Pesquisar
Close this search box.

Festival Plano de Menina conecta meninas da periferia com o mercado

Evento aconteceu dia 29/10, no MASP, e promove com shows, palestras e conversas para jovens mulheres
Publicado em
mulher_festival_palco_debate-768x512
Imagem: Divulgação

Por: Forbes.

“Quando a gente apoia uma menina a ter independência emocional e financeira, a gente ajuda a mudar o PIB brasileiro”, diz Vivi Duarte, fundadora da Ong Plano de Menina, que amanhã (29), realiza a sexta edição do Festival Plano de Menina no MASP (Museu de Arte de São Paulo), com shows, palestras e conversas sobre mercado de trabalho, autoestima e inclusão social. Os painéis giram em torno de temas como carreira, marca pessoal e autoestima e serão intercalados com shows de Bia Doxum, Amanda Lyra e do Slam das Minas.

Durante o evento, o Instituto apresentou uma pesquisa com dados da inserção das meninas no mercado de trabalho. Em parceria com a consultoria Wiz&Watcher, será divulgada a pesquisa “Meninas e o futuro do trabalho”. O levantamento trouxe insights sobre a relação entre o universo feminino e o mercado de trabalho e foi complementado por uma pesquisa realizada pela Cia. de Talentos, com recorte de jovens entre 20 e 25 anos pertencentes à classe C.

Para elas, pertencimento é um sentimento chave quando se fala em carreira. Querem sentir-se incluídas. Enquanto 30% valorizam as experiências que apoiam o crescimento e as fazem sentir parte da empresa, 43% concordam que as empresas poderiam fazer mais do que fazem hoje em relação à diversidade e inclusão. Sua visão de líder do futuro é alguém com olhar holístico, que veja além do trabalho, influencie seu entorno e defenda seus pontos de vista. “Michelle Obama, Gabriela Priori e Boca Rosa são algumas das referências entre o público pesquisado”, diz Melina Oliveira, gerente de negócios do Instituto.

Empreendedorismo, inclusão e autoestima
O Plano de Menina foi criado em 2016 por Vivi, que também é fundadora da consultoria em diversidade Plano Feminino e, por meio dela, ajudou a mudar a cara da comunicação das empresas ao chamar a atenção em como as mulheres eram retratadas na publicidade. Depois de algum tempo, percebeu que poderia mudar o espaço que as mulheres têm no mercado se esse investimento começasse mais cedo. 

Nesses sete anos, foram três mil meninas que passaram pelas mentorias e pelo acompanhamento da equipe da ong, que atua em cinco pilares: empreendedorismo e negócios; direitos, raça, gênero e diversidade; inclusão e educação digital; economia circular e criativa; e autoestima. Raquel Alves, de 20 anos, passou a entender sobre igualdade e feminismo com o Plano de Menina. “Eu não reconhecia que algumas frases como ‘mulher não pode fazer isso ou aquilo’ eram erradas”, ela conta. “Quando comecei a frequentar o Plano de Menina em 2018, foi como tirar uma venda dos olhos diante das injustiças pelas quais eu não deveria passar.”

Depois de três meses desse acompanhamento, elas são conectadas com o mercado de trabalho. Durante a pandemia, foram 100 alunas empregadas via Plano de Menina. “No final de uma mentoria com a Ambev, passei por um processo seletivo e fui contratada”, conta Pamela Araújo, de 20 anos, que participou do projeto. “Comecei como jovem aprendiz e, hoje, sou assistente de aquisições na empresa.”

Ao concluir a jornada de capacitação, a menina entra para o Banco de Talentos e passa a ter oportunidades de emprego, acesso a cursos e a eventos, além de suporte psicológico. Amanda Guimarães, de 21 anos, conheceu o Plano em 2016 durante um evento e virou embaixadora. Estudou marketing digital na FGV e faz estágio na Loggi. “Entrar na universidade sempre foi o meu sonho. E também queria ter um emprego que me desse autonomia e liberdade financeira para realizar coisas que eu não tive oportunidade, como viajar”, diz. 

A própria Vivi Duarte, que fez carreira em grandes empresas e hoje é head de planejamento e conexão na Meta, nasceu em um bairro sem recursos da periferia paulistana. “Sei, pela minha experiência, que essas meninas periféricas têm muita dificuldade de crescer sozinhas, mas têm muito potencial. Quando elas têm apoio, crescem e mudam a história da família inteira. Temos gente empregada na Ambev, na Unilever, na Body Shop.”

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
SITE

INFORME AB2L | 2024

#03 06/24 Danilo Limoeiro, Co-Founder da Turivius e associado da AB2L, participa como expositor na Audiência Pública do
Lorena Lage e Robert Oliveira, sócios e cofundadores da L&O Advogados

L&O Advogados cresce 110% com preventivo jurídico no mercado de startups e inovação

Publicação Original, SEGS.com.br. Fundado por Lorena Lage e Robert Oliveira, escritório teve apenas duas ações judiciais em curso
Imagem

Especialista destaca a importância da tecnologia nas Operações Jurídicas na era digital

Allana Martins Vasconcelos Valsechi, Gerente de Operações Jurídicas e Analytics da Legal Insights, discute a evolução do setor e enfatiza a colaboração interdisciplinar e o planejamento estratégico.
SOS RS APP

SOS RS: Inovação e Solidariedade no Rio Grande do Sul

Em entrevista exclusiva para a CNN Brasil, o engenheiro Pedro Oliveira revelou como a plataforma SOS RS está
EMPRESAS ALIADAS E MANTENEDORAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.