Campus Party 2019: como dispositivos tecnológicos vão identificar os sentimentos humanos

Publicado em
24971099

Uma plateia lotada, de olhos e ouvidos atentos, assistiu a palestra de Poppy Crum, cientista-chefe da Dolby Laboratories e professora da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, realizada na noite desta quarta-feira (13), na Campus Party, evento de tecnologia que ocorre em São Paulo até domingo (17). A notícia que ela trouxe, no entanto, não foi tão agradável: a era da cara de paisagem está com os dias contados.

Na explanação de quase uma hora, a pesquisadora afirmou que o desenvolvimento tecnológico de computadores, celulares e demais dispositivos eletrônicos não permitirá que as pessoas consigam disfarçar suas emoções, porque a evolução desses aparelhos caminha em uma direção na qual será possível identificar e, até mesmo, prever o comportamento humano, disse Poppy.

Ela destacou que as tecnologias de Inteligência Artificial (IA) serão os grandes motores dessa revolução. A IA que, atualmente, é utilizada para simular o sistema de aprendizado humano em máquinas, em seu próximo estágio, será combinada com outros sensores que poderão revelar a paixão, a raiva e o amor que uma pessoa está sentindo.

Ao longo da fala, a professora de Stanford trouxe exemplos de como já denunciamos, naturalmente, nosso estado de espírito. Por exemplo, a dilatação dos olhos revela o quanto o cérebro está trabalhando, o calor liberado pela pele evidencia se estamos estressados e a quantidade de dióxido de carbono exalado, por sua vez, pode sinalizar o quanto a pessoa ou uma multidão estão irritados, revela Poppy.

– A tecnologia existe para ler as pistas e, combinada com a inteligência artificial que pode analisar padrões no contexto, pode-se ampliar a empatia, se usada para o bem, ou levar a abusos, se usada para manipular – afirma.

Apesar de a novidade parecer assustadora, a pesquisadora mostra-se positiva e acredita que essa invasão das máquinas ao estado interno humano pode ser benéfica. Ela diz que essas tecnologias – se usadas para o bem – não irão dilacerar a privacidade das pessoas, mas criar um mundo mais empático, no qual um indivíduo passará a entender melhor e de maneira mais eficaz o outro.

Por Gauchazh

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/tecnologia/noticia/2019/02/campus-party-2019-como-dispositivos-tecnologicos-vao-identificar-os-sentimentos-humanos-cjs4n3xb6015q01mry0of8i2o.html

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.