Startup fatura R$ 5 milhões levando automação para escritórios de advocacia

Publicado em

Dar agilidade ao trabalho dos profissionais do direito com o auxílio da inteligência artificial. A startup Oystr foi criada com esse propósito em 2014. Desde então, desenvolve soluções de automação para ajudar escritórios de advocacia e departamentos jurídicos a integrar diferentes sistemas, como tribunais e portais eletrônicos de justiça. Em 2020, fechou o ano com 130 clientes, mais de 500 produtos criados e um faturamento de R$ 5 milhões.

Rafael Caillet, CEO da Oystr, conta a PEGN que a ideia do negócio surgiu da necessidade. Ele, administrador com experiência na área de tecnologia, atuou por muitos anos em uma empresa que vendia softwares para o mercado jurídico. Com o tempo, percebeu o crescimento da demanda e a necessidade de automação em processos manuais repetitivos, que tomavam tempo dos profissionais da área. “Atividades rotineiras, mecânicas e burocráticas”, define Caillet.

Com base nisso, reuniu-se a outros três sócios, que também contavam com experiências no mercado de tecnologia e de advocacia, para fundar a Oystr. Tiraram a ideia do papel e começaram a desenvolver “robôs” capazes de automatizar parte desses processos. A startup funciona como uma plataforma SaaS, oferecendo um “marketplace” de “robôs”. Os robôs são as chamadas RPAs (“robotic process automation”, ou automação de processos robóticos).

Segundo o empreendedor, entre as demandas mais recorrentes da startup estão serviços de protocolo e intimação eletrônica, além da integração entre sistemas, necessária quando um escritório terceirizado precisa alimentar o departamento jurídico do seu cliente.

As soluções são personalizadas – por isso, mais de 500 produtos já estão no portfólio da empresa. Quando é necessária a criação de um robô para atender a uma nova demanda, a startup leva entre cinco e 20 dias para a conclusão do trabalho.

Caillet conta que o foco da startup está em clientes com alto número de processos no mês. “Para escritório com demanda mensal acima de 2 mil processos, um robô é necessário”, diz. No ano passado, com a pandemia e a digitalização de muitas empresas, o negócio cresceu 63% e o faturamento chegou a R$ 5 milhões, contra os R$ 2,9 milhões de 2019.

Neste ano, a empresa espera atingir outros mercados – além dos escritórios de advocacia. Para o empresário, também há oportunidades de automatização em companhias de logística e contabilidade, por exemplo. Além disso, a startup, nunca investida, está aberta a discutir uma primeira captação. “Queremos entender bem o mercado porque ele está aquecido.”

Fonte: Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
News-LEX

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

martelo

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Business people with startup rocket

Assessorando negócios com startups

Hands in a digital universe background

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

dominoes-ge819e653e_1920

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Retinal biometrics technology with man’s eye digital remix

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Valentine's Day concept with tic tac toe on beige background

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

smart-attractive-asian-female-business-owner-weared-virtual-reality-glasses-enjoys-casual-metaverse-meeting-with-concentrate-at-cafe-restaurantasian-female-using-oculus-rift-headset-in-cafe

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.