O Mediador: a startup de mediação de conflitos do Reclame Aqui

Publicado em
mediacao

O Mediador é uma startup do Reclame Aqui lançada em julho de 2015. A startup nasceu a partir de uma necessidade encontrada pelos administradores do site: o Reclame Aqui recebe cerca de 30 mil reclamações por dia. Dessas 30 mil, 82% dos casos são resolvidos em três dias. O Mediador surgiu para resolver os casos restantes fora do poder judiciário, através da mediação.

Apesar do lançamento em 2015, o domínio do site foi registrado em 2007. Foram 8 anos de espera para a aprovação da Lei da Mediação, Lei nº 13.140, de 26 de junho de 2015. A lei regulamenta a mediação no Brasil para resolução de conflitos. O mediador deve ser uma pessoa imparcial e sem poder de decisão: seu poder é conversar com as partes e sugerir soluções para a controvérsia, que podem ser aceitas ou não.

A plataforma é a única do Brasil que reúne mediadores, e é homologada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. A tecnologia é o grande aliado para o processo de mediação, que é totalmente desenvolvido online através de chats, vídeo-conferências e ligações. As mediações são realizadas por mediadores escolhidos pelo consumidor e empresa, que posteriormente avaliam o desempenho do profissional. “Nós somos o Uber da justiça privada”, afirma Maurício Vargas, CEO do O Mediador e presidente do Reclame aqui.

“O Mediador” cria um novo mercado autônomo para profissionais, ao mesmo tempo em que resolve um problema atual: o supercongestionamento de casos a serem avaliados no poder judiciário. Com a solução inovadora trazida por essa “nova profissão”, “O Mediador” contribui diretamente com a Nova Economia, que será discutida em um evento da StartSe. Confira.

Como tornar-se um mediador?

A relação entre a startup e os mediadores, tal qual o aplicativo de transporte, também é sob demanda: os mediadores cadastram-se, fazem o curso obrigatório online oferecido pela plataforma, e começam a primeira mediação. O profissional ganha cerca de R$ 60 por mediação, não importando o valor da causa. O “O Mediador” não cobra percentual ou mensalidade dos profissionais, apenas o investimento de R$ 1.800 por ano, o que dá acesso à plataforma completa de mediação (todos os casos) e cursos para aprimoramento.

Hoje, a startup conta com 30 mediadores operando na plataforma, que realizam de 1.500 à 2 mil mediações por mês – cada sessão dura, em média, uma hora. Por mês, o mediador pode ganhar de R$ 3.700 à R$8 mil – o quanto ganha depende das horas trabalhadas e do próprio desempenho, pois há bonificações. Se um mediador resolve o conflito e é bem avaliado, ele recebe mais.

São dois tipos de mediadores disponíveis, escolhidos através de alguns critérios: não pode ter antecedentes criminais e é feita uma pesquisa do candidato até em suas redes sociais. Para ser um mediador convencional, é necessário realizar apenas os cursos da plataforma. Mas, para ser um mediador extrajudicial, tem que passar pelo treinamento e ser homologado pelo Conselho Nacional de Justiça. Hoje, também existem universidades de mediação.

“Não é só o mediador em si que faz a mediação, temos uma equipe de análise. Se a mediação é judicial, analisamos as partes. Fazemos o CRM social do consumidor e olhamos nos tribunais de justiça pra saber se o problema é recorrente. Analisamos também o advogado da outra parte para oferecer ao mediador parâmetros sobre o caso. O mediador não julga nada, simplesmente media um acordo”, afirma o CEO do O Mediador.

Quem recorre ao “O Mediador” em busca de soluções, no primeiro momento, são as empresas. Mas em novembro, a plataforma lançará um aplicativo e entrará a opção de um consumidor que não resolveu o problema no Reclame Aqui pedir uma mediação e pagar por isso. Caso a empresa não aceite, a plataforma emitirá um documento afirmando que o consumidor quis tentar uma conciliação, mas a empresa negou. O CEO Maurício Vargas classifica a mediação como a disruptura da justiça.

“O que queremos é fazer com que a mediação seja recorrente na vida das pessoas. Eu bati o carro, ao invés de chamar a polícia, eu tiro fotos, chamo um mediador e entro em um acordo”, afirma.

Case de sucesso

Uma das melhores resoluções da plataforma até agora foi a resolução de um conflito financeiro: um homem comprou um apartamento, pagou durante dois anos, não tinha mais dinheiro para pagar o restante e precisava da devolução desse dinheiro. “Nós conseguimos uma conversação com as partes e o homem saiu com um apartamento. Ao invés de três quartos, conseguiu o de dois, e a diferença foi parcelada em 48 meses. O consumidor ficou emocionado. A empresa pagaria uma fortuna na justiça e esperaria quase dois anos, mas ganhou o cliente de volta e não precisou devolver o dinheiro”, conta o CEO do “O Mediador”.

Fonte https://conteudo.startse.com.br/startups/taina/o-mediador-startup-de-mediacao-de-conflitos-do-reclame-aqui/

Por Tainá Freita

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.