Startup que leva automação a advogados cresce 100% na pandemia

Publicado em
vinicius_marques_divulgacao2

O Brasil fechou o ano de 2019 com 77,1 milhões de processos em tramitação no Poder Judiciário, segundo um relatório do CNJ. O acompanhamento deles por advogados tem um papel cada vez maior da tecnologia – e das legaltechs lawtechs, startups voltadas ao setor jurídico. A EasyJur é uma delas. Sua solução permite automatizar tarefas e digitalizar a gestão de escritórios. O número de usuários dobrou no período de pandemia e a projeção é ultrapassar o R$ 1 milhão em faturamento este ano.

startup foi fundada em 2016 por Vinicius Marques. A ideia veio de uma situação vivida por ele e sua família: alguns anos antes, sua mãe descobriu que o imóvel que comprou foi vendido a outras pessoas pela incorporadora. Ela contratou um advogado para acompanhar o caso, mas o profissional acabou perdendo um prazo. “Minha mãe foi surpreendida por um oficial de justiça com ordem de despejo. Tivemos três dias para entregar o imóvel”, conta ele.

Marques tem formação na área de tecnologia e comandava uma software house naquela época. Conversando com o advogado da empresa, soube que não havia muito a ser feito sobre a situação – e que todo o acompanhamento de prazos e processos geralmente era feito manualmente. “Achei isso surreal. Pesquisei sobre a realidade dos escritórios de advocacia e vi que realmente não tinha muita tecnologia.”

Em 2015, em paralelo a sua então empresa, ele desenvolveu uma solução para automatizar etapas desse acompanhamento. Como forma de testar e aprimorar a tecnologia, ele a forneceu gratuitamente a advogados durante cerca de um ano. O número de usuários chegou a 400. Em agosto de 2016, atraiu o interesse da Ordem dos Advogados (OAB) de Minas Gerais.

“Eles gostaram e quiseram levar para o estado inteiro. Foi quando fechei o meu primeiro contrato”, diz o empreendedor. Em 30 dias, mais de 5 mil advogados passaram a utilizar a plataforma. Marques encerrou seus projetos na empresa de softwares e passou a se dedicar integralmente à EasyJur. Nos anos seguintes, a lawtech fechou parcerias com OABs de outros estados.

Por meio delas, os advogados ganham acesso gratuito a uma versão simplificada da plataforma. As OABs também não pagam pelo contrato. A vantagem do formato está na atração de usuários pagantes. “O advogado começa usando o sistema gratuito. Quando começa a crescer, passa a ter necessidades mais avançadas.” O modelo híbrido é chamado de freemium.

Expansão
A plataforma foi evoluindo nos últimos quatro anos a partir das experiências dos usuários. Hoje ela usa recursos como machine learning e automação para eliminar tarefas manuais e repetitivas. Uma delas é justamente o acompanhamento dos prazos dos processos: o sistema é capaz de identificar, interpretar e alertar sobre publicações relacionadas a eles.

Outras funções auxiliam a gestão do dia a dia dos advogados e escritórios. É possível emitir boletos, cadastrar fornecedores e clientes e organizar a agenda, por exemplo. O valor inicial dos pacotes pagos varia entre R$ 107 e R$ 799 de acordo com o número de profissionais. O mais caro mantido hoje chega a R$ 15 mil.

Segundo Marques, o contato próximo com os usuários foi um ponto-chave para o crescimento. “Desde o princípio, nossa filosofia é ouvir os advogados. Ninguém melhor do que eles para falar o que precisam”, diz. No início da pandemia, a startup liberou a plataforma gratuita para o mercado, atraindo novos usuários e apoiando os advogados durante os meses seguintes. Hoje, ela está disponível apenas pelos convênios.

Entre março e setembro, segundo ele, o número de clientes e o faturamento cresceram 100%. Para lidar com a expansão, a startup expandiu sua equipe de 16 para 32 pessoas. A expectativa é que os novos convênios fechados no Rio e em São Paulo permitam um crescimento de 300%. Para o ano, Marques projeta um faturamento de mais de R$ 1 milhão, contra cerca de R$ 600 mil em 2019.

A EasyJur foi acelerada pela Darwin Startups em 2018, recebendo um aporte R$ 170 mil. No ano seguinte, levantou uma rodada pré-seed de R$ 1 milhão, reunindo, além da aceleradora, a Anjos do Brasil e investidores VC e pessoa física. Agora, foi selecionada para o programa Google for Startups Accelerator.

Fonte: Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.