#AB2LNAMÍDIA Como a inteligência artificial está revolucionando o Direito

Publicado em
shutterstock_1043567158-702x336

Saiba o que está mudando e quais as iniciativas de inteligência artificial para potencializar a área jurídica

Uma das tecnologias mais inovadoras para os próximos anos é a inteligência artificial, que tem uma série de aplicações possíveis: do trânsito das grandes cidades aos escritórios de advogados e o direito. Através dela, é possível que máquinas sejam capazes de raciocinar, aprender e relacionar grandes quantidades de informações, tomar decisões e resolver problemas.

A consequência direta disso é a potencialização da capacidade humana com a ajuda de robôs, tornando possível alcançar resultados de forma mais rápida e eficiente.

Segundo uma pesquisa realizada pela International Data Corporation (IDC), a previsão de gastos com inteligência artificial e sistemas cognitivos por empresas irá crescer de US$ 8 bilhões, em 2016, para US$ 47 bilhões, em 2020. Esse aumento equivale a quase 600% a mais em apenas quatro anos.

De fato, a inteligência artificial promete atingir cada vez mais áreas do conhecimento e o Direito é uma delas. Isso promete preencher uma lacuna da área, que ainda conta com processos engessados, como é o caso dos cartórios, que são quase um sinônimo de burocracia no país.

Clarissa Luz, advogada e cofundadora do coletivo jurídico Nós8, chama atenção para a questão: “Acredito que todas essas partes burocráticas precisam acabar. Os cartórios de tribunais judiciários prestam um desserviço. Com inteligência artificial e machine learning você pode fazer um computador aprender esse trabalho”.

Os cartórios não serão os únicos a correrem riscos, uma ver que as iniciativas na área não são poucas e, como consequência, a prática jurídica promete mudar de forma irreversível. No caso, uma das questões mais urgentes que surge é o que exatamente irá mudar?

O que vai mudar no Direito com a inteligência artificial?

Muitas coisas prometem mudar com a chegada da inteligência artificial à área jurídica. Entre elas estão o tempo de demora para processos, menos burocracia e uma das mais comentadas: a extinção de alguns cargos.

Humanos vs. Robôs

Segundo Bruno Feigelson, presidente da AB2L e CEO da Sem Processo, isso é relativo: “A tecnologia vem para substituir aquele trabalho de menor valor agregado, então isso vai impactar o mercado, mas não desvalorizando o advogado. Pelo contrário, pois o advogado vai deixar de fazer aquele trabalho repetitivo”.

Em relação a isso, Sterling Miller, advogado especialista em litigação e privacidade de dados, listou em uma série de artigos as principais mudanças que estão por vir:

1) Alguns cargos jurídicos serão eliminados: os profissionais que realizam um trabalho mais mecânico, como assistente de pesquisa, poderão ser substituídos mais facilmente.

2) Novos cargos serão criados: engenheiros legais poderão ser uma realidade, uma vez que cresce a necessidade de advogados-programadores que saibam, entre diversas coisas, desenvolver IA e checar se a tecnologia está gerando resultados corretos.

3) Não será necessário dedicar tempo à coleta de dados: advogados serão requisitados para análise de resultados, resolução de casos e aconselhamento de clientes. A pesquisa ficará por conta das tecnologias, que irão ajudar na coleta e processamento de dados.

Segundo Luis Assunção, especialista em big data e machine learning aplicado ao Direito e atual arquiteto de soluções da Oracle, antes de resolver processos que já estão acumulados, é preciso impedir que eles continuem crescendo: “O foco é tentar diminuir o estoque de processos. Para fazer isso, ou aumenta o número de escritórios ou procura automatizar de alguma forma”. De fato, por mais que a adoção de robôs inteligentes não seja algo obrigatório, ela acaba sendo a tendência mais eficiente e democrática para o setor.

Custos mais baixos

A inteligência artificial promete tornar o Direito menos custoso, sendo uma economia tanto para o escritório como para possíveis clientes. Como já citado, do ponto de vista de escritórios, entra a questão de adoção de robôs e respectivamente a não necessidade de investir em espaços físicos e funcionários. Além disso ajudar a empresa, o preço de serviços jurídicos tende a cair, tornando-o mais acessível.

