Tecnologia NFT apresenta possiblidades ilimitadas no combate a fraudes e falsificações

Publicado em
Fronteira Fisico digital
Fronteira Físico/Digital”, primeira obra brasileira com a tecnologia NFT a ser leiloada no país em reprodução original. Crédito: assessoria do artista Bel Borba

Em junho deste ano, será realizado o primeiro leilão brasileiro de arte em non-fungible token (NFT — em tradução simples, token não-fungível). De autoria do artista plástico baiano Bel Borba, a obra “Fronteira Físico/Digital” a ser leiloada, será recortada em cem partes e cada pedaço da obra terá lance mínimo de US$ 600. Pode soar estranho, mas é exatamente isso. A tela será fragmentada em cem partes tanto no ambiente virtual e recortada no meio físico. Isso permitirá o comprador receber o pedaço digital em uma carteira de criptomoedas e o pedaço físico via endereço com um QR Code de referência de titularidade. A plataforma InspireIP realizará a façanha.

Pintada exclusivamente para o evento e com lance mínimo de US$ 600 por pedaço, a obra sugere uma verdadeira colcha de retalhos que transcende a barreira digital. Segundo o autor, “arte é compartilhamento” e a tecnologia NFT permitirá que cada comprador seja sócio, virtual e físico, de um todo da obra através do fragmento que irá adquirir. Considerando o acontecimento inédito, neste breve texto, buscamos destrinchar a relação entre a preservação do direito autoral e a nova tecnologia, que promete revolucionar o modelo de negócios do direito autoral: o NFT, sigla para “Non-fungible Token”.

Em uma simples explicação, o NFT é nada mais do que um certificado digital de autenticidade. Ele serve para garantir a originalidade — na mesma linha do reconhecimento de firma por autenticidade, só que online, mais potente, mais seguro e à prova de fraudes. Contudo, antes que o leitor se pergunte por qual motivo um novo tipo de “certificado digital” viraria tema para mais um artigo, explicaremos a sua importância para o direito autoral.

Quando pensamos em documento, normalmente, o que nos vem primeiro à cabeça é o suporte físico, o papel e, por consequência, tendemos a deslegitimar o documento virtual por acreditar que não teria a mesma validade ou importância. Contudo, a partir do século XX, a maior inserção da tecnologia e da internet nos costumes diários fez com que fosse agregada maior fluidez ao nosso estilo de vida e, consequentemente, os conceitos de documento e segurança também sofressem alteração. Como consequência, foram necessários instrumentos que se adaptassem às circunstâncias do contexto. E, naturalmente, a pandemia acelerou o processo.

O documento digital possui uma natureza mais dinâmica e interativa e, diante do desenvolvimento de outros tipos de suportes informacionais, é mais flexível e adaptável. Contudo, apesar de sua incorporeidade, não se deve limitá-lo, pois assim como um documento estático, ele também é dotado de estabilidade para ser considerado como registro de informação infungível.

Em termos de lei, o art. 7º da Lei 9.610/98 define a natureza de bens tangíveis, intangíveis, fungíveis e não fungíveis. Já o Código Civil especifica que bem fungíveis são bens substituíveis por outros de mesma espécie, qualidade e quantidade e os infungíveis, por sua vez, são únicos e insubstituíveis. A título ilustrativo, uma simples nota de R$ 10,00 é algo tangível e fungível. Pode ser tocada e facilmente substituída por qualquer outra. Agora, uma obra digital criada pelo renomado artista Bel Borba, não. É algo único, de impossível reprodução e certamente intangível e não fungível. Uma reprodução não autorizada retira a autenticidade e faz com que a ilustração perca valor.

O NFT, se atrelado à obra de Borba, torna-se um bem exclusivo, singular, “feito sob medida”, e confere à obra um selo de autenticidade digital, confirmando sua autoria e a noção digital de propriedade. O NTF é um contrato inteligente (smart contract) que confirma que tal produto é autêntico e não somente feito de códigos, o que certamente será uma ferramenta muito útil para confirmar a confiabilidade de registros na comercialização digital.

Em termos de certificação, o NFT tem sua infraestrutura derivada do blockchain, tecnologia descentralizadora que a todo momento valida as informações e confere autenticidade a uma operação ou documento, como uma espécie de cartório digital à prova de violação, porém livre de supervisão governamental ou privada, sendo controlado por uma rede de computadores e podendo ser acessado por qualquer pessoa na rede, mas não alterado ou excluído.

O conceito por trás do NFT não confere autenticidade somente a imagens, de modo que qualquer mídia digital pode ser transformada em um bem não-fungível. Arquivos de áudio, mensagens, vídeos, como por exemplo um vídeo do jogador de basquete Lebron James, comprado por 208 mil dólares, ou o primeiro tweet do CEO do Twitter, Jack Dorsey, vendido por quase 3 milhões de dólares e comparado com o quadro da Monalisa.

Então vale a pergunta: por que alguém compraria um gif, vídeo ou imagem se está gratuitamente disponível na internet para uso imediato e download?

Sabemos que versões originais despertam interesse e a questão também não gira em torno somente da confiabilidade. A sociedade sempre foi obcecada pela ideia do original. Antes da pandemia, por exemplo, o Museu de Louvre registrava mais de 10 milhões de visitantes que competiam entre si para ver a Monalisa, obra prima de Leonardo da Vinci. Ou seja, ter acesso a versões originais ou exclusivas não só é um desejo do espírito humano, como também alimenta a cultura, que desde os primórdios tem verdadeiro fascínio em ter algo único ou raro.

