Novas tecnologias afetam o setor jurídico

Publicado em
LEONARDO-TOCO-TECNOLOGIA-INOVACAO-REVOLUCAO-SOFTWARE-1536x775.jpg
Imagem: Reprodução

Texto original publicado pela Infor Channel

/O mundo real e o virtual estão cada vez mais conectados nos dias atuais. O avanço tecnológico desenvolveu mecanismos que transportam as pessoas para realidades que antes só existiam em filmes de ficção científica. Conceitos como o Metaverso, por exemplo, avançam em múltiplas áreas da sociedade, que tenta se adaptar às pressas.

No final de abril, por exemplo, a venda de 55 mil escrituras de terrenos virtuais em um Metaverso movimentou cerca de R$1,5 bilhão, até então, a maior venda de NFTs, que são ativos digitais com registros de autenticidade, já conhecidos da história. Esse novo cenário de movimentações financeiras faz com que setores administrativos e contábeis precisem atualizar seus conhecimentos para não ficarem atrasados. Da mesma forma, a área jurídica passa por uma reciclagem à medida que as demandas sobre o Metaverso também avançam.

 svg 3E

Para o advogado e presidente da Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L), Daniel Marques, o mercado jurídico precisa se especializar no entendimento de temas novos, como o funcionamento dos smart contracts, NFTs , critptomoedas, Blockchain, Metaverso, automação, Inteligência Artificial e web3.

“Todo modo de expressão das relações humanas está em certo modo conectado com o mundo jurídico. É importante que o advogado possa entender como através das tecnologias surgem novas relações sociais e pensar em novas formas jurídicas para atender estas demandas”, explica Daniel. Enquanto muitos ainda duvidam do impacto das novas tecnologias na sociedade, os advogados que se especializam são os que serão chamados para ajudar as pessoas a fazer suas declarações de imposto de renda de criptomoedas e NFTs .

“As novas tecnologias vieram para auxiliar o dia a dia do advogado”
Para o presidente da AB2L, que é o maior ecossistema de inovação jurídica do Brasil e do mundo, o Brasil é líder mundial na criação de tecnologias para o mundo do direito sendo referência internacional em relação ao tema. O mercado ainda tem muito espaço para crescimento. “Recentemente fizemos uma pesquisa que mostrou que 26% dos escritórios de advocacia possuem uma lawtech ou legaltech, ferramentas que permitem que o advogado trabalhe de forma mais eficaz e estratégica”.

Ainda segundo Daniel, 30% do tempo do advogado é gasto com atividades burocráticas. “Automatizando essas tarefas, o profissional do direito pode dedicar mais tempo em funções jurídicas, entender e atender melhor seus clientes, criar novas teses, aperfeiçoar seus conhecimentos.” Ele acredita ainda que os advogados, em geral, têm muita resistência às novidades e, por isso, a AB2L tem “um trabalho muito grande de educar o mercado e mostrar que as novas tecnologias vieram para auxiliar o dia a dia do advogado”, disse.

Devemos perceber que nesta quarta revolução industrial não existe “status quo” e que a velocidade das inovações é muito rápida e devemos nos adaptar 

Para Daniel, a adaptação dos advogados a esse novo mundo precisa acontecer independentemente da idade e tempo de experiência: “A partir do momento em que perdemos a curiosidade, perdemos a paixão pela vida. Precisamos resgatar no coração dos advogados essa paixão por inovar e buscar novos caminhos na busca pela justiça. Vivemos a época de ouro da advocacia, com oportunidades que nunca existiram. Devemos perceber que nesta quarta revolução industrial não existe “status quo” e que a velocidade das inovações é muito rápida e devemos nos adaptar”, explica Daniel.

E os tribunais, estão se adaptando às novas tecnologias?
Daniel Marques observa que os sistemas usados pelos tribunais não costumam agradar aos usuários, o que ele considera um fator a melhorar, porém, ele aponta que existe dentro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), um desejo de inovar e tornar o meio jurídico mais tecnológico. “Cada tribunal tem a liberdade para aplicar em menor ou maior grau essas transformações”.

Os próprios concursos públicos para juízes já estão exigindo conhecimentos na área das criptomoedas, exemplifica o especialista. “Se eu sou um juiz, eu preciso entender como essas novas tecnologias funcionam para poder tomar decisões corretas sobre o que está acontecendo”. Daniel cita a existência de projetos para implementação de inteligência artificial para automatização dos processos de execução fiscal (40% dos processos no Brasil) para automatizar e tornar a justiça menos lenta.

E as instituições de ensino, estão preparadas para as mudanças na área?
De acordo com Daniel, mesmo com a quantidade expressiva de cursos de direito no Brasil, não existe uma grande competição no meio devido ao baixo nível do ensino, e as universidades não estão conseguindo preparar os profissionais nem para as demandas mais básicas. “Existe um conjunto de novas habilidades necessárias para ser um bom advogado e que na faculdade não é ensinado.”

Segundo o presidente da AB2L, o ensino jurídico deveria passar por uma reformulação. “Os dois ou três primeiros anos deveriam ser ensinadas as matérias mais básicas e a partir disso, começar a segmentar o ensino em especializações”, disse. “Mesmo com um bom preparo, a prática do dia a dia é que vai criar um profissional maduro e experiente”, completa.

Como será a advocacia do futuro?
Daniel acredita que trabalhos mais automáticos serão substituídos pela tecnologia no futuro. “Na AB2L acreditamos que o advogado é e sempre será indispensável, mas se você é um profissional que faz trabalho de máquina, vai ser substituído por uma”, afirma. “Veremos cada vez mais um direito fluido. O conjunto de demandas repetitivas, de menor impacto social, mais voltados a causas materiais possuem uma tendência de serem cada vez mais automatizadas”.

A mesma mudança deve acontecer nos tribunais, acredita Daniel: “Teremos demandas mais complexas, que sempre precisarão de uma inteligência jurídica mais profunda. Então, o que vejo no tribunal do futuro é: demandas de menor impacto decididas pelas partes através da mediação e conciliação, e demandas de maior complexidade chegando aos tribunais”.

Ainda fazendo um exercício futurista, o especialista afirma que as tecnologias permeiam todas as esferas da sociedade, e que se a lei não for expressa nos códigos dos sistemas elas serão inócuas. Ele usou como exemplo um carro que só dá partida se o motorista estiver com o cinto de segurança, pois esta é a lei. “Vamos observar que os sistemas tecnológicos já serão criados e desenhados dentro dos princípios legais e éticos, impedindo o desrespeito às leis, viveremos a era do que chamo de ética e law by design”, projeta Daniel.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
Man and wooden cubes on table. Management concept

Soft skills para advogados: descubra as 12 habilidades essenciais para crescer na advocacia

O que são soft skills, porque elas são importantes e quais são as principais para os advogados.
Captura de tela 2022-09-19 173216

Judicialização das relações de consumo: ruim para empresa e cliente

A judicialização tem custos sociais, financeiros e na credibilidade das empresas. A busca pelo consenso, principalmente através do bom atendimento, foi tema de painel no Conarec 2022
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.