Sandbox: Regulando a Inovação

Publicado em
Sandbox: Regulando a Inovação

Em uma única semana estive em um evento de ICO no Rio, – com uma expressiva parte da comunidade crypto carioca e de advogados que estudam o tema –, palestrei no Bacen junto aos Procuradores da instituição a respeito de inovação, investi algumas horas de pesquisa na minha tese de doutorado e escrevi um artigo em que reflito a respeito da necessidade ou não de regular o bitcoin (http://www.lexmachinae.com/2017/12/17/devemos-regular-o-bitcoin/).

A repercussão do artigo foi muito interessante e oportunizou diversos debates enriquecedores com agentes de inovação do ecossistema brasileiro e grandes nomes do Direito. Não tenho dúvidas que a regulação é uma das grandes questões do presente e do futuro do Estado e do Direito. Particularmente não estou convencido de que chegamos no ponto da odisseia humana em que o Estado possa se dissipar e dar espaço para uma liberdade plena. Sou fã desta ideologia, – denomino de “utopia digital” –, que se espalha pelos polos de inovação. Possivelmente esse estágio de autossuficiência seja o resultado natural do avanço humano. Contudo, acredito que para chegar lá ainda teremos que passar por uma reformulação completa de mindset da sociedade (na minha opinião a estrada é longa, muito embora já estejamos caminhando aceleradamente nela).

Assim, ao que tudo indica, os próximos anos serão marcados por ambientes em que autorregulação, regulação em nível internacional e nacional irão conviver. Em tal contexto, parece ser fundamental que se busquem novos instrumentos e formas para conciliar inovação e segurança. E aqui devemos pensar no termo “segurança” englobando a busca por afastar riscos sistêmicos, proteger direitos como a privacidade, oportunizar o estabelecimento de ambientes justos e mesmo oportunizar a tão almejada sensação de segurança jurídica, que por si só tende a estimular investimentos e empreendedores ávidos por inovar.

Feita essa introdução, passo a analisar de maneira preliminar o instituto do Sandbox, tema que parece ser importante aliado nesse desafio de compatibilizar o Estado e o Direito com a realidade 4.0. e exponencial.

O Sandbox é um termo apropriado da computação. A ideia, em tal contexto, é bem semelhante ao de criar uma máquina virtual (virtualização), e assim proteger o restante do sistema de potenciais danos causados em decorrência da execução de determinadas aplicações no ambiente do Sandbox. Ou seja, trata-se de forma bastante eficaz de testar sistemas considerados não seguros, mas sem isso comprometer o sistema operacional da máquina (https://www.tecmundo.com.br/spyware/1172-o-que-e-sandbox-.htm).

Para ilustrar o tema e introduzir o leitor ao instituto, penso que uma comparação entre Sandbox e MVP pareça ser bastante interessante. O MVP, – ou “minimum viable product” –, é quase um mantra no ambiente de empreendedorismo e inovação. Consagrado, dentre outros, pelo autor badalado Eric Ries, em sua célebre obra “The Lean Startup”, o MVP é o primeiro passo a ser dado pelo indivíduo que ambiciona resolver um determinado problema. Ou seja, o fundador de determinada startup, após analisar “um problema” (“uma dor”) do mercado ou da sociedade, cria uma versão simples do produto (“da potencial solução”), – que deve ser lançada com uma quantidade mínima de esforço e desenvolvimento, no menor espaço de tempo possível –, e assim inicia um processo de rápido aprendizado para ir adequando a solução aos desejos da sociedade e do mercado (almejando encontrar o sonhado “product market fit”).

Na minha análise, do ponto de vista teórico, o Sandbox nada mais é do que uma adaptação do conceito do MVP para o ambiente legal regulatório. O que por si só constitui grande ruptura com a percepção tradicional de tal contexto, pois como bem observou o amigo Graciotti recentemente em um de nossos grupos da AB2L, “o advogado não aceita erros e a inovação é um processo de tentativa, erro e aprendizado”. Assim, do ponto de vista normativo, supor que o regulador possa se dar ao luxo de “experimentar” a melhor forma de regular determinado tema é uma quebra de paradigma.

Guilherme Horn, uma das figuras de maior destaque no ambiente nacional de Fintechs, em artigo que analisa o instituto do Sandbox no contexto de Singapura e do Reino Unido, expressa que o “Sandbox é um ambiente que vai permitir que startups de fintech ou até mesmo instituições financeiras possam oferecer seus produtos e serviços ao público, por um período limitado, sem as restrições impostas pela regulamentação vigente. A ideia é estimular a experimentação, para que o regulador possa acompanhar de perto as inovações e avaliar o impacto que elas terão na experiência do usuário, o quanto isto facilita a vida das pessoas e, em contrapartida, os riscos reais decorrentes de sua implementação”.

Ou seja, trata-se de forma bastante astuta de buscar regular a inovação de maneira provisória, sem com isso: (i) inviabilizar as novas práticas que podem ser muito benéficas para a sociedade e o mercado; (ii) perder o timing das mudanças disruptivas (fato que tende a ocorrer, visto que muitas vezes os novos modelos se estabelecem em zonas normativas cinzentas); (iii) correr o risco de criar uma norma final sem passar por um processo de aprendizado que permita a confecção dos melhores limites a serem impostos. (http://link.estadao.com.br/blogs/seu-bolso-na-era-digital/o-exemplo-que-vem-do-tigre/).

O Sandbox vem sendo utilizando com frequência crescente em outros países, especialmente nos anglo-saxões (https://www.law.ox.ac.uk/business-law-blog/blog/2016/12/overview-regulatory-sandbox-regimes-australia-hong-kong-malaysia). Dito isso, acredito que a adoção rotineira do Sandbox por entidades como a CVM, Bacen, dentre outras, poderá ser game-changing. Trata-se de maneira muito adequada do regulador compatibilizar inovação e segurança!

Fonte https://www.linkedin.com/pulse

Por Bruno Feigelson

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Assessorando negócios com startups

Assessorando negócios com startups

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas – o que muda?

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

Blockchain na administração pública e o case Real Digital

Blockchain na administração pública e o case Real Digital

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.