Portanto, quando o criador e detentor do direito autoral atrela sua obra digital a um NFT, ele atesta que a reprodução é uma cópia “original”, o que facilita até mesmo a prevenção e o rastreamento de uso não autorizado de obras. Mesmo com a facilidade do “CTRL+C” e “CTRL+V”, do printscreen ou até mesmo da “foto da foto”, o NFT cria uma escassez no item. Mesmo que existam reproduções não autorizadas ou semelhantes, apenas uma tem a certificação de autenticidade dada pelo autor da obra. Ela é legitimamente única.

Há ainda outras funcionalidades interessantes no selo NFT. O autor pode programar, via smart contract, royalties em uma obra para que a sua distribuição ocorra de forma automática, possibilitando o recebimento de uma criptomoeda sem qualquer limitação física ou cambial. Com o rastreamento, Borba vai receber uma porcentagem do valor toda vez que uma das cem partes leiloadas de sua obra for vendida novamente.

Com tantos elogios ao NFT e a possibilidade de se criar uma versão tão preciosa a partir de uma mídia digital, é natural questionar se há algum conflito entre o selo e o direito autoral. Os autores podem ficar aliviados, porque não há qualquer conflito entre os institutos. Assim como qualquer venda de obras materiais dotadas de direitos autorais, o NFT não concede a propriedade intelectual ao detentor. Ainda que seja necessário criar regras claras sobre o tema, a titularidade do original não muda.

Como se sabe, no Brasil, diferente daquilo que se pratica nos Estados Unidos, por exemplo, não se pode renunciar a titularidade de uma obra. Dito de outra forma, a venda de uma obra dotada de direitos autorais no Brasil fica condicionada à divisão entre o direito moral do autor, que é indisponível, personalíssimo, inalienável e irrenunciável e o direito patrimonial, que pode ser negociado de maneira expressa, presumidamente onerosa, por meio de licença, cessão ou concessão. Dessa forma, no território brasileiro, independente de quem seja o proprietário da obra, o direito à autoria e à integridade da obra serão eternamente de quem a criou.

Sendo assim, tudo que o NFT faz é “linkar” a reprodução à obra, por meio da venda controlada de cópias digitais de suas obras, mostrando quem é o dono verdadeiro, mas com uma assinatura digital do autor, com regras pré-programadas pelo criador.

A transformação em NFT das obras de arte permite a criação de uma nova dimensão em torno da autenticidade. Prevê a reprodução autorizada de mídias digitais de forma organizada, autêntica e legal, possibilitando ainda uma remuneração adequada ao criador. São as novas tecnologias criando tendências, novos hábitos de consumo e formas diferentes de pensar um negócio, mas, acima de tudo, permitindo possiblidades ilimitadas no combate às fraudes, falsificações e violações de direitos autorais.

Surgido em 2012, o NFT não é exatamente uma tecnologia nova. Porém, mesmo com mais de oito anos de existência, a matéria ainda não foi regulamentada no Brasil. O que há são alguns projetos de lei, como o PL 2060/2019 sobre criptoativos, mas nada concreto e específico para a nova tecnologia. Apesar de terem características semelhantes às criptomoedas, notadamente a criptografia e o blockchain, os NFTs não podem ser comparados. Isso porque, mesmo que ambas derivem de uma rede criptografada e descentralizada, as criptomoedas são moedas digitais, enquanto NFTs são exclusivamente certificados digitais.

Estes autores tiveram a oportunidade de conversar com Bel Borba. O artista revela que já possui “outros projetos engatilhados” envolvendo os NFTs, podendo ser “esculturas criadas com técnica de realidade virtual que só existirão nessa dimensão, nascerá virtual/digital e assim continuará“. Ao usar a inovação tecnológica para fomentar seu trabalho, ele acredita que o NFT é “ideal para assegurar a correta distribuição de royalties no universo digital, uma vez que garante que o autor original sempre receba uma porcentagem com a revenda.”

Em que suas virtudes, a nova tecnologia carece de atenção especial do legislador para ser mais protetiva aos artistas. Ainda que a falta de regulamentação e da descentralização promovida pela ausência de intermediação pública facilitem muito as negociações envolvendo NFTs, tal liberdade também os torna mais suscetíveis a fraudes, como vem ocorrendo principalmente em relação às fraudes de arte em blockchain, uma vez que qualquer pessoa pode anunciar uma obra ou mídia nas plataformas de venda e leilão de NFTs, independentemente de sua relação com a obra, o que permite a falsificação. Além disso, assim como no mundo analógico, não há como garantir a sua autenticidade.

Mesmo com a carência de regulamentação, chama a atenção o fato de que a Receita Federal do Brasil passou a incluir códigos específicos para a declaração de ativos digitais na declaração de Imposto de Renda para pessoas físicas de 2021, o que inclui NFTs. Portanto, é extremamente importante que os consumidores se atentem ao que realmente significa essa nova tecnologia e o que a sua propriedade representa, tanto em questão de ativos financeiros, quanto em questão de direitos autorais.

Texto original de Daniel Becker, Nicole Latorraca e Paulo Samico, publicado pelo portal Jota

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
35288247962-b1ecf8d9b7-c

Solução de captura técnica de provas digitais da Verifact é utilizada pelo TSE e MPF

Tecnologia de coleta e preservação de provas digitais desenvolvida pela empresa Verifact, associada a AB2L, foi usada pelo Ministério Público Federal e Tribunal Superior Eleitoral nas últimas eleições
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.