Juíza critica petição de 60 páginas e sugere uso de Visual Law

Em recente decisão, a juíza de Direito Larissa Cerqueira de Oliveira criticou uma petição de 60 páginas e sugeriu o uso de técnicas de Visual Law. Para a magistrada, petições prolixas não apenas ofendem a “celeridade processual”, como também a “qualitativa produtividade do Judiciário”.
Publicado em
hammer-gebc38f072_1920
Imagem: Pixabay

Texto original de Bernardo de Azevedo, em seu site pessoal.

Em recente decisão, a juíza de Direito Larissa Cerqueira de Oliveira criticou uma petição de 60 páginas e sugeriu o uso de técnicas de Visual Law. Para a magistrada, petições prolixas não apenas ofendem a “celeridade processual”, como também a “qualitativa produtividade do Judiciário”.

A julgadora, titular da 2ª Vara do Foro de Presidente Epitácio (SP), destacou que o Poder Judiciário está sobrecarregado com a enorme quantidade de processos. De acordo com a magistrada, são “necessárias novas práticas e estratégias, inclusive dos advogados”, para enfrentar o problema.

Veja, em síntese, um trecho da decisão:

petição de 60 páginas 01

Entre as novas práticas, a juíza destacou o Visual Law, qualificando-o como “nova forma de argumentação jurídica que combina elementos visuais e textuais para contextualizar o caso em petições e simplificar o conteúdo”, referindo, além disso, que a técnica torna “os documentos simples, interativos e fáceis de ler”:

Visual Law em petições

Não é a primeira vez que uma juíza se manifesta a favor do Visual Law. Em decisão publicada em 2021, a magistrada Ilana Kabacznik Luongo Kapah, da Vara Única da Comarca de Calçoene (AP), elogiou um advogado por ter adotado recursos visuais na petição inicial, tornando a comunicação clara e acessível.

Em acórdão veiculado também em 2021, o desembargador Francisco de Assis Carvalho e Silva, do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região (TRT13), elogiou o juiz de Direito Francisco de Assis Barbosa Júnior, da 2ª Vara do Trabalho de Campina Grande, por usar recursos gráficos em resumo de sentença.

Além das decisões já publicadas, que realçam o potencial do Visual Law, a pesquisa conduzida pelo grupo VisuLaw demonstrou que os magistrados não gostam de petições prolixas e apreciam elementos visuais. Há uma abertura da magistratura em relação à técnica, desde que usada de forma moderada.

Clique AQUI para acessar a decisão na íntegra.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
agenda ab2l

AGENDA AB2L SETEMBRO 2023

Quer Saber Mais? Acesse Agenda AB2LConvide um representante da AB2L para o seu evento aqui!Agenda está sujeita a
1695128031397

Evento jurídico destaca aumento de tecnologia e inovação

Publicação original O Globo Casos práticos e aumento de 300% de startups jurídicas no Brasil comprovam mudança de
Imagem: Pixabay

Online brand protection: a estratégia das empresas para defender a propriedade intelectual

Publicação original Lexlatin Medida é fundamental para evitar danos que podem ser irreparáveis tanto para os titulares de
Imagem: Pixabay

Microsoft integra inteligência artificial ‘Copilot’ no Windows, Office e outros aplicativos

Publicação original Valor Investe Funcionalidades do Copilot serão adicionadas na próxima atualização do Windows 11 que será lançada na
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.