OAB fecha o cerco contra lawtechs que atuam fora da lei!

Publicado em
OAB fecha o cerco contra lawtechs que atuam fora da lei!

No dia 14/05/20, foi publicada matéria no site do Conselho Federal da OAB[1] em que o órgão de classe se posicionou enfaticamente contra as startups que prestam serviços jurídicos em desconformidade com a Lei 8.906/94 (EOAB). Segundo consta na matéria divulgada, trata-se de luta contra a atuação predatória de startups que oferecem de maneira ilegal serviços jurídicos, gerando concorrência desleal e causando grandes prejuízos à advocacia.

É uma briga que tem por objetivo, principalmente, coibir que pessoas e empresas que não possuem inscrição nos quadros da OAB, ofereçam ou prestem serviços jurídicos, que é atividade PRIVATIVA da advocacia.

Embora o texto publicado não cite expressamente, é de conhecimento público o embate da OAB contra as startups do setor aéreo; uma vez que, desde o seu surgimento, houve aumento considerável de demandas judiciais contra as cias aéreas que atuam no Brasil. Por isso, inclusive, a OAB se uniu à ABEAR (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) para aumentar a fiscalização sobre a atuação destas startups.

Encontrar esse tipo de startup nas redes sociais é muito fácil, já que as suas propagandas costumam ser bem ostensivas e diretas, como demonstra esse print extraído do Google:

https://www.google.com/search?q=seu+voo+foi+cancelado&rlz=1C1SQJL_enBR901BR901&oq=seu+voo+&aqs=chrome.1.69i57j0l7.13507j1j7&sourceid=chrome&ie=UTF-8

De fato, muitas delas têm agido em desconformidade com a Lei 8.906/94 e o Código de Ética e Disciplina, já que informam a certeza de recebimento de valores, antes mesmo que uma ação judicial tenha sido ajuizada.

Contudo, nos termos do dito popular: “é preciso separar o joio do trigo!”. Se existem lawtechs/legaltechs que aviltam a advocacia, também existem as que atuam em colaboração, na medida em que permitem que os advogados se dediquem cada vez mais ao que lhes importa: atrair novos clientes e fechar as contas do mês!

Assim, espera-se uma atuação criteriosa do Conselho Federal da OAB, para que identifique e puna, sim, as startups que aviltam a advocacia; mas que, ao mesmo tempo, estimule a inovação jurídica.

Não nos esqueçamos que até mesmo tribunais como STF, STJ, TJSP, entre outros, estão desenvolvendo projetos de inteligência artificial para melhorar os serviços por eles prestados.

Vivemos a era da sociedade da informação, em que cada vez mais informações são compartilhadas diariamente. Não podemos mais praticar a advocacia como ela era praticada a 20 anos atrás. Os tempos mudaram!

[1] https://www.oab.org.br/noticia/58145/oab-age-para-enfrentar-atuacao-predatoria-de-startups-que-oferecem-servicos-juridicos-de-maneira-ilegal

FONTE: https://www.linkedin.com/pulse/oab-fecha-o-cerco-contra-lawtechs-que-atuam-fora-da-lei-oab-santos/


COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Assessorando negócios com startups

Assessorando negócios com startups

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas – o que muda?

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.