Juíza critica petição de 60 páginas e sugere uso de Visual Law

Em recente decisão, a juíza de Direito Larissa Cerqueira de Oliveira criticou uma petição de 60 páginas e sugeriu o uso de técnicas de Visual Law. Para a magistrada, petições prolixas não apenas ofendem a “celeridade processual”, como também a “qualitativa produtividade do Judiciário”.
Publicado em
hammer-gebc38f072_1920
Imagem: Pixabay

Texto original de Bernardo de Azevedo, em seu site pessoal.

Em recente decisão, a juíza de Direito Larissa Cerqueira de Oliveira criticou uma petição de 60 páginas e sugeriu o uso de técnicas de Visual Law. Para a magistrada, petições prolixas não apenas ofendem a “celeridade processual”, como também a “qualitativa produtividade do Judiciário”.

A julgadora, titular da 2ª Vara do Foro de Presidente Epitácio (SP), destacou que o Poder Judiciário está sobrecarregado com a enorme quantidade de processos. De acordo com a magistrada, são “necessárias novas práticas e estratégias, inclusive dos advogados”, para enfrentar o problema.

Veja, em síntese, um trecho da decisão:

petição de 60 páginas 01

Entre as novas práticas, a juíza destacou o Visual Law, qualificando-o como “nova forma de argumentação jurídica que combina elementos visuais e textuais para contextualizar o caso em petições e simplificar o conteúdo”, referindo, além disso, que a técnica torna “os documentos simples, interativos e fáceis de ler”:

Visual Law em petições

Não é a primeira vez que uma juíza se manifesta a favor do Visual Law. Em decisão publicada em 2021, a magistrada Ilana Kabacznik Luongo Kapah, da Vara Única da Comarca de Calçoene (AP), elogiou um advogado por ter adotado recursos visuais na petição inicial, tornando a comunicação clara e acessível.

Em acórdão veiculado também em 2021, o desembargador Francisco de Assis Carvalho e Silva, do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região (TRT13), elogiou o juiz de Direito Francisco de Assis Barbosa Júnior, da 2ª Vara do Trabalho de Campina Grande, por usar recursos gráficos em resumo de sentença.

Além das decisões já publicadas, que realçam o potencial do Visual Law, a pesquisa conduzida pelo grupo VisuLaw demonstrou que os magistrados não gostam de petições prolixas e apreciam elementos visuais. Há uma abertura da magistratura em relação à técnica, desde que usada de forma moderada.

Clique AQUI para acessar a decisão na íntegra.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.