A montadora que continuar vendendo carros e não milhagem vai quebrar, diz fundador do Waze

Publicado em
whatsapp-image-2019-02-15-at-20.49.50
Uri Levine, fundador do Waze, deu dicas de como fazer uma startup obter sucesso durante a Campus Party, em São Paulo. — Foto: Thiago Lavado/G1

O israelense Uri Levine não mede palavras para falar o que pensa sobre startups, um assunto que ele conhece bem. Um dos fundadores do Waze, Levine, que surge com 2 startups novas todos os anos, esteve no Brasil nesta sexta-feira (15) para participar da Campus Party.

Bastante polêmico e crítico, o empreendedor em série falou sobre o processo de criação de startups — e por que muitas delas falham. “O único caminho correto para uma startup é gerar valor. Se você não entender como fazer isso, sua ideia vai morrer”, disse Levine a um auditório lotado.

De acordo com ele, uma startup de sucesso consegue entender um problema que muitas pessoas têm, qual é a percepção desses usuários e, ao focar no problema, criar uma solução que será adotada. “Se você não falar com as pessoas, vai acabar criando uma solução para os seus próprios problemas e construir algo com o que ninguém se importa.”

Conhecido por ter criado um dos principais navegadores que tenta driblar o trânsito nas maiores cidades do mundo, Levine não poupou críticas à indústria automotiva.

“Há 100 anos, um carro da Ford fazia 8km por litro. Hoje, um carro continua fazendo 8km por litro. Mas aí surgiu o carro autônomo. A próxima geração não vai nem aprender a dirigir e se as montadoras continuarem vendendo carros e não serviço de milhagem e transporte vão quebrar”, afirmou.

Vendido por cerca de US$ 1 bilhão para o Google em 2013, o Waze é um dos aplicativos mais conhecidos e utilizados no Brasil. Levine também fundou outros apps, como Moovit, além de startups focadas em reduzir ineficiências no setor aéreo e médico.

Durante coletiva realizada antes de sua palestra, Levine foi questionado sobre as startups brasileiras que adaptam ideias globais ao mercado local, que tem um idioma e regras tarifárias bastante específicos — e se isso não atrapalha a inovação.

“Por que você está se importando com inovação?”, rebateu Levine. “O importante é gerar valor e solucionar os problemas das pessoas.”

Por Thiago Lavado, G1
Fonte: https://g1.globo.com/economia/tecnologia/campus-party/2019/noticia/2019/02/16/a-montadora-que-continuar-vendendo-carros-e-nao-milhagem-vai-quebrar-diz-fundador-do-waze.ghtml

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
3D Rendered Illustration of a Human Face Design.

IA x Homem: Advogado robô defenderá réu em julgamento real

Pela primeira vez na história uma inteligência artificial será usada em tribunal para defender um réu acusado de infringir leis de trânsito
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.