Pesquisar
Close this search box.

Futuro dos drones será diretamente impactado pela tecnologia Blockchain

Publicado em
drone-passageiros-1024x394

Em novembro de 2017, foi anunciado que o Uber e a NASA se associaram para desenvolver um projeto piloto de taxi aéreo. Denominado Uber Elevate, o serviço pretende estabelecer um tarifa similar ao Uber X, criando um novo ecossistema de deslocamento e viagens para o passageiro em drones.

 

A primeira vista, a ideia de carros voadores e drones de viajantes parece fora de proposito. Mas a realidade é que o primeiro voo tripulado pelo veículo já foi realizado com sucesso. Em maio de 2017, o Passenger Drone, sediado na Califórnia, iniciou os testes em uma embarcação vertical de decolagem e pouso (VTOL) que poderia ser controlada por pilotos humanos ou remotamente. Em agosto de 2017, ocorreram os primeiros voos oficiais.

Medidas legislativas para regulamentação

O governo dos EUA também percebeu os impactos que drones e veículos voadores desempenharão. Notícias destacam que o presidente Donald Trump assinou uma lei que obriga o registro, na FAA, de todos os drones. Legisladores europeus aprovaram uma lei similar há poucas semanas, visando o registro desses equipamentos. O número total de drones nos EUA alcançou a marca de 800 mil no inicio do ano passado, com estimativa de crescimento para mais de 7 milhões em uso até 2020.

Com este massivo crescimento, surgem as preocupações a respeito da segurança aérea e como melhor regulamentar as futuras rodovias no céu – tanto para uso comercial quanto para consumo. Inovadoras empresas de blockchain estão aproveitando a chance para atender a esta necessidade em todos os sentidos. Desde protocolos de segurança até mercados para futuros de voos.

Por exemplo, o Blockchain Taxi, um parceiro do Passenger Drone, está assumindo a liderança no uso de todos os dados de voo disponibilizados para construir um protocolo de suporte de blockchain. Ao combinar anos de dados dos históricos dos voos, o Blockchain Taxi pretende criar um sistema de contratos inteligente que possam ser usados por reguladores e empresas, a fim de facilitar as operações entre passageiros e taxis de forma segura.

Outra empresa no espaço, a McFly, balanceou os custos de um voo com drone versus o aluguel de um jatinho particular ou Uber. Esses números chegaram a cerca de US$ 8 por minuto de um voo com Uber Elevate contra US$ 50 para um passeio típico de helicóptero.

O futuro já começou

No início deste ano, o United State Patent e Trademark (USPTO) publicou uma patente intitulada “Entrega aérea não tripulada para localização segura”, descrevendo como o Wal-Mart poderia utilizar a tecnologia Blockchain para automatizar a logística do drone delivery. Como exemplo, a cadeia de blocos poderia ser utilizada para autenticar identidades, rastrear pacotes em tempo real e registrar todas as informações criticas em um livro-razão seguro.

Nem todas as notícias relatadas nas startups de blockchain foram positivas. O precursor Aero Token, recebeu criticas da agência de classificação de ICOs, a Smith & Crown, por tre um “apelo incompleto para apoiar os investidores”. Os desafios sugerem o envolvimento econômico com a construção desta infra-estrutura de drones, bem como estabelecer parâmetros legais devido a diferentes interpretações da lei.

Apesar dos desafios, é seguro assumir que os voos tripulados e os taxis aéreos eventualmente serão parte da nossa cultura de transporte convencional. Seja utilizando para evacuações de emergência ou logística. Existem muitos obstáculos nos centros urbanos que poderiam ser resolvidos com a utilização de drones comercias e de passageiros.

 

Por Camila Marinho

Fonte: CCN

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
web-summit

Web Summit Rio: a força do empreendedorismo e da tecnologia

O Web Summit Rio nos mostrou que a ativação de grandes eventos como esse trouxe também benefícios intangíveis para nos estimular na capacidade de perceber novamente a partir do acesso àquilo que não conhecíamos e, com isso, o país só tem a ganhar
1_ticiano-36284834

Ticiano Gadêlha: Entre a lei e a inovação

A Lei Complementar nº 182, de 2021, conhecida como Marco Legal das Startups, é um exemplo de como o país busca fomentar o ecossistema de inovação, oferecendo um ambiente regulatório mais flexível e adaptado às peculiaridades dessas empresas
201021flavia11

B3 desenvolve plataforma para transações secundárias de startups

Infraestrutura será vendida em modelo white label para companhias de crowdfunding
tatiana coutinho

Ambientes Jurídicos mais Inclusivos: Uma Reflexão sobre Diversidade e Inclusão no Direito

Tatiana Coutinho, Associada à AB2L, recebe destaque no artigo "Ambientes Jurídicos mais Inclusivos: Uma Reflexão sobre Diversidade e Inclusão no Direito", do site Ela Jurista!
EMPRESAS ALIADAS E MANTENEDORAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.