O Metaverso além da Hype

Artigo de Daniel Marques para o site "Juristas" destaca pontos interessantes sobre o Metaverso
Publicado em
Man hand holding virtual world  with internet connection for met
Imagem: Freepik

Texto de Daniel Marques, Dir. Executivo da AB2L, para o Juristas

Não existe um único Metaverso, assim como não existe uma única ‘blockchain’. O Metaverso é, sobretudo, o conceito de uma fusão sem fricção e fluida entre a realidade virtual e a realidade material. Estamos apenas no calvário tosco do início de uma nova tecnologia que já está revolucionando a sociedade.

O que temos agora é um vislumbre do que será no futuro. Os primeiros carros faziam no máximo 16 km/h, um cavalo era mais rápido. Computadores ocupavam andares inteiros. Nos anos 70, quando a Kodak criou a câmara digital que pesava mais de um quilo.

Hoje, estamos longe do que será o Metaverso, mas não se deixem enganar pelos gráficos pixelados, senão cairão nos mesmos erros que se repetem na história diante do surgimento de uma nova tecnologia.

Os extremos se dividem praticamente em três posições: utopia tecnológica, tudo será incrível; distopia apocalíptica, será o fim do mundo; alienação tecnológica, tudo isso é apenas moda passageira.

O metaverso se apresenta como o resultado das tecnologias que cresceram e se consolidaram na quarta revolução industrial: a realidade virtual advinda do mundo dos gamers; o blockchain, que desponta após a crise financeira mundial dos subprimes americanos em 2008; a inteligência artificial que cresceu exponencialmente nos últimos anos com a abundância de dados produzidos pela Web 2.0.

A pandemia acelerou a adoção e desenvolvimento dessas tecnologias e com o home office foram os catalisadores para que surgissem mais consumidores interessados e familiarizados com o mundo online.

A realidade virtual com a interação através dos avatares rompe a bolha dos gamers e começa a fazer parte do cotidiano de milhões de pessoas. O anúncio de Zuckerberg, fundador do Facebook, de que a empresa mudaria o nome para Meta, como modo de declarar publicamente o foco da empresa no Metaverso, foi o estopim para a popularização do tema em 2021.

Apesar das muitas definições de Metaverso, quase todas se resumem a descrevê-lo como uma imersão no mundo online através de um dispositivo (geralmente os óculos de realidade virtual) que fará com que você se sinta presente materialmente no mundo virtual.

Essa é uma pequena parte do conto. O Metaverso é uma nova camada da realidade que se fundirá com a realidade material. Erram aqueles que consideram apenas como real o mundo físico. Concordo que a realidade virtual possui uma consistência e uma metafísica diferentes, mas ambas são realidades.

Nossos sonhos e desejos, coisa que parece etérea, quando movem a vontade humana não seriam, desde Aristóteles, chamados de causa final? Por que negar ao Metaverso o estatuto de realidade?

Ele será também a fusão da realidade virtual no mundo físico. Já há empresas planejando a criação de tecnologias como uma lente de contato que transformará nossos olhos num verdadeiro computador. Com esses dispositivos mais sofisticados, estaremos 24h conectados à internet.

Chegaremos em um restaurante e com um piscar de olhos um menu virtual se abrirá, fazemos o pedido sem dizer uma palavra e conheceremos a história dos alimentos navegando pela internet em nossos olhos.

A Grayscale, empresa mundial de consultoria, prevê que o Metaverso movimentará US$1 trilhão de dólares por ano até 2024. A Opensea, principal corretora de vendas de NFTs do mundo, movimentou R$130 bilhões em 2021, 200 vezes mais do que em 2020.

No Brasil, a marca de roupas Reserva, fundada por Rony Meisler, acaba de divulgar uma coleção exclusiva de NFTs que darão àqueles que a comprarem, acesso a um clube exclusivo de benefícios.

A coleção foi desenvolvida em conjunto com a Lumx Studios, uma startup fundada por Caio Barbosa, que já lançou projetos em parceria com o Museu da Arte Moderna de Nova York. Em apenas dois meses de vida, a Lumx Studios se destaca no mercado. Recentemente, colocou à venda três mil unidades do NFT 55Unity, um RPG Social nativo na Web3. Em 24 horas, o projeto arrecadou R$2,4 milhões.

A Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L) lançará em abril o maior metaverso jurídico do mundo. Nessa comunidade haverá eventos, programas e atividades diárias exclusivas para as Lawtechs, advogados autônomos, escritórios e departamentos jurídicos e instituições jurídicas de ensino. Nele será possível, por exemplo, realizar audiências de conciliação virtual.

Recentemente, foi criado o AlmaDAO, uma organização descentralizada que visa educar, desenvolver e promover a Web3, um novo modelo de internet descentralizada baseada em blockchain. Esse grupo reúne mais de 20 empreendedores, entre eles, Rony Meisler, Tallis Gomes, criador da Easy Taxi e Raffa Avellar, da Adventures.

O mercado financeiro brasileiro também deseja entrar no mundo do Metaverso, NFts e Web3. De olho na tendência, Thiago Nigro, investidor e um dos maiores influenciadores financeiros do Brasil, lançou o Primoverso. Bruno Perini, sócio do Grupo, criou uma coleção de NFTs.

O que observamos no Brasil é a consolidação paulatina de um novo mercado que movimentará bilhões em poucos anos. Mais do que uma Hype, o metaverso é uma realidade, basta acompanhar para entender como a nova tecnologia já está se consolidando na sociedade.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
BGC

Streamers gamers apostam em um novo nicho: eventos proprietários

Brasil movimentará US$ 2,7 bi em negócios relacionados a games em 2022
carreira_profissoesdofuturo_24022021_Marko-Geber_GettyImages-3-768x512

No pain, no gain: tentativa e erro devem fazer parte da cultura das empresas da era digital

Atualmente as empresas procuram desencadear transformações digitais e se beneficiar de infraestruturas escaláveis e ágeis
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.