Pesquisar
Close this search box.

Advocacia disruptiva em três pontos fundamentais

Publicado em
Marketing-jurídico

Disruptivo vem de rompimento, de quebra, de fratura. Exatamente o momento que temos vivido na advocacia. Um momento em que precisamos focar cada vez mais nossos esforços em empreender, ao invés de apenas receber, em atender, ao invés apenas de informar, em usar a tecnologia, ao invés dela ser um fardo em nossas vidas.

Neste diapasão, embora existam inúmeras formas disruptivas acontecendo ao mesmo tempo, destaco 3 que ao meu ver trazem um paradigma novo ao profissional do direito: Gestão, Tecnologia e o Marketing jurídico.

1- Gestão

No quesito gestão, que antes era relegado a quem fazia administração ou ainda a escritórios na sua maioria empresariais que por influência das empresas buscavam na gestão delas inspiração para a gestão dos seus escritórios, hoje é uma realidade que todas as áreas do direito, todos os advogados independente de tamanho, faturamento e ou característica de escritório (massa, boutique, etc) necessitam para continuar no mercado jurídico.

Gerir o seu negócio, conhecendo seus fluxos internos, as atividades que cada um tem, os indicadores que permitirão compreender se o número de pessoas está adequado ao número de processos, atividades, audiências, prazos, etc, além de gerarem números igualmente importantes paraqualificar os profissionais jurídicos que atuam na banca para que possam evoluir e se manterem como ativo dos escritórios. Sim, indicadores podem e fazem isto. O como fazem? A tecnologia constrói e ajuda.

2 – Tecnologia

No quesito tecnologia, a advocacia mudou muito e ainda está em pleno processo de mudança e expansão. De um lado, softwares jurídicos que antes controlavam apenas processos, prazos e audiências. Hoje, já controlam com ferramentas de workflow e alicerçados pela gestão, situações que combinam prazos, audiências, tarefas, atendimentos, entre outros com tempo, prazos internos, prazos da gestão para correção, entre inúmeras outras possibilidades.

Ainda em tecnologia, com avanço da inteligência artificial, temos softwares (chamados de robôs) que aprendem independente do ser humano cada vez mais a fazer petições, a ter um conhecimento cognitivo de palavras, sentidos de expressões, e constroem peças, contratos e outros com grande facilidade, além de pesquisarem jurisprudência, leis e afins com extrema velocidade e perfeição.

Isto é futuro? Não. Isto já existe. Assim como a necessidade do advogado se comunicar com o seu cliente, seja novo cliente, seja quem já é cliente. O famoso marketing jurídico.

3 – Marketing Jurídico

E neste quesito de marketing jurídico, a advocacia igualmente precisa se reinventar. Ficar sentado esperando clientes não é uma realidade. Fugir das redes sociais ou usa-las apenas para fins pessoais (esquecendo o profissional) igualmente não é sensato.

Em um mercado competitivo, o ideal é usar a ética e igualmente a gestão e tecnologia a seu favor. Como?

Ao demonstrar conhecimento ao cliente em mídias eletrônicas, ao demonstrar organização, prazos, gestão interna quando o cliente fecha a ação ou quando o cliente é empresa e você tem mais do que relatórios, tem informação além dos dados de números e informações processuais, você está criando diferenciais competitivos a outros escritórios, além de gerir melhor o seu próprio negócio.

Enfim, a gestão interna aliada a tecnologia com foco no marketing como resultado da justiça do seu cliente deve ser a disrupção a ser feita pelo advogado no seu negócio.

A mágica do sucesso da advocacia acontece fora da zona de conforto e longe dos paradigmas que a maioria faz. Como bem descreveu Roberto Shinyashiki: “Se você faz o que todo mundo faz, chega aonde todos chegam. Se você quer chegar aonde a maioria não chega, precisa fazer algo que a maioria não faz”.

Pronto para advocacia disruptiva? Então, MÃOS À OBRA!

 

Por Gustavo Rocha

Fonte: https://www.projuris.com.br/advocacia-disruptiva/

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Imagem: Folha de São Paulo.

Escândalos e competição acirrada turbinam metamorfose de marcas

artigo obs

Ausência da parte Autora e do Preposto nas Audiências Judiciais Cíveis e Juizados Especiais. Quais as diferenças e quais as consequências?

Imagem: Pixabay

Advogados contra a Tecnologia: as máquinas irão substituir os advogados?

interface-3614766_1280

Desenvolvimento responsável da IA com a nova norma ISO/IEC 42001.

laptop-5673901_1280

DJe ou Painel de Intimações? Como acompanhar as intimações e não perder prazos!

Blockchain e Direito Desvendando os Desafios da Tokenização, por Isabela Santos.

 Blockchain e Direito: Desvendando os Desafios da Tokenização

laptop-2558400_1280

Empreender na mediação: inovação e oportunidades em comemoração a semana global do empreendedorismo  lei nº 14.135/2021

opportunity-7958383_1280

Você precisa de 5 palavras para tornar seu perfil no LinkedIn mais atrativo

EMPRESAS ALIADAS E MANTENEDORAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.