Marketing jurídico legal e eficaz

Publicado em
0bfbcc7595551e273f0967d60eb93574-700x525

Não é por acaso que o exercício da advocacia sempre foi ligado a uma imagem sóbria e discreta. Os advogados, desde os primórdios, eram vistos como colaboradores da justiça, devendo primar pela defesa dos direitos de terceiros em busca da resolução dos litígios.

Exatamente por isso, a publicidade dos serviços jurídicos sempre foi vedada, pois há um limiar muito tênue entre colaborar com a justiça e divulgar serviços jurídicos que, necessariamente, envolviam mover a máquina judiciária. Podemos observar isso no dia a dia dos jovens advogados, por exemplo, que, assim que recebem a sua licença para advogar tem o anseio de ingressar com sua primeira ação judicial.

Ocorre que o exercício da advocacia não se resume a litigar, existem diversas atividades que devem ser praticadas por advogados que não envolvem a necessidade de judicialização, a exemplo de consultorias, emissão de pareceres, elaboração de contratos e notificações extrajudiciais, mediação, planejamento jurídico para um negócio, atuação em cartórios extrajudiciais, entre outros.

A tendência do mundo moderno é a da desjudicialização, que acaba trazendo inúmeros outros benefícios com a possibilidade de prestação de serviços que não envolvem necessariamente o ajuizamento de ações, possibilitando, desta forma, que os advogados possam publicizar os seus serviços sem estimular o litígio e consequentemente manter a sua colaboração com a justiça.

Podemos observar que o Novo Código de Processo Civil privilegiou os métodos alternativos de solução de conflitos e atribuiu aos cartórios extrajudiciais competências para tratar de assuntos que antigamente só podiam ser resolvidos se passassem pelo crivo do poder judiciário, a exemplo do inventário, do divórcio e do usucapião, aumentando a atuação extrajudicial do advogado.

Além disso, o Novo Código de Ética da OAB passou a tratar a questão da publicidade em capitulo específico, justamente por entender que, com a evolução da sociedade e da tecnologia as facilidades para a divulgação dos serviços jurídicos aumentavam, devendo ser regulados com a evolução necessária que o passar dos tempos exige.

Com toda essa evolução, a atividade jurídica passou a ganhar mais espaço e ser reconhecida verdadeiramente como um negócio, possibilitando a divulgação dos serviços do advogado sem incitar que as pessoas acionassem a justiça para resolver seus problemas.

Foi aí que o marketing jurídico ganhou espaço. Tendo o aval da OAB para utilizar redes sociais e outros meios que possibilitam a divulgação dos serviços, os advogados começaram a enxergar uma “luz no fim do túnel” para impulsionar sua atividade de forma ética e legal, fazendo chegar ao seu nicho de clientes conteúdo informativo de modo que o cliente pudesse conhecer o seu trabalho e a sua atuação.

O código de ética diz que é lícita a divulgação de conteúdo informativo e educacional, sendo vedada a captação de clientes e mercantilização da advocacia. Isso quer dizer que o advogado não pode oferecer escancaradamente os seus serviços para o cliente, mas pode fazer chegar até ele, através de conteúdo informativo como artigos, vídeos, entrevistas, palestras, entre outros, a informação de que ele atua em determinada área e tem conhecimento de determinado assunto que pode solucionar um problema que a pessoa está enfrentando. Chamamos isso de marketing de conteúdo.

Desta maneira, permanece vedado o convite ao cliente para a contratação dos serviços, a divulgação dos seus resultados em ações judiciais de forma a provocar no cliente o desejo de litigar ou a divulgação ostensiva da atividade jurídica em TV, jornais, revistas, e-mail marketing, entre outros, porque isso se configura a mercantilização da advocacia, ou seja, “vender” um serviço jurídico, incitando o cliente a acionar a justiça em prol de um benefício.

Entretanto, muitas novas portas de abriram, possibilitando a utilização do marketing de conteúdo para a conquista de novos clientes. Alguns requisitos, no entanto, são essenciais para que o marketing de conteúdo seja eficaz. São eles:

Segmentação de clientes

O advogado precisa escolher para quem ele vai produzir conteúdo informativo.Por exemplo: para pessoas que enfrentam problemas familiares; para empresários que desejam reduzir a taxa de inadimplência nos seus negócios; para pessoas que desejam pleitear aposentadoria; para pessoas envolvidas na política, entre outros.

A definição do nicho de clientes é extremamente importante para direcionar o marketing de conteúdo para o público correto e qualificado, aumentando as chances de uma contratação.

Especialização

Para ter propriedade para falar sobre algum tema, o advogado precisa ter o conhecimento técnico necessário para tanto, por isso, especializa-se é fundamental!

Para a modalidade de marketing permitida pela OAB, não há espaço para generalistas, quem faz tudo acaba não fazendo nada extremamente bem feito.

Produção de conteúdo

Escrever artigos e publica-los em mídias acessadas pelo nicho de cliente escolhido com blogs, revistas, redes sociais, pode ajudar qualquer advogado a alcançar seu nicho de clientes tanto de forma online como de forma off-line.

Além disso, comparecer a eventos em que o nicho de clientes está, palestrar, conceder entrevistas em rádio e TV trará credibilidade e fará com que o conteúdo também chegue diretamente no público alvo.

O envio de newsletters também tem se mostrado uma forma eficaz de ser lembrado pelo cliente, mostrando novidades jurídicas que podem ajudá-lo, com caráter apenas informativo.

A ideia de que o advogado precisa esperar o cliente descobrir que ele existe e bater na sua porta em busca dos seus serviços ficou para trás. A utilização das ferramentas de marketing jurídico veio para ajudar os advogados a serem enxergados pelos seus potenciais clientes mostrando seus serviços de forma ética e colaborativa com a justiça.

 

Por Aviso Urgente

Fonte: https://blog.avisourgente.com.br/marketing-juridico/

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Business people using internet

Afinal, o que é Web 3.0 e qual sua relação com o Metalaw?

News-LEX

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

martelo

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Business people with startup rocket

Assessorando negócios com startups

Hands in a digital universe background

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

dominoes-ge819e653e_1920

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Retinal biometrics technology with man’s eye digital remix

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Valentine's Day concept with tic tac toe on beige background

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.