Escritórios de Advocacia: Onde investir em 2020

Publicado em
Escritórios de Advocacia: Onde investir em 2020

Todos os componentes são sensíveis a investimentos, mas três deles são particularmente mais impactados pela política de investimento que a empresa adota. São eles: Tecnologia, Talentos e Qualidade!

Por José Paulo Graciotti

Vamos partir da fórmula transformadora, que todo e qualquer escritório deve adotar para atingir maior eficiência, produtividade e principalmente competitividade: “(E+G) x (IT3 +Q)“ onde: E é Estratégia, G é Governança, I é Informação, T3 é o trinômio Tecnologia, Talento, Trabalho e tudo isso somado à Q, a Qualidade.

Todos os componentes são sensíveis a investimentos, mas três deles são particularmente mais impactados pela política de investimento que a empresa adota (notem que novamente utilizo a palavra empresa, pois é isso que escritórios de advocacia são). São eles: Tecnologia, Talentos e Qualidade!

Tecnologia: O padrão americano de investimento em tecnologia (pois são eles que mais investem em tecnologia no Direito), entendendo-se aqui o termo investimento erroneamente como todos os custos e despesas direcionadas à tecnologia, ou seja, licenças de softwares, manutenções, atualizações, desenvolvimentos, hardware, links e equipe interna e terceirizadas, gira em torno de 3% a 7% do faturamento bruto.

Para que um escritório se mantenha competitivo no mercado, deve investir pesadamente em sistemas de automação de documentos, sistemas de seleção, arquivamento, indexação e busca inteligente de informações (também chamado de Knowledge Mangement), Analytics (BI e predição), colaboração interna e com clientes e tudo mais que a tecnologia pode oferecer na atualidade (IA, Algoritmos, Machine Learning etc.) para melhorar a eficiência e produtividade.

Talentos: Partindo-se dos seguintes princípios (que infelizmente alguns escritórios ainda não se deram conta): (i) “ O patrimônio de todo escritório de advocacia desce o elevador todos os dias e vai para casa e (ii) Empresas prestadoras de serviços intelectuais “vendem tempo de cérebro” de seus profissionais, essas empresas são 100 % formadas por pessoas e trabalhando 100% para pessoas e por esses motivos a atenção ao fator humano e fundamental.

A empresa americana Caliper, especializada em traçar perfil psicológico de profissionais publicou, há algum tempo, uma estatística preocupante onde mostra que apenas 7% a 12% dos advogados e sócios de escritórios tem o atributo da sociabilidade desenvolvido. Entenda-se aqui o termo como a capacidade de desenvolver uma relação de empatia com clientes e colaboradores e isso mostra claramente a dificuldade que que estas empresas podem encontrar neste quesito.

A preocupação, a atualização os investimentos (não somente financeiros) constantes nas políticas de atração, motivação e retenção de talentos são fundamentais para a saúde e perenidade dessas empresas.

Qualidade: Este é outro de extrema importância e que tem se alterado al longo dos últimos anos. Tradicionalmente, o grande diferencial entre escritórios sempre foi a capacidade e qualidade técnica (obviamente jurídica) de seus sócios e colaboradores o que , em parte, justificou a grande onda de terceirização de serviços jurídicos ocorrida no Brasil entre as décadas 1990 e 2000.

A abertura do mercado brasileiro possibilitou o crescimento explosivo do mercado jurídico criando uma massa concorrente, competitiva e mais preparada. Esse fenômeno associado às mudanças tecnológicas, crise econômica, novos players (ALSP’s) e principalmente à ascensão das novas gerações (gerações Y e Z), transformaram a forma como é percebida a qualidade nas agora chamadas empresas prestadoras de serviços jurídicos.

Investimento em sistemas de controle de qualidade na prestação dos serviços devem ser largamente aplicados / ultilizados com a adoção de KPI’s específicos para avaliar, por exemplo, tempos de resposta, satisfação do cliente, além da adoção de sistemas (não só tecnológicos) que garantam acesso fácil e intuitivo pelos clientes às suas informações. Esses são apenas alguns exemplos de como alterar a percepção de qualidade pelo cliente, além da obrigatória qualidade técnica.

Escritórios devem ter em mente que são empresas prestadoras de serviços, num mercado extremamente competitivo e os clientes estão se tornando consumidores. Nesse ambiente, a palavra fidelidade depende de se continuar satisfazendo-os e se possível surpreendendo-os sempre com novidades que os deixem felizes.

José Paulo Graciotti é consultor, palestrante internacional, autor do livro “Governança Estratégica para escritórios de Advocacia”, já editado em 3 idiomas, sócio e fundador da GRACIOTTI Assessoria Empresarial

FONTE: //www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI318025,101048-Escritorios+de+Advocacia+Onde+investir+em+2020

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Assessorando negócios com startups

Assessorando negócios com startups

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas – o que muda?

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

Blockchain na administração pública e o case Real Digital

Blockchain na administração pública e o case Real Digital

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.