Campus Party 2019: como dispositivos tecnológicos vão identificar os sentimentos humanos

Publicado em
24971099

Uma plateia lotada, de olhos e ouvidos atentos, assistiu a palestra de Poppy Crum, cientista-chefe da Dolby Laboratories e professora da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, realizada na noite desta quarta-feira (13), na Campus Party, evento de tecnologia que ocorre em São Paulo até domingo (17). A notícia que ela trouxe, no entanto, não foi tão agradável: a era da cara de paisagem está com os dias contados.

Na explanação de quase uma hora, a pesquisadora afirmou que o desenvolvimento tecnológico de computadores, celulares e demais dispositivos eletrônicos não permitirá que as pessoas consigam disfarçar suas emoções, porque a evolução desses aparelhos caminha em uma direção na qual será possível identificar e, até mesmo, prever o comportamento humano, disse Poppy.

Ela destacou que as tecnologias de Inteligência Artificial (IA) serão os grandes motores dessa revolução. A IA que, atualmente, é utilizada para simular o sistema de aprendizado humano em máquinas, em seu próximo estágio, será combinada com outros sensores que poderão revelar a paixão, a raiva e o amor que uma pessoa está sentindo.

Ao longo da fala, a professora de Stanford trouxe exemplos de como já denunciamos, naturalmente, nosso estado de espírito. Por exemplo, a dilatação dos olhos revela o quanto o cérebro está trabalhando, o calor liberado pela pele evidencia se estamos estressados e a quantidade de dióxido de carbono exalado, por sua vez, pode sinalizar o quanto a pessoa ou uma multidão estão irritados, revela Poppy.

– A tecnologia existe para ler as pistas e, combinada com a inteligência artificial que pode analisar padrões no contexto, pode-se ampliar a empatia, se usada para o bem, ou levar a abusos, se usada para manipular – afirma.

Apesar de a novidade parecer assustadora, a pesquisadora mostra-se positiva e acredita que essa invasão das máquinas ao estado interno humano pode ser benéfica. Ela diz que essas tecnologias – se usadas para o bem – não irão dilacerar a privacidade das pessoas, mas criar um mundo mais empático, no qual um indivíduo passará a entender melhor e de maneira mais eficaz o outro.

Por Gauchazh

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/tecnologia/noticia/2019/02/campus-party-2019-como-dispositivos-tecnologicos-vao-identificar-os-sentimentos-humanos-cjs4n3xb6015q01mry0of8i2o.html

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
BGC

Streamers gamers apostam em um novo nicho: eventos proprietários

Brasil movimentará US$ 2,7 bi em negócios relacionados a games em 2022
carreira_profissoesdofuturo_24022021_Marko-Geber_GettyImages-3-768x512

No pain, no gain: tentativa e erro devem fazer parte da cultura das empresas da era digital

Atualmente as empresas procuram desencadear transformações digitais e se beneficiar de infraestruturas escaláveis e ágeis
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.