PB: além de sessões e audiências, videoconferência vem sendo utilizada para atendimento aos advogados

Publicado em
PB: além de sessões e audiências, videoconferência vem sendo utilizada para atendimento aos advogados

O trabalho remoto foi decretado em todo o Judiciário estadual no dia 18 de março deste ano, quando foram suspensas as atividades presenciais em razão da pandemia do coronavírus/ Covid – 19. Desde então, magistrados e servidores têm apreciado processos por meio do teletrabalho e adaptado algumas atividades a uma nova rotina para cumprir as recomendações feitas pela Presidência do TJPB e pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Entre as novas modalidades experimentadas, está o atendimento aos advogados por meio da videoconferência, prática que vem sendo realizada pelo juiz José Ferreira Ramos Júnior.

O magistrado, que é um dos membros titulares da 2ª Turma Recursal da Capital e está convocado pelo Tribunal de Justiça da Paraíba para substituir a desembargadora Maria das Graças Morais Guedes desde o mês de fevereiro deste ano, disse que encontrou na medida uma forma mais eficiente e mais próxima de atendimento.

“Com a chegada da pandemia e a decisão da Presidência de realizar os trabalhos do gabinete remotamente, os advogados, que normalmente compareciam ao gabinete para apresentar memoriais, ficaram sem acesso. Comecei, então, a receber vários telefonemas de advogados, através do telefone funcional do TJPB, mas percebi que a comunicação por telefone não permitia um atendimento à altura. Entendo que o contato visual é mais intuitivo. Desde então, já atendi cerca de 12 advogados, no que eu chamo de “videogabinete”, contou o juiz.

Ferreira Júnior explicou que os atendimentos estão sendo feitos por videoconferência através de chamadas de vídeo e pelo aplicativo ZOOM, mediante prévio agendamento realizado pelo WhatsApp.

“Nesses contatos, escuto atentamente o que nomeei de “Videomemoriais” e faço as anotações que achar pertinentes, obviamente, sem emitir nenhuma consideração. Um detalhe importante é que esses registros são gravados para o meu controle”, salientou o juiz.

Desde as primeiras publicações dos Atos Conjuntos assinados entre o TJPB, o Ministério Público e a Defensoria Pública do Estado, os gestores das instituições vêm recomendando o uso das videoconferências e das ferramentas tecnológicas disponíveis para execução de seus trabalhos remotos, de forma eficaz.

Fonte: TJPB

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Legaltech Verifact registra crescimento de 30% ao mês em 2022

Legaltech Verifact registra crescimento de 30% ao mês em 2022

O futuro da educação jurídica no Brasil

O futuro da educação jurídica no Brasil

Por que startups brasileiras têm demitido tanto? Entenda

Por que startups brasileiras têm demitido tanto? Entenda

A tecnologia mãe

A tecnologia mãe

Gestão de dados no contencioso: A Importância da eficiência dos processos e impacto no planejamento e tomada de decisão

Gestão de dados no contencioso: A Importância da eficiência dos processos e impacto no planejamento e tomada de decisão

Como o varejo e as big techs influenciam o direito

Como o varejo e as big techs influenciam o direito

Você é criativo (a), só talvez não saiba disso ainda

Você é criativo (a), só talvez não saiba disso ainda

Robôs já estão presentes na maioria dos tribunais do país

Robôs já estão presentes na maioria dos tribunais do país

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.