Inteligência artificial invade o dia-a-dia

Publicado em
image

Além do retalho e do marketing, a saúde será um dos setores que vão beneficiar. Adaptação dos sistemas será a próxima batalha

Ainda não é desta que vamos ver robôs e máquinas a tomarem conta das tarefas mais básicas, mas a rápida democratização das tecnologias de inteligência artificial terá efeitos práticos na vida dos consumidores em 2018. Várias marcas vão lançar assistentes virtuais inteligentes para dar suporte ao cliente, tal como o novo serviço bot BB da transportadora aérea KLM, que “conversa” com o passageiro e ajuda a resolver problemas. Os chatbots que se tornaram comuns no Facebook Messenger vão espalhar-se por outros serviços, complementando a assistência liderada por humanos; muitas vezes, os consumidores poderão não saber se estão a falar com uma pessoa ou um assistente virtual. Além do retalho e do marketing, um dos setores que beneficiarão mais destes assistentes é o da saúde – tanto a ajudar doentes como médicos e farmacêuticos.

Em casa, será mais comum “falar” com dispositivos inteligentes. A Apple prepara-se para lançar o HomePod, um altifalante doméstico alimentado pela assistente Siri, que vai competir com o Amazon Echo e o Google Home. Estes dispositivos beneficiam das capacidades de aprendizagem de máquina dos assistentes: quanto maior a utilização, maior a adaptação e a inteligência. Os especialistas preveem que a utilização da voz será o método preferencial de interação num futuro muito próximo, graças às cada vez maiores capacidades de reconhecimento de linguagem natural.

É também a IA que está por detrás do reconhecimento facial do iPhone X, que aprende ao longo do tempo e usa modelos 3D da cara dos utilizadores para garantir a fiabilidade. É expectável que a tecnologia chegue a outros modelos da Apple em 2018 – não apenas aos outros iPhones mas também iPads.

No setor do turismo, aplicações baseadas em IA irão traduzir-se em viagens mais interessantes. Por exemplo, a Royal Caribbean está a introduzir check-in digital com reconhecimento facial e a usar algoritmos para personalizar a experiência dos passageiros. A Marriott está a testar o “quarto do futuro” com diversos dispositivos inteligentes. As aplicações são tão vastas que irão refletir-se em todos os aspetos do quotidiano: desde a forma como se trabalha, com muitas tarefas automatizadas e trabalhadas por algoritmos, até à forma como se veem anúncios e se fazem compras na Amazon.

“A criação de sistemas que aprendem, adaptam e potencialmente agem de forma autónoma será um campo de batalha para as empresas tecnológicas”, refere a Gartner num relatório recente sobre as tendências para 2018. Nos próximos cinco a sete anos, diz a consultora, “a capacidade de usar inteligência artificial para melhorar a tomada de decisões, reinventar modelos de negócio e ecossistemas e redesenhar a experiência dos clientes vai impulsionar as iniciativas digitais.”

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.