Da multidisciplinaridade dos escritórios

Publicado em
sbc
Imagem: Reprodução;

É cada vez mais parte do passado o tempo em que escritórios de advocacia contavam unicamente com advogados: estes precisavam dividir seu tempo entre atuar em sua área de expertise e executar tarefas administrativas. Em escritórios menores, pode até ser possível. Mas em escritórios mais robustos, é impraticável.

A boa gestão administrativa do escritório é determinante para um bom desempenho da advocacia e ela funciona melhor quando conta com profissionais especializados para cada área administrativa — e estes não necessariamente seriam advogados.

Atualmente (e com os recursos tecnológicos que temos), a atuação dos escritórios se estende a tarefas que requerem a participação de profissionais de TI, comunicação, marketing: tarefas alheias à advocacia, mas indispensáveis para que os advogados se ocupem apenas de suas expertises jurídicas.

Não adianta ter o melhor de todos os softwares, a mais avançada inteligência artificial e o melhor programa de gestão de processos se o escritório não dispõe de profissionais que saibam operá-los e interpretar seus dados.

Ainda que algumas áreas sejam terceirizadas — manutenção e Recursos Humanos, por exemplo —, um escritório competitivo conta com times multidisciplinares por trás de seus advogados. E o sarrafo não para de subir.

Os próprios advogados devem ter boa mobilidade em softwares de gestão de processos e análise de dados. Isso não significa que eles estejam saindo de sua área de expertise, pelo contrário: ao lançar mão da tecnologia em suas práticas eles refinam sua forma de lidar com processos e clientes, baseados em dados concretos.

Passa pela especialização profissional do advogado contemporâneo a capacidade de gerar e interpretar dados dos próprios processos em que atua. Com um arquivo digital bem organizado, é possível gerar uma base de dados significativa e que pode até servir para fins de treinamento, por exemplo.

Nos dias de hoje, escritórios de advocacia devem ser organismos autônomos. Isso é possível de alcançar apenas com parcerias entre diferentes áreas, uma boa gestão administrativa, uma sólida política de compliance e advogados que saibam que a tecnologia vai expandir suas capacidades.

Texto original de Antonio Rodrigo Sant’Ana, publicado no Linkedin.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
News-LEX

Inteligência artificial e Jurimetria: como a tecnologia influencia no Direito?

martelo

O fim do software jurídico no Brasil, por Vinícius Marques

Business people with startup rocket

Assessorando negócios com startups

Hands in a digital universe background

Metaverso será a próxima onda das ODRs? Uma disrupção sem fronteiras

dominoes-ge819e653e_1920

Decreto 11.129/22 e o programa de integridade nas empresas - o que muda?

Retinal biometrics technology with man’s eye digital remix

Quais são as habilidades do advogado do futuro?

Valentine's Day concept with tic tac toe on beige background

UNIÃO ESTÁVEL NO METAVERSO?

smart-attractive-asian-female-business-owner-weared-virtual-reality-glasses-enjoys-casual-metaverse-meeting-with-concentrate-at-cafe-restaurantasian-female-using-oculus-rift-headset-in-cafe

Como se darão as conexões no Metaverso (Em suas mais variadas searas)  

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.