguir criando mais atalhos para esses varejistas. Mas, agora, no roteiro de entregas dos produtos nas mãos dos consumidores. Esse é o racional por trás da compra da PAX, startup de logística para o e-commerce, que está sendo anunciada nesta segunda-feira, 21 de dezembro. O valor do negócio não foi revelado.

“Durante a pandemia, houve um salto quântico de logística no Brasil e uma evolução absurda nos prazos de entrega”, diz Dalvi, ao NeoFeed. “Nosso plano é levar essa competitividade a esses lojistas que, historicamente, são deixados de lado.”

No mercado desde o início de 2019, a PAX já trabalha com a olist há cerca de um ano. A startup tem um serviço de crowdshipping disponível em 20 capitais e que é prestado a partir de uma base de 4 mil motoristas autônomos parceiros.

Com o apoio de sistemas de inteligência de coleta e de roteirização da última milha, o modelo da empresa inclui ainda cinco centros de cross-docking, distribuídos em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte e Porto Alegre.

“Eles conseguem atender com coleta diária quem vende uma, 100 ou 100 mil produtos por dia”, afirma Dalvi, sobre a PAX, que tem uma carteira de clientes com nomes como Grupo Pão de Açúcar (GPA), Via VarejoCarrefour, Etna e Printi.

Em 2021, o plano é ampliar a rede da PAX com 30 hubs de cross-docking. A expansão envolverá outras capitais e as cidades nas quais a olist já tem uma boa base de clientes, além dos municípios onde a empresa entende que a oferta de logística possa destravar o potencial de adesão à sua plataforma.

Ecossistema

A integração do ativo incluirá a manutenção do fundador e CEO da PAX, Jorge Azevedo, e de todo o time da novata. A aquisição faz parte de uma estratégia mais ampla, com a criação de uma unidade de logística, batizada de olist PAX.

Ao lado da olist Shops, ferramenta lançada no início do ano para que pequenos varejistas criem seus próprios canais de e-commerce, a nova divisão é mais um braço no entorno do negócio principal da empresa.

A PAX tem clientes como GPA, Via Varejo, Carrefour, Etna e Printi

Batizado de olist Store, o carro-chefe é a conexão do varejo com marketplaces como Mercado LivreVia Varejo e B2W, na qual a olist cuida de todas as pontas. Da integração aos canais à gestão de produtos, estoque, vendas e logística.

Nesse modelo de “markeplace dentro dos marketplaces”, a olist cobra uma taxa de adesão, além de uma assinatura mensal. O formato tem ainda uma comissão sobre o total transacionado nas plataformas, que varia entre 18% e 20%.

“Nossa grande jogada nos próximos anos é construir um ecossistema”, afirma Dalvi, sobre a estratégia de diversificar a oferta e, por consequência, as fontes de receitas da startup.

Para Eduardo Terra, presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo, a estratégia é acertada. “Até aqui, esse papel relevante de inclusão digital do varejo foi suficiente para a olist”, diz. “Mas é preciso agregar mais ofertas a esse pacote.”

A olist PAX abre a possibilidade, por exemplo, de acesso a clientes de maior porte. Algo que já tinha sido um dos nortes da compra da Clickspace, especializada em soluções de marketplaces e de social commerce. A aquisição foi anunciada com o aporte do Softbank, em novembro deste ano.

“Os dois acordos são complementares”, observa Dalvi. “A Clickspace ajuda a criar marketplaces próprios, a PAX entra com a logística e a olist com toda a oferta de produtos e sellers.”

Já com a olist Shops, a startup atende os pequenos varejistas cujo volume de vendas ou categorias de produtos não são viáveis em um marketplace. A plataforma permite que esse cliente estruture, em minutos, uma vitrine virtual para vender seus produtos em canais como redes sociais e WhatsApp.

A ferramenta se beneficiou da demanda por digitalização na pandemia. Hoje, o aplicativo conta com 85 mil downloads, em 166 países, e tem versões em inglês e espanhol. E está em fase de definição de modelo de receitas e de inclusão de outros recursos.

Eduardo Ferraz, CFO da olist (fonte: NeoFeed)

Um deles é o processamento dos pagamentos desses varejistas, o que gerou a estruturação do olist Pay. “Agora, essas unidades começam a se conectar”, afirma Eduardo Ferraz, CFO da olist. “Podemos, por exemplo, colocar o PAX dentro do Shops, ou dentro do Store. Assim como podemos usar o Shops como funil de entrada para o Store, à medida que esse pequeno varejista evolui suas vendas.”

Todas essas iniciativas serão complementadas com aquisições, esforço que irá concentrar boa parte do montante levantado no último aporte. Para isso, a olist está estruturando uma área de M&A, que será liderada por Ferraz.

“Nós estaremos bem ativos no mercado”, diz Ferraz, que projeta dedicar 50% da sua agenda a esses movimentos. “Já estamos conversando com cerca de 40 empresas, de diferentes tamanhos e setores.”

Há, no entanto, algumas prioridades. Além de companhias com ferramentas de social commerce e outros conceitos na órbita do comércio eletrônico, a logística é um dos segmentos-alvo. Especialmente com sistemas que possam tornar mais eficientes esses processos.

Um dos principais focos, porém, são as fintechs. O plano é começar a atuar em áreas como oferta de crédito e, até mesmo, de contas digitais e cartões pré-pagos. “Queremos estar em todo o tripé do e-commerce: vendas, logística e pagamentos”, ressalta Ferraz.

A olist também planeja iniciar sua expansão internacional, a partir da trilha aberta pelo olist Shops. A ideia é começar essa escalada com a oferta da olist Store, primeiro pelo México e, posteriormente, pelos Estados Unidos.

“Vamos aproveitar as parcerias que já temos com alguns marketplaces no Brasil e que também são fortes nesses países”, diz Dalvi, citando parceiros como Mercado Livre e Amazon. “O bacana do nosso modelo é que ele pode ser replicado no mundo inteiro”, completa Ferraz.

Fonte: NeoFeed

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
‘Estar na lista das 100 Startups to Watch ajudou a Incentiv.me a captar R$ 10 milhões’

‘Estar na lista das 100 Startups to Watch ajudou a Incentiv.me a captar R$ 10 milhões’

Cofundadora da startup, que é associada AB2L, diz que visibilidade tem sido fundamental para o crescimento da empresa. A edição deste ano está com inscrições abertas.
O poder da animação 3D na área jurídica

O poder da animação 3D na área jurídica

Impulsionado nos dois últimos anos no Brasil, o uso de animação 3D na área jurídica pode oferecer alternativas para solucionar pontos problemáticos na comunicação com juízes e jurados
Elon Musk no Brasil: quanto custa e como usar a internet da Starlink

Elon Musk no Brasil: quanto custa e como usar a internet da Starlink

No Brasil, além da Amazônia, a cobertura do serviço envolve parte de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, além de algumas áreas de Minas Gerais
O que é Web 3.0 e como ela se relaciona com o mercado de criptoativos

O que é Web 3.0 e como ela se relaciona com o mercado de criptoativos

A internet está passando por uma nova reformulação, chamada de Web 3.0. Confira o guia do InfoMoney sobre o assunto
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.