Magistrados e professores debatem o uso da tecnologia na resolução de conflitos

Publicado em
01

Desembargador André Gustavo destaca que se vive hoje em um mundo digital

Visando uma integração entre os países latino-americanos com uma discussão em torno do uso da tecnologia na resolução dos conflitos, começou nesta segunda-feira (3/06), na Escola da Magistratura do Rio de Janeiro (Emerj), o 1º Encontro Latino-Americano de Resolução de Conflitos 4.0 “Uma Ruptura Inevitável”.

Para o desembargador Cesar Cury, presidente do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), este é o segundo dos três encontros com representantes de vários países latino-americanos. O primeiro foi em abril, em Buenos Aires, e o terceiro acontecerá em setembro, no México. Cesar Cury, que fará, na terça-feira (4/6) à tarde, a palestra de encerramento, destacou a importância do evento para o conhecimento de propostas adequadas à realidade de cada país, encontrando modelos que visem a solução dos conflitos.

O diretor-geral da Emerj, desembargador André Gustavo Corrêa de Andrade, assinalou que a relação da sociedade atual com a tecnologia exige a introdução de outros meios para a mediação e na conciliação. Segundo ele, a justiça vertical, de cima para baixo, não é o único meio de solucionar as questões da sociedade atual. Esse modelo não vai desparecer, mas a tecnologia é uma realidade que não se pode fugir. A ferramenta veio para ajudar, sem ter o papel de substituir o homem, disse o diretor da Emerj, lembrando a crítica de alguns juristas. André Gustavo afirmou que o mundo ficou digital.

Para a desembargadora Luisa Bottrel, vice-presidente do Fórum de Métodos Adequados de Resolução de Conflitos, as gerações se mostram perplexas com a evolução tecnológica e, como exemplo, citou as múltiplas funções que hoje estão disponíveis no celular. Por isso, destacou a importância de um debate sobre o impacto no Direito da revolução 4.0, que tem o uso de novas tecnologias e da informação.

Participaram ainda da abertura, os desembargadores Alexandre Freitas Câmara, André Gustavo Corrêa Andrade e o professor Alberto Elisavetsky, presidente da ODR Latino-americana.

A primeira palestra foi do professor Georges Abbour, da FADISP, sobre “O Direito perante a Complexidade Social: da decisão à proceduralização”. O seminário também terá palestras sobre Inteligência Artificial, Plataformas de Resolução de Conflitos, Dilemas no Processo Decisório pelas Máquinas, Decisões Automatizadas no Judiciário e Proteção de Dados e outras.

PC/SD

Fotos: Brunno Dantas/TJRJ

 

FONTE: TJRJ

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
BGC

Streamers gamers apostam em um novo nicho: eventos proprietários

Brasil movimentará US$ 2,7 bi em negócios relacionados a games em 2022
carreira_profissoesdofuturo_24022021_Marko-Geber_GettyImages-3-768x512

No pain, no gain: tentativa e erro devem fazer parte da cultura das empresas da era digital

Atualmente as empresas procuram desencadear transformações digitais e se beneficiar de infraestruturas escaláveis e ágeis
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.