Lawtech e legaltech: startups jurídicas e a revolução na advocacia

Publicado em
Lawtech e legaltech: startups jurídicas e a revolução na advocacia

A tendência que vem revolucionando a prestação de serviços jurídicos no mundo já dá os primeiros passos também no Brasil. O mercado de lawtech e legaltech, aliás, encontrou terreno fértil para se desenvolver no país – e vem encontrando espaço para isso. Apesar de ainda incipientes, essas novas práticas já estão trazendo enormes ganhos de eficiência.

Lawtech e legaltech significam, de forma bem resumida, a mistura entre o Direito e a tecnologia. Trata-se, portanto, de um mercado estruturado em formato de startup, negócios que começam pequenos, mas apresentam postura escalável e em constante transformação. As propostas que envolvem a ideia de startups se valem da tecnologia para reformular e repensar toda uma cadeia ou ciclo de trabalho já organizados nos métodos tradicionais.

É o que acontece, por exemplo, com as fintechs, que misturam finanças e tecnologia e popularizaram os bancos digitais e a possibilidade do usuário abrir contas bancárias e solicitar cartões pela internet sem ir até a agência. Mas há dezenas de outros exemplos nesse mesmo sentido:

  • agritechs, que desenvolvem soluções para o ramo de agropecuária;
  • regtechs, com foco nos serviços de regulamentação e controladoria;
  • foodtechs, voltadas à cadeia de alimentos, do cultivo até o consumo;
  • edtechs, relacionadas à educação.

E assim como ocorreu com todos esses setores, a tecnologia também interviu no dia a dia daqueles que operam com questões jurídicas. Surgiram, então, as chamadas lawtechs e legaltechs.

As lawtechs e legaltechs são, portanto, startups focadas em pensar soluções tecnológicas que facilitem e transformem a rotina jurídica. Softwares de gestão, ferramentas digitais e contatos e conexões online são exemplos dessa realidade, que deram ensejo e impulso a conceitos inovadores como serviços digitais e escritórios virtuais.

Neste post, no entanto, vamos abordar as características de lawtech e legaltech. Você sabe a diferença entre elas? E como funcionam?

O que é lawtech?

Lawtech, como o conceito já antecipa, é o nome dado às startups voltadas para o mercado jurídico. Law deriva de lei no inglês, enquanto technology vem de tecnologia. Juntos, portanto, esses termos demonstram que a lawtech acredita na tecnologia para facilitar a rotina jurídica.

Assim, o objeto de uma lawtech é explorar a identificar as principais deficiências desse universo e, a partir disso, criar produtos e serviços que sejam capazes de aprimorar e resolver esses problemas, agilizando o andamento dos processos e contribuindo com o dia a dia dos operadores do Direito.

Já é possível, portanto, controlar os prazos e as intimações dos processos, coletar e monitorar informações públicas , relacionando-as com qualquer outro dado, e até mediar conflitos de forma online para chegar a um acordo. O próprio processo eletrônico, protagonizado pelo Judiciário, também é um exemplo de como a tecnologia já interfere no dia a dia de quem pratica o Direito.

Nesse sentido, a lawtech oferece impactos positivos para o ecossistema jurídico. Ela ajuda, por exemplo, a

  • reduzir custos;
  • aumentar a produtividade e a eficiência;
  • organizar os processos e atividades;
  • promover transparência;
  • desafogar o Judiciário;
  • realizar pesquisa jurídica;
  • promover maior acesso à lei.

O que é legaltech?

O conceito de legaltech, quando desmembrado e traduzido para o português, significa tecnologia legal ou tecnologia jurídica. No exterior, as legaltechs prestam serviços direcionados aos profissionais do próprio mercado. Já a lawtech, por sua vez, buscam desenvolver soluções para quem é público final desses serviços jurídicos.

No Brasil, no entanto, a diferença não existe. Do ponto de vista prático, lawtech e legaltech são a mesma coisa. As duas, por exemplo, cumprem com o mesmo papel de usar uma base tecnológica para suprir as demandas do setor. Independente do seu objetivo ou proposta, lawtech e legaltech são consideradas iguais.

O mercado das lawtech no Brasil

O Brasil tem, hoje, cerca de 80 milhões de processos judiciais em tramitação no Judiciário. Além disso, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) calcula que a advocacia já soma mais de um milhão de profissionais em atuação. Tudo isso faz do país um campo fértil para o desenvolvimento de tecnologias que facilitem a rotina jurídica.

Na carona dessa tendência, portanto, estão as soluções de lawtech. E os números comprovam essa realidade de crescimento. A Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L), por exemplo, já registra mais de 50 startups jurídicas no país. Dois antes antes, no entanto, eram apenas 20.

Assim, justamente pela necessidade de fornecer respaldo a esse tipo de negócio, a AB2L divide as lawtechs brasileiras em 11 categorias hoje. Veja, então, como as soluções tecnológicas voltadas para o Direito estão distribuídas no Brasil.

1. Analytics e jurimetria

São empresas que oferecem plataformas de análise e compilação de dados e jurimetria. O foco desse tipo de lawtech está, portanto, no desenvolvimento de ferramentas que trabalham para prever a decisão judicial que será dada a respeito de determinada demanda.

Para fazer isso, por exemplo, a tecnologia faz uso da inteligência artificial. Assim, os robôs programados para tal tarefa realizam uma “varredura” das sentenças e acórdãos proferidos em todo o país, leem seu conteúdo e calculam a probabilidade de êxito com base no histórico de decisões de cada magistrado.

