A integridade é uma escolha

Publicado em
A integridade é uma escolha
Imagem: Reprodução

Procure nos livros a definição para “integridade” e você descobrirá que ela vem do latim integritate; que é “a qualidade daqueles de conduta reta, de honra, ética, educada e briosa”. Pode nos passar, inclusive, uma imagem de inocência, de pureza de alma e de espírito. “Integridade é a soma de todos os valores absolutos, de todas as virtudes. É a ausência de falhas de caráter, de medo, de pensamentos e emoções negativas. Integridade é perfeição, inteireza, unicidade e completude. Na Matemática e na Geometria, é o círculo perfeito, o 100% ou o 1 inteiro e completado”, me complementa Luiz Fernando Lucas, advogado, palestrante escritor e pensador. Lucas é autor do livro recém-lançado A Era da Integridade – e o Emergir do Homo conscious (Ed. Gente), uma consequência de sua busca por respostas para os problemas do mundo e os seus próprios. “Compreendi que fazer a coisa certa, apenas por ser o certo, era o único caminho para me gerar paz interior, abundância, felicidade e sentido na vida.”

Segundo Lucas, integridade não tem a ver com cargos, salários, número de seguidores ou algo semelhante. Pode ser alcançada independentemente de sua posição socioeconômica ou cultural: “Ela, inclusive, guarda ligação com a origem do termo ‘indivíduo’, que vem de indivisum, aquele que é uno, indivisível. Note que indivíduos íntegros sempre mudam a História para melhor”.

Haveria povos mais íntegros do que outros? Sim, afirma ele, contudo, em aspectos distintos: “Vemos povos que já não toleram corrupção, por exemplo. Outros têm uma consciência maior em relação à integração com a natureza. Os que mais estão próximos de uma cultura de integridade são vistos também nas cidades ‘mais felizes do mundo’. Nesses locais, confiança mútua, uma cultura de valores e cooperativa em sociedade, levam a uma maior integridade e, por consequência, à paz, abundância e felicidade”.

Estamos exagerando quando dizemos que, em um mundo tão polarizado e cada vez mais barulhento, a integridade se perdeu? “Certamente vivemos em tempos de extrema polarização, mas não em todos os lugares. Nas cidades mais felizes do mundo, onde há também confiança em maior grau, a polaridade é bem menor, fruto da consciência e do saber viver em coletivo. Ali não se perdeu a integridade, na verdade, os extremos servem para trazer mais clareza para aqueles que ainda não notaram a fragilidade de se apegar a qualquer polaridade”, me detalha Lucas, que se define como um “filósofo de ação” e um “sonhador pragmático”.

Como contraponto aos extremos, me recorda o autor, cresce exponencialmente a busca pelo equilíbrio, autoconhecimento, vida saudável, meditação, consciência e espiritualidade em nível global: “Nas esferas pública e privada, surgem Leis anticorrupção, compliance e pilares como o ESG (Environmental, Social and Governance ou governança sociocorporativa). Empresas de impacto e o capitalismo consciente ditam o novo comportamento corporativo, indicando uma tendência de busca por integridade para onde se olha”. 

Homo conscious

Dilema à vista: afinal, se nasce ou se torna íntegro? “É uma pergunta filosófica por natureza. Compreendo que nascemos inteiros, entretanto somos influenciados pelo meio, por crenças limitantes, dogmas e cultura e, acima de tudo, somos contaminados pelo medo. Isso tira o ser humano de sua integridade original e cabe esforço e determinação para voltar a ela”. O homo sapiens sapiens (“que sabe” e que “sabe que sabe”) gerou a era do conhecimento e da informação, mas não trouxe paz, abundância e felicidade para todos, me diz Lucas. “Agora, por observação e autoconhecimento, subimos um degrau e passamos a ter consciência de nós mesmos e de nosso papel no coletivo. Somos homo conscious.”

E é justamente esse homem mais desperto que ditará os rumos da Era da Integridade, aponta o escritor: “Como estamos bem em seu início, ainda vemos muito extremos, polaridade e ausência de Justiça se manifestando. Temos, contudo, exemplos e busca por valores e consciência que levam à integridade. Em uma perspectiva histórica, tenho convicção de que, no futuro, estudaremos esse momento como início da Era da Integridade”.

Texto original de Mark Tawil, publicado pela Época Negócios

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Legaltech Verifact registra crescimento de 30% ao mês em 2022

Legaltech Verifact registra crescimento de 30% ao mês em 2022

O futuro da educação jurídica no Brasil

O futuro da educação jurídica no Brasil

Por que startups brasileiras têm demitido tanto? Entenda

Por que startups brasileiras têm demitido tanto? Entenda

A tecnologia mãe

A tecnologia mãe

Gestão de dados no contencioso: A Importância da eficiência dos processos e impacto no planejamento e tomada de decisão

Gestão de dados no contencioso: A Importância da eficiência dos processos e impacto no planejamento e tomada de decisão

Como o varejo e as big techs influenciam o direito

Como o varejo e as big techs influenciam o direito

Você é criativo (a), só talvez não saiba disso ainda

Você é criativo (a), só talvez não saiba disso ainda

Robôs já estão presentes na maioria dos tribunais do país

Robôs já estão presentes na maioria dos tribunais do país

EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.