7 startups do mundo jurídico que estão mudando o direito no Brasil

Publicado em
justica-702x336

Advogados aqui precisam ser produtivos, enquanto o sistema judiciário muitas vezes patina e demora anos e anos para realizar um único julgamento

Advogados aqui precisam ser produtivos, enquanto o sistema judiciário muitas vezes patina e demora anos e anos para realizar um único julgamento. E infelizmente, historicamente a justiça nem sempre é para todos por aqui: quem tem mais dinheiro acaba tendo vantagem. Só que o setor está mudando.

Novas tecnologias estão fazendo a justiça mais eficiente e rápida. Advogados conseguem trabalhar melhor, arbitragem privadas estão nascendo e desafogando o sistema judiciário, há tantos anos travado. Há um enorme campo de melhorias que vão surgir nos próximos anos. Por conta disso, criamos o Lawtech Conference, evento exclusivo em São Paulo para tratar sobre as startups do segmento.

E com essas melhorias, é natural ver o assunto ganhando mais espaço na mídia. Por isso, a Revista Exame fez uma lista de 7 startups que estão mudando o direito no país. Compartilho com vocês, leitores do StartSe:

1. Finch Soluções

A primeira citada na lista nasceu dentro de um dos maiores escritórios de advocacia do país, o JBM & Mandaliti, que precisava agilizar e baratear os processos de contencioso de massa – ou seja, um ganho enorme de produtividade em ações coletivas. Embora a trajetória não tenha sido uma trajetória típica de startup, a empresa foi separada em 2013 e já conta com 620 funcionários.

Desde 2015 ela usa o Watson da IBM e oferta programas de gestão jurídica, análise de dados, pesquisa avançada de jurisprudência (quando um caso parecido já foi julgado anteriormente), acompanhamento de processos e automação de agendamentos (o que pode reduzir de meses para segundos o tempo de alguns processos). O selling point da companhia é simples: ao aumentar a produtividade dos advogados, a Finch Soluções diminui custos com folha de pagamento de escritórios e departamentos jurídicos.

2. JusBrasil

A startup tem uma enorme pilha de processos jurídicos públicos que podem ser acessados por qualquer um. Além disso, ela busca facilitar o acesso à justiça através de informação gratuita sobre direitos e deveres, e da busca por advogados, para que todos possam ter seus direitos exercidos na prática. Já recebeu aportes de grandes nomes como Monashees e Founders Club.

Ela foi fundada em 2008 e é uma das principais startups brasileiras – estando presente, naturalmente, no Lawtech Conference. Sua estratégia de monetização é oferecer serviços pagos, como um alerta que envia notificações sobre processos a partir de keywords, CPF ou CNPJ, busca por citações em peças jurídicas similares, entre outras ferramentas.

3. Looplex

A ideia da Looplex é oferecer modelos inteligentes e customizáveis de documentos jurídicos, o que reduz (e muito) o tempo de criação deles. Dois exemplos: uma contestação de caso bancário demoraria 3 horas para ser feita por um advogado, com com a solução da Looplex demora só 20 minutos. Já uma debênture demoraria 20 horas, mas dura apenas 30 minutos com a solução.

4. Justto

A Justto, que foi acelerada pela ACE, é uma plataforma de arbitragem (através da Arbitranet) e conciliação judicial (com a Acordo Fácil). Arbitragem é importante para resolver problemas entre duas partes, parecido com a conciliação (que já resolveu mais de 5.000 casos fora da justiça). Tirar os processos do sistema judiciário é interessante para agilizar o processo e baixar custos dos processos.

5. NetLex

A NetLex é outra empresa que faz contratos padrões, mas desta vez para contratação de fornecedores. Seu software gera automaticamente os documentos, diminuindo o tempo de criação e os custos para as empresas envolvidas. Mais um grande ganho de produtividade.

6. Advys

A plataforma da Advys permite que se tire dúvidas jurídicas de diversas maneiras pela internet, voltada para pessoas físicas e pequenas empresas. Por apenas R$ 49,90, é possível ter assistência jurídica através desta startup.

7. Legal One

Por fim, a Legal One nasceu dentro da Thomson Reuters, uma das maiores empresas de comunicação do mundo. Essa plataforma reúne processos, conteúdo legal, financeiro, contratos, clientes e contatos. A ideia é integrar departamentos jurídicos e escritórios para aumentar a eficiência entre os dois.

Participe do Lawtech Conference!


Por: Felipe Moreno – Felipe Moreno é editor-chefe do StartSe e fundador da startup Middi, era editor no InfoMoney antes

Fonte: https://conteudo.startse.com.br/startups/felipe/7-startups-do-mundo-juridico-que-estao-mudando-o-direito-no-brasil/07
COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
BGC

Streamers gamers apostam em um novo nicho: eventos proprietários

Brasil movimentará US$ 2,7 bi em negócios relacionados a games em 2022
carreira_profissoesdofuturo_24022021_Marko-Geber_GettyImages-3-768x512

No pain, no gain: tentativa e erro devem fazer parte da cultura das empresas da era digital

Atualmente as empresas procuram desencadear transformações digitais e se beneficiar de infraestruturas escaláveis e ágeis
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.