É o que faz, por exemplo, a Softplan, de Florianópolis. Há quase 30 anos no mercado, a empresa se consolida hoje como referência em inovação para a Justiça brasileira. Além disso, também é líder na América Latina em transformação digital, analytics e inteligência artificial para o ecossistema jurídico.

2. Automação e gestão de documentos

As startups dessa categoria são especialistas no desenvolvimento de softwares que trabalham pela automação de documentos jurídicos e pela gestão do ciclo de vida de contratos e processos.

É o que acontece, por exemplo, com a LegAut. O sistema utiliza técnicas de Machine Learning e Deep Learning para interpretar textos, realizar comparações e extrair dados fundamentais de documentos.

3. Compliance

São empresas que se dedicam a promover ações voltadas para o cumprimento das normas legais nacionais e internacionais que são estabelecidas para as atividades de determinada companhia. Tratam-se, portanto, de ferramentas que buscam desenvolver e disseminar de uma cultura de integridade nas empresas, evitando o risco de que elas sejam penalizadas por irregularidades administrativas, legais e éticas, por exemplo.

No Brasil, uma startup referência nesse quesito é a Ventura, que oferece melhores práticas empresariais e compliance.

4. Lawtechs de Conteúdo jurídico, educação e consultoria

São, basicamente, portais de informação, legislação e notícias ou consultoria. A ideia é noticiar e manter seus usuários informados por meio de conteúdos desenvolvidos de forma profissional.

Um exemplo clássico lawtech com essa proposta, hoje, é o Jota, portal de notícias jurídicas. Embora recente no mercado, o Jota já se consolidou como referência em notícias jurídicas, acompanhamento de bastidores e análise das decisões proferidas nos tribunais.

5. Extração e monitoramento de dados públicos

São empresas focadas em monitorar e promover a gestão das informações públicas que estão disponibilizadas para consultas online. A ideia, portanto, é reunir esses dados e apresentá-los aos juristas de diferentes maneiras, conforme a necessidade e a possibilidade de apontar novas oportunidades e nichos de mercado.

Um bom exemplo de lawtech nisso no Brasil é o BipBop. Por meio da captura de dados da internet, o sistema facilita a busca e atualiza as informações de forma automática a partir da base de dados interna.

6. Gestão jurídica

As startups dessa categoria são uma das mais numerosas em funcionamento no país hoje. Tratam-se de empresas especializadas em oferecer ferramentas que ajudam na gestão da rotina dos escritórios de advocacia e departamentos jurídicos.

É o caso, por exemplo, do SAJ ADV, que ajuda centenas de advogados a otimizar seu tempo e organizar a gestão financeira, de tarefas e de processos do escritório ou departamento jurídico. Outro diferencial do software é a atuação em nuvem. Isso significa, por exemplo, que o sistema libera os profissionais de ficarem reféns de um único computador que centraliza as principais informações da rotina e das demandas jurídicas. Dessa forma, todos os dados e documentos podem ser acessados e consultados de qualquer lugar e a qualquer hora.

7. Inteligência artificial

São empresas que trabalham com soluções de inteligência artificial voltadas para a rotina dos tribunais e do poder público, de forma geral. É o caso, por exemplo, da LegalLabs e da Evojus, que realizam buscas de dados de processos e jurisprudências com mais assertividade.

8. Redes de profissionais

São sites e redes de conexão que envolvem operadores do Direito, democratiza o conhecimento jurídico e permite que pessoas e empresas encontrem advogados de forma mais fácil em todo o país. Trata-se, portanto, de ferramentas tecnológicas que ajudam na prospecção de clientes.

A lawtech mais famosa desse segmento no país é o JusBrasil. Como se sabe, o sistema se tornou referência no país ao oferecer um banco de dados completo de jurisprudência. Mas, além disso, o JusBrasil também atua como rede social, auxilia advogados em início de carreira e .

9. Regtech

São empresas que oferecem soluções tecnológicas capazes de resolver problemas gerados pelas exigências de regulamentação.

É o caso, por exemplo, do SigaLei. Tal lawtech analisa dados de diversas fontes para facilitar o monitoramento legislativo automático e influenciar o poder legislativo em todas as esferas.

10. Lawtechs de resolução de conflitos online

Tratam-se de empresas que se dedicam a buscar uma solução online para os conflitos entre as pessoas sem a necessidade de recorrer à Justiça, por exemplo. São, portanto, soluções tecnológicas que envolvem a mediação, a arbitragem e a negociação de acordos que se apresentam como formas alternativas ao processo judicial.

Um exemplo de lawtech desse segmento é a Sem Processo, que conecta advogados de ambas as partes para negociar acordos a respeito de uma demanda judicial em curso.

11. Taxtech

São empresas que desenvolvem plataformas e soluções tecnológicas voltadas especificamente para questões tributárias.

Um exemplo é a Busca Legal, que oferece acesso especializado a jurisprudências e conteúdos diversos e consulta à tributação de determinado produto.

FONTE: SAJADV.

AUTORA: Sâmia Frantz. Redatora do SAJ ADV. É bacharel em Direito. Pós-graduanda em Direito Digital e Compliance. Jornalista por formação com 15 anos de experiência em reportagem, assessoria de imprensa e produção e edição de conteúdo. Trabalhou nas redações dos principais jornais diários de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com produções especiais voltadas também para a TV, rádio e internet. Especialista em História, Comunicação e Memória do Brasil Contemporâneo.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Assessorando negócios com startups

Assessorando negócios com startups

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas – o que muda?

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.