Entenda a história do supercomputador da justiça eleitoral brasileira

Publicado em
justica_eleitoral

As eleições no Brasil são conhecidas em todo o mundo pela rápida apuração e divulgação dos resultados. Mas neste ano, nas votações municipais, os números foram noticiados muito mais lentamente, o que causou atrasos em todo o país. Mas o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) afirmou que a morosidade dos resultados do primeiro turno ocorreu por conta de uma falha no supercomputador do órgão que realiza a soma dos números. Mas por que este equipamento foi escolhido para cuidar desta etapa tão importante do pleito?

A verdade é que entre 2017 e 2018, peritos da Polícia Federal (PF) descobriram uma brecha no sistema das urnas eletrônicas que poderia possibilitar interferências externas no processo de eleição. O fato foi divulgado pelo TSE por meio de nota técnica ao Uol.

Reprodução

PF descobriu falha nas urnas nas eleições de 2018. Créditos: Joa Souza/Shutterstock

Testes periódicos

A falha foi observada nos testes que são realizados nas urnas a cada dois anos. Os chamados Testes Públicos de Segurança (TPS) são promovidos com o envolvimento de pesquisadores e profissionais de TI, que são desafiados a invadir o sistema de votação eleitoral. O objetivo é justamente descobrir brechas no código-fonte que podem colocar os pleitos em risco, embora, segundo a justiça eleitoral, nenhuma destas falhas tenha sido exploradas.

Mas em outubro de 2018, após os TPSs, a PF emitiu um relatório ao TSE com a “análise dos códigos-fonte dos sistemas eleitorais nas Eleições 2018″. Apesar de o órgão eleitoral não ter divulgado qual realmente foi a brecha encontrada, destacou que para corrigi-la foi necessário mudar o esquema de soma dos votos.

Antigo esquema de votos

Antes de o supercomputador começar a realizar o processo de soma, quem fazia isso eram os 27 Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) do país. Cada um deles somava os votos do seu estado e encaminhava para o TSE para a soma geral. Para isso, era disponibilizado “um servidor instalado fisicamente em cada TRE, mas cuja administração e manutenção estava a cargo do TSE”, segundo a PF.

Mas é neste ponto que o problema começa, pois segundo o relatório da PF, “o fato de existir um banco de dados e um servidor de aplicações local em um computador em cada TRE aumenta o leque de potenciais ataques ao ambiente, que podem ser mitigados com a localização física destas máquinas no ambiente do TSE”. O presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, afirmou na segunda-feira (16) que “quando você tem 27 alvos possíveis de ataque, a sua vulnerabilidade é maior”.

Reprodução

O sistema antigo de soma de votos envolvia os 27 TREs do país. Créditos: Antônio Salaverry/Shutterstock

O supercomputador

A partir de uma recomendação da PF de centralizar o processo de soma dos votos, entrou em cena o supercomputador com inteligência artificial, o Exadata X8. O equipamento é da gigante Oracle, que inclusive já fornece para a justiça brasileira outros sistemas eletrônicos para repartições públicas.

No entanto, a entrega do componente foi atrasada devido à pandemia causa pela Covid-19. O supercomputador chegou ao TSE somente três meses antes das eleições 2020, o que inviabilizou alguns testes de desempenho. O resultado? O algoritmo da máquina não aguentou o volume de informações.

Neste momento, técnicos desligaram e ligaram o Exadata novamente, e, em uma reinicialização, a IA funcionou e analisou quais informações deveriam somar primeiro.

Por fim, segundo o TSE, a divulgação dos resultados teve apenas duas horas e meia de atraso, se comparada com as eleições de 2018. O órgão ainda assegura que a soma final dos votos não foi afetada pelo incidente e que o mesmo não deve se repetir no segundo turno, marcado para ocorrer em 29 de novembro.

Fonte: Uol

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Business people using internet

Afinal, o que é Web 3.0 e qual sua relação com o Metalaw?

News-LEX

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

martelo

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Business people with startup rocket

Assessorando negócios com startups

Hands in a digital universe background

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

dominoes-ge819e653e_1920

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Retinal biometrics technology with man’s eye digital remix

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Valentine's Day concept with tic tac toe on beige background

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.