UE lança plataforma para discutir ética em aplicação de inteligência artificial

Publicado em
todamateria

A União Europeia (UE) vai testar novas diretrizes éticas para inteligência artificial. A organização lançou uma plataforma chamada European AI Alliance, pela qual companhias, instituições e agentes públicos podem ser notificados quando as novas diretrizes estiverem efetivamente valendo.

Como a movimentação seria uma série de obrigações a serem seguidas, não será do dia para a noite que uma instituição será capaz de se adaptar à novidade. Por conta disso, a AI Alliance busca já colaborar com esta transição.

Os participantes do programa vão ter acesso a um grupo de especialistas em inteligência artificial (AI HLEG, na sigla em inglês), com os quais poderão interagir em um sistema de fórum. A UE também espera que tais participantes forneçam informações e deem retornos sobre a proposta antes da formulação do texto final. Em suma, este espaço também vai funcionar como uma espécie de consulta pública.

“É apenas com confiança que a nossa sociedade pode se beneficiar totalmente da tecnologia. IA ética é uma proposta vitoriosa em todas vias que pode se tornar uma vantagem competitiva para a Europa: tornando-se líder em uma IA voltada para o ser humano na qual as pessoas podem confiar”, explica Andrus Ansip, vice-presidente de Digital Single Market, em comunicado no site da UE.

Será por esta plataforma que participantes do continente vão poder ter acesso aos primeiros textos da nova diretriz e já se adiantar sobre possíveis movimentações em seus projetos. A UE também planeja, já para este ano, a primeira Conferência Anual da AI Alliance.

O órgão também apresentou na última sexta-feira (4) sete novos pontos-chave para suas diretrizes de IA ética.

O primeiro ponto é o desenvolvimento de uma tecnologia que mantenha a autonomia e fiscalização humana. Em suma, a IA não pode ser totalmente independente e autônoma. O segundo ponto é segurança, com algoritmos com ferramentas contra erros e inconsistências. Privacidade de uso de dados também é um requisito importante para a IA ética, além de transparência não só de processo, mas de investimentos (termo chamado de accountability em inglês).

Por fim, o órgão também exige que a IA não seja discriminatória, abrangendo todo leque de habilidades, necessidades e garante acessibilidade. Além disso, toda tecnologia tem que ser voltada para o bem-estar social e ambiental de acordo com as diretrizes da UE.

Tais propostas ainda serão discutidas até o ano que vem, quando a organização deve revisar todo o texto com base em discussões com a comunidade e entregar o documento final para ser aprovado pela UE.

Por Wagner Wakka
Fonte: Canaltech

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
3D Rendered Illustration of a Human Face Design.

IA x Homem: Advogado robô defenderá réu em julgamento real

Pela primeira vez na história uma inteligência artificial será usada em tribunal para defender um réu acusado de infringir leis de trânsito
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.