RO: OAB pede que tribunal revogue autorização para audiências criminais por videoconferência

Publicado em
RO: OAB pede que tribunal revogue autorização para audiências criminais por videoconferência

A seccional de Rondônia da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) está questionando junto ao Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO) a decisão de autorizar a realização de audiências criminais por videoconferência, por causa da pandemia do novo coronavírus. A OAB diz que direitos constitucionais dos advogados e dos clientes podem não ser assegurados com a medida.

A situação questionada pela ordem é de um ato conjunto do tribunal, que foi divulgado no dia 23 de abril de 2020. O documento prevê, entre outras coisas, que: os atendimentos presenciais nas unidades da justiça estadual continuam suspensos, é obrigatório o uso de máscara no acesso aos prédios para atos presenciais imprescindíveis, também ficou estabelecida a retomada dos prazos processuais de processos eletrônicos a partir do dia 4 de maio.

Além disso, o ato determina que audiências e sessões de julgamento de réus presos e de adolescentes em conflito com a lei, ocorram de forma virtual em sistema disponibilizado pelo tribunal.

No ofício destinado à presidência e à corregedoria-geral, a OAB lista os motivos para se posicionar contra a implementação das audiências virtuais, da forma colocada no ato do Tribunal de Justiça. A ordem requereu a revogação da medida ou apreciação dela no Pleno Administrativo do Tribunal.

A entidade que representa a advocacia argumentou que o TJ não “apresenta mecanismo suficiente capaz de possibilitar contato do advogado com seu cliente réu de maneira reservada e sigilosa”, como a ida ao presídio, por exemplo. A OAB ainda cobrou a possibilidade do advogado fazer intervenções orais durante a audiência.

As entrevistas com testemunhas para decidir a importância delas no processo e diligências em delegacias e outros órgãos, que são feitas pelos advogados, foram apontadas como impedimento para a retomada das audiências na forma colocada pelo TJ. E dificuldades de exposição aos advogados do grupo de risco para o novo coronavírus também constam na lista.

Outra questão levantada pela OAB é a dificuldade de garantir que as testemunhas não sejam intimidadas por terceiro nos locais de onde participarem das audiências e o grande número de processos físicos na área criminal, que devem permanecer com prazo suspenso por determinação do Conselho Nacional de Justiça.

A OAB informou não ser contra o uso a tecnologia na Justiça, mas que “não é só a celeridade o valor constitucional a ser considerado e perseguido”, mas também a ampla defesa e o devido processo legal formal e material.

O TJ-RO, por meio da assessoria de imprensa, informou que as audiências criminais por videoconferência são feitas sob condições técnicas que garantem qualidade nos registros de áudio e vídeo, e segurança no back-up pelo sistema já utilizado pela Corte, em sessões do Tribunal.

E destacou que “em observância aos princípios do contraditório e da ampla defesa – previstos no Art 5º, da Constituição Federal – em todas as audiências realizadas por meios tecnológicos no Poder Judiciário de Rondônia, até o momento, os réus assistiram às oitivas das testemunhas, e a Defensoria Pública e os advogados puderam conversar privadamente com os acusados antes do início da solenidade. As audiências podem ser interrompidas, caso a defesa ou o réu necessite falar, em particular, sem prejuízo da continuidade”.

O Tribunal entende portanto que as audiências videoconferência garantem o devido processo legal, contribuem para que se evitem prisões com excesso de prazo e atendem à Recomendação 62/2020, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que orienta os Tribunais e Magistrados a adotarem medidas preventivas à propagação da infecção pelo novo coronavírus (Covid-19) no âmbito dos estabelecimentos do sistema prisional e do sistema socioeducativo.

Fonte: G1

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Legaltech Verifact registra crescimento de 30% ao mês em 2022

Legaltech Verifact registra crescimento de 30% ao mês em 2022

O futuro da educação jurídica no Brasil

O futuro da educação jurídica no Brasil

Por que startups brasileiras têm demitido tanto? Entenda

Por que startups brasileiras têm demitido tanto? Entenda

A tecnologia mãe

A tecnologia mãe

Gestão de dados no contencioso: A Importância da eficiência dos processos e impacto no planejamento e tomada de decisão

Gestão de dados no contencioso: A Importância da eficiência dos processos e impacto no planejamento e tomada de decisão

Como o varejo e as big techs influenciam o direito

Como o varejo e as big techs influenciam o direito

Você é criativo (a), só talvez não saiba disso ainda

Você é criativo (a), só talvez não saiba disso ainda

Robôs já estão presentes na maioria dos tribunais do país

Robôs já estão presentes na maioria dos tribunais do país

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.