Terrorists win? Decisão mostra que o Poder Judiciário ainda não compreende a indústria dos e-sports

Publicado em
Terrorists win
Imagem: Pexels

Os fatos, não o direito, costumam ser decisivos para um deslinde de uma ação judicial. E o que ocorre quando grande parte do Poder Judiciário é incapaz de entender a dinâmica de determinadas indústrias inovadoras? Quantos magistrados estão familiarizados com o mundo dos e-sports?

E mais: quantos juízes compreendem a funcionalidade dos jogos e o quão prejudiciais são as trapaças e o uso de softwares maliciosos? Pouquíssimos. Para chamar a atenção desta assimetria de informação, que muitas vezes mantém o julgador distante da demanda, escrevemos este breve artigo.

Em julho de 2020, escrevemos sobre a sentença de um caso, proferida por um juiz de Guarulhos, que havia julgado improcedente o pedido de reativação da conta de um usuário da Gamers Club banido pelo uso de software malicioso no jogo Counter Strike. Em síntese, o órgão reconheceu a validade da ferramenta tecnológica antitrapaça utilizada pela Gamers Club para banimento de um usuário e manteve o seu bloqueio por utilizar software que lhe trazia benefício competitivo.

No caso concreto, o cheat permitia que o usuário pudesse enxergar entre as paredes do jogo, o que, por óbvio, aumentava muito sua performance em um jogo de tiro em primeira pessoa. O usuário recorreu ao Tribunal de Justiça de São Paulo e ganhou — em parte, mas ganhou. A conta precisará ser reativada, mas não será devida nenhuma indenização. A decisão pautou-se na ausência de comprovação pela Gamers Club que o autor teria feito o uso de um software de cheat.

A Gamers Club funciona com a mesma lógica de plataformas como o Ifood, a Uber, a 99, o Twitter, o Facebook ou o Mercado Livre. Trata-se de um ecossistema digital, que conecta pessoas por meio da internet e que é regido por regras básicas de convivência, chamadas de Termos de Uso, estabelecidos pela plataforma. É a reputação da plataforma em garantir um ecossistema saudável e com boa convivência que atrai, justamente, novos usuários para ela. E é justamente aí que o distanciamento dos magistrados do mundo dos e-sports pode atrapalhar o raciocínio. Vamos lá.

Counter Strike é um jogo multiplayer, que pode ser jogado pela internet, desenvolvido pela empresa Valve Corporation. Para enfrentar outras pessoas, o jogador precisa estar logado a um servidor, uma espécie de grande “lan house” virtual, onde as pessoas podem se encontrar virtualmente. Com efeito, a Gamers Club, empresa brasileira e ré no caso concreto, é um dos principais servidores do mundo para praticar o jogo.

Dentre as regras estabelecidas pela Gamers Club, para o bom convívio em sua plataforma, está a proibição do uso de cheats, de softwares maliciosos, do doping virtual desportivo, da trapaça e do uso de ardis para auferir benefícios competitivos. Não existe, portanto, diferença entre o uso de tais softwares e a injeção de testosterona por um atleta às vésperas da olimpíada.

Ao decidir utilizar a plataforma da Gamers Club, o usuário também concede permissões específicas de privacidade para que a empresa possa checar e avaliar e checar todos os softwares instalados no computador que será utilizado para jogar. Trata-se de um procedimento comum de varredura.

Caso seja constatada a presença de algum programa listado como proibido pela plataforma, o usuário será banido do ecossistema, tal qual previsto no Termos de Uso. E, ao que consta dos autos, foi exatamente isso que aconteceu no caso.

E que tipo de prova se pode fazer da constatação do uso dos softwares maliciosos? Ora, levar aos autos os logs e os hashs que indicam o momento, horário, local e detalhes da localização do software malicioso. É importante contextualizar: não se trata de uma prova que os juízes estão acostumados; consiste em linhas de código-fonte que atestam a existência e a localização do programa proibido. Muito embora juntado aos autos, isso foi ignorado pelo Tribunal.

O problema dessa decisão é a consequência da obrigação que ela traz consigo: força a plataforma a colocar de volta no ecossistema um usuário que foi identificado como um violador da boa conduta e das regras contratuais vinculantes dos termos da Gamers Club.

É como trazer um vírus de volta para o ambiente que estava purificado. Dito de outra forma, é o mesmo que obrigar uma plataforma de transporte a reabilitar um motorista assediador de volta à ativa ou determinar que o Mercado Livre reative a conta de um vendedor de produtos proibidos.

O Tribunal de Justiça de São Paulo ainda terá a oportunidade de corrigir o erro em seu julgamento por meio de embargos de declaração. Para além de verificar as provas que atestam o uso do software malicioso, é bom dizer que o próprio usuário afirmou ter deixado um colega utilizar sua conta, o que também configura uma violação dos termos de uso da plataforma da Gamers Club, passível de exclusão. A partida ainda não terminou e, portanto, segue o jogo.

Texto original de Daniel Becker e Giovani dos Santos Ravagnani, publicado pelo portal Jota

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.