Governança Corporativa | Por que as startups precisam disso?

Publicado em
Advogado-especialista-em-Startups-700x433
Foto: Blog Aviso Urgente

O número de startups mais do que dobrou no Brasil nos últimos seis anos, atingindo a marca de 62 mil empreendedores e 6 mil empresas, segundo dados da Associação Brasileira de Startups (ABStartups). No entanto, pesquisas mostram que a taxa de mortalidade das startups é muito alta (pode chegar a 75%), e a adoção de boas práticas de Governança Corporativa pode representar o diferencial para reduzir o risco de insucesso.

“Antes a Governança Corporativa era sinônimo de grandes empresas e organizações maduras, hoje sabe-se que o sistema deve ser aplicado a qualquer negócio, independente do tamanho ou maturidade”, comentou Max Carlomagno, consultor nas áreas de estratégia, inovação e crescimento, e coordenador da publicação organizada pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) em entrevista exclusiva ao Canaltech.

Participe do nosso GRUPO DE CUPONS E DESCONTOS NO WHATSAPP e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Com isso em mente, o IBGC desenvolveu um guia para apoiar startups e scale-ups – empresas de rápido crescimento – na adoção de práticas de governança e gestão que contribuam para a sustentabilidade e sucesso do negócio. O objetivo do documento é contribuir para que a Governança Corporativa seja levada em conta desde a criação da empresa, até o momento em que ela ganha escala e deixa de ser uma startup, tornando-se uma scale-up.

“Durante 12 meses desenvolvemos o documento e chegamos as premissas para cada uma das quatro fases das startups: ideação, validação, tração e escala”, explica Max.

Cada fase tem as suas peculiaridades e prioridades. A governança requerida varia de acordo com o momento e a fase de desenvolvimento da empresa. Em cada uma dessas fases, espera-se que a governança avance, levando-se em conta quatro pilares: estratégia & sociedade, pessoas & recursos, tecnologia & propriedade intelectual e processos & accountability.

Vale lembrar que Governança Corporativa está fundamentada em quatro princípios básicos: transparência, equidade, prestação de contas (accountability) e responsabilidade corporativa. Esses princípios devem ser observados desde o surgimento da startup, mesmo que ela vá desenvolvendo a sua governança paulatinamente. A taxa de mortalidade das startups é alta, mas o risco de insucesso pode ser reduzido por meio da adoção de boas práticas de governança.

Mas, cuidado com excessos. O coordenador da publicação revela que o exagero em táticas de controle pode ser tão nocivo quanto o abandono. “Existem casos de startups que implementaram coisas muito cedo e perdem o foco. Governança é como um remédio, deve ser tomado na dose certa”, finaliza.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
News-LEX

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

martelo

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Business people with startup rocket

Assessorando negócios com startups

Hands in a digital universe background

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

dominoes-ge819e653e_1920

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Retinal biometrics technology with man’s eye digital remix

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Valentine's Day concept with tic tac toe on beige background

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

smart-attractive-asian-female-business-owner-weared-virtual-reality-glasses-enjoys-casual-metaverse-meeting-with-concentrate-at-cafe-restaurantasian-female-using-oculus-rift-headset-in-cafe

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.