Pesquisar
Close this search box.

Legislação e Tecnologia: as vantagens de contar com diferentes especialistas no processo de inovação

Publicado em
inovação-870x250

Quando falamos em inovação, logo vem em nossa imaginação aquela sala colorida e tecnológica, cheia de puffs e mesas, com empreendedores e gênios da tecnologia reunidos, alguns mais tradicionais e outros mais excêntricos. Teoricamente, eles estão discutindo caminhos e pensando em alternativas para criar soluções ainda não descobertas pela maioria das pessoas.

O que muitos líderes e empresários do segmento B2B não imaginam é que a estrutura para desenvolver um projeto inovador vai muito além do que a busca pelo estágio de “Eureka!” (palavra de origem grega que significa “descobri” ou “encontrei”).

Além de criar uma ideia e executá-la, a sua empresa tem a responsabilidade de assegurar e garantir que conhece todos os limites em relação aos seus ativos de Propriedade Intelectual. Afinal, se o core business é desenvolver produtos e serviços inovadores, é necessário que as ideias, os processos de criação e o produto final sejam reconhecidos e protegidos.

O conhecimento sobre as leis protege a inovação da sua empresa

E essa é a importância de contar com uma equipe de profissionais especializados na Legislação de Propriedade Intelectual junto com a equipe de tecnologia responsável pelo desenvolvimento de novos projetos. 

Afinal, somente as leis de Propriedade Intelectual garantem que a sua empresa:

– Está agindo de acordo com a legislação vigente;

– Pode proteger seus ativos de Propriedade Intelectual para não correr riscos de perder para o domínio público sua inovação;

– Não está infringindo direitos de terceiros concorrentes.

Existem muitos casos no Brasil e no mundo em que alguém teve uma grande ideia e por não possuir o devido conhecimento nas leis de Propriedade Intelectual ou o apoio de especialistas como uma assessoria jurídica, acabou perdendo os direitos sobre ela. A briga judicial entre Apple e Gradiente é uma delas.

Não ter os direitos sobre a Propriedade Intelectual pode fazer você perder sua marca

Como aconteceu na famosa disputa entre a Gradiente e a gigante Apple pelo uso da marca “iPhone” no Brasil que durou anos. O processo contou com diversas idas e vindas e o pedido da empresa norte-americana chegou a ser negado pelo INPI (Instituto Nacional da Propriedade Intelectual). No final das contas, as duas empresas puderam usar a marca “iPhone”, mas com a condição de que a Gradiente deveria deixar claras as diferenças sobre o seu produto em relação aquele criado pela Apple. 

É importante destacar que se a empresa deseja promover a inovação, ela precisa ter o suporte tanto de especialistas em tecnologia como jurídicos trabalhando juntos e ao mesmo tempo. 

A preocupação pelo assunto ganha cada vez mais relevância. O Ministério da Economia anunciou medidas para reduzir o número de pedidos de patentes para análise (backlog) em 80% até 2021 e diminuir para cerca de dois anos o prazo médio de concessão de patentes do INPI (Fonte: Agência Brasil).

O mais importante em todo esse cenário de transformação é garantir a máxima segurança e o mínimo risco, sem comprometer a liberdade que a equipe de inovação tem para desenvolver projetos verdadeiramente impactantes. Para isso, é fundamental que o Jurídico esteja ao lado da inovação.

Fonte: Startupi

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
web-summit

Web Summit Rio: a força do empreendedorismo e da tecnologia

O Web Summit Rio nos mostrou que a ativação de grandes eventos como esse trouxe também benefícios intangíveis para nos estimular na capacidade de perceber novamente a partir do acesso àquilo que não conhecíamos e, com isso, o país só tem a ganhar
1_ticiano-36284834

Ticiano Gadêlha: Entre a lei e a inovação

A Lei Complementar nº 182, de 2021, conhecida como Marco Legal das Startups, é um exemplo de como o país busca fomentar o ecossistema de inovação, oferecendo um ambiente regulatório mais flexível e adaptado às peculiaridades dessas empresas
201021flavia11

B3 desenvolve plataforma para transações secundárias de startups

Infraestrutura será vendida em modelo white label para companhias de crowdfunding
tatiana coutinho

Ambientes Jurídicos mais Inclusivos: Uma Reflexão sobre Diversidade e Inclusão no Direito

Tatiana Coutinho, Associada à AB2L, recebe destaque no artigo "Ambientes Jurídicos mais Inclusivos: Uma Reflexão sobre Diversidade e Inclusão no Direito", do site Ela Jurista!
EMPRESAS ALIADAS E MANTENEDORAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.