Em relação à economia de clientes, um dos exemplos mais disruptivas da área é o DoNotPay, startup inglesa que atua como um advogado gratuito. Usando uma combinação de chatbot com inteligência artificial, o “advogado-robô” já venceu 160 mil contestações de multas de trânsito no Reino Unido e em Nova York.

Essa startup revela uma tendência a democratizar os serviços jurídicos, não necessariamente tornando-os gratuitos como o DoNotPay, mas menos custosos. No caso, será possível que cada vez mais advogados-robôs auxiliem profissionais humanos, dando conta de problemas mais simples e mecânicos. Consequentemente, a assistência da IA, além de aumentar a velocidade do atendimento, também torna o serviço mais barato, já que ela não tem custos comparados à de um trabalhador humano.

Iniciativas e startups mais disruptivas

A DoNotPay não é a única iniciativa ou novidade de inteligência artificial na área jurídica. Outras startups e empresas têm apostado no setor e revelado que há muitos caminhos para serem explorados por essa combinação.

Você está pronto para ser o advogado do futuro?

ROSS, da IBM

Uma das mais conhecidas é o ROSS, um robô-advogado desenvolvido pela IBM. Utilizando o Watson, tecnologia de computação cognitiva da IBM, o ROSS consegue processar 500 gigabytes em um segundo. Isso significa que ele é uma ótima ferramenta para pesquisa, podendo reduzir até 30% do tempo dedicado à atividade.

O robô-advogado da IBM também é capaz de entender o significado de leis e decisões judiciais, podendo inclusive indicar informações e soluções semelhantes.

Linte

A Linte surgiu com o objetivo de aumentar a produtividade de advogados corporativos. Essa ajuda vem por meio de uma plataforma que permite a automação de diversas tarefas desenvolvidas no departamento jurídico, como criação de documentos e gestão inteligente do ciclo de vida de processos e contratos. Isso permite que o usuário tenha acesso a informações qualitativas sobre os casos, com indicadores e insights.

Luminance

A Luminance é uma plataforma de inteligência artificial que teve origem na Universidade de Cambridge. Com a ajuda de machine learning, ela pode ser usada tanto para diligência, compliance, seguro ou gerenciamento de contratos. Além disso, ela entende a linguagem humana em uma velocidade muito mais rápida que qualquer humano e fornece uma visão geral das informações em gráficos e imagens informativas.

Intelivix

A Intelivix é uma startup brasileira que usa a inteligência artificial para fazer a jurimetria, ou seja, usar dados métodos quantitativos e qualitativos no Direito. Para fazer isso, ela busca na internet processos publicados em portais de tribunais. Como resultado, a gama de possibilidades informativas é grande e uma delas é a de traçar o perfil do juiz que julgará um caso com base em processos anteriores.

Além disso, a startup também oferece um auxílio à redação, permitindo que contestações sejam padronizadas de forma a seguir melhores práticas e ter resultados consistentes independente da localização.

Legal Labs

A Legal Labs traz dois produtos principais: a Dra. Luzia e o Tribi. O primeiro é uma plataforma munida de inteligência artificial que faz diversos serviços: gestão de processos jurídicos, peticionamento automático a partir de machine learning e acompanhamento de resultados.

Já o segundo é uma abreviação para Tributary Intelligence, com foco em aliar tecnologia com diretrizes da compensação previdenciária. No caso, o Tribi seria um robô tributário inteligente que lida diretamente com impasses da área.

 

Por Isabela Borrelli

Fonte: https://conteudo.startse.com.br/startups/lawtech/isabela/inteligencia-artificial-direito-lawtech/

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
BGC

Streamers gamers apostam em um novo nicho: eventos proprietários

Brasil movimentará US$ 2,7 bi em negócios relacionados a games em 2022
carreira_profissoesdofuturo_24022021_Marko-Geber_GettyImages-3-768x512

No pain, no gain: tentativa e erro devem fazer parte da cultura das empresas da era digital

Atualmente as empresas procuram desencadear transformações digitais e se beneficiar de infraestruturas escaláveis e ágeis
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.