Prós e contras das ODRs

Publicado em
pos e contras
Imagem: Reprodução LDW21

O sistema judiciário brasileiro é sobrecarregado e isso não é uma novidade para ninguém. Por isso, é sempre recomendável que se busque uma resolução amigável de conflitos antes que se inicie uma contenda judicial. Sob esse ponto de vista e impulsionadas pela evolução tecnológica, nasceram as ODRs (Online Dispute Resolution — Resolução Online de Conflitos, em tradução livre).

O Brasil tem diversos exemplos em pleno funcionamento e os mais recorrentes são aqueles onde os conflitos são gerenciados pelos próprios serviços onde os conflitos se iniciam — como plataformas de e-commerce, para citar um exemplo mais contemporâneo.

É inegável que muitos conflitos sequer chegaram aos tribunais graças às resoluções obtidas por meio de ODRs. Estas, por sua vez, atuam com a ajuda de algoritmos que auxiliam na busca por resoluções de conflitos baseados em dados de clientes e conflitos anteriores. Por um lado, agilidade; por outro, falta de transparência.

As ODRs, por serem em sua maioria criadas pelos próprios serviços onde o conflito acontece, não primam exatamente pela clareza quando se trata de expor como os algoritmos são criados e para quais finalidades. Isso dá margem a imposições por parte de quem detém essa informação (e, geralmente, maior poder econômico) sobre a parte reclamante.

Há espaço para melhorias como, por exemplo, a inserção de uma parte neutra na disputa, com capacidade técnica para avaliar se os acordos são de fato justos ou se beneficiam apenas a parte mais forte — considerando casos em que o reclamante seja uma pessoa mais vulnerável.

Ainda que as ODRs sejam uma ferramenta excepcional para a resolução de conflitos, é preciso ter em vista que elas não são um recurso final. Caso algum acordo não agrade a parte reclamante, ela pode — e deve — ingressar com o devido processo legal. Pode não ter a mesma agilidade, mas o acesso à Justiça é um direito inalienável.

Em suma, as ODRs são mais um exemplo da evolução tecnológica mimetizando-se com aspectos e práticas judiciais. A mistura dos terrenos está longe de ser uma unanimidade, mas os debates são livres e necessários se quisermos tirar a máxima vantagem da tecnologia em prol dos serviços jurídicos — ou do desafogamento dos tribunais.

Texto original de Antonio Rodrigo Sant’Ana, publicado no Linkedin

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Business people using internet

Afinal, o que é Web 3.0 e qual sua relação com o Metalaw?

News-LEX

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

martelo

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Business people with startup rocket

Assessorando negócios com startups

Hands in a digital universe background

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

dominoes-ge819e653e_1920

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Retinal biometrics technology with man’s eye digital remix

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Valentine's Day concept with tic tac toe on beige background

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.