EasyJur é a primeira legaltech da AL a receber investimento do Google

Publicado em
EasyJur é a primeira legaltech da AL a receber investimento do Google

EasyJur é a primeira legaltech da América Latina a receber uma rodada de investimento do novo fundo Black Founders Fund, do Google, que seleciona startups fundadas por negros para investimento e aceleração.

A empresa, que faz parte da turma mais recente do Google for Startups Accelerator, também receberá aporte financeiro e acesso continuado aos mentores da companhia para aceleração do desenvolvimento de tecnologias inovadoras baseadas nas soluções da Google Cloud Plataform, utilizadas em computação em nuvem e inteligência artificial, como machine learning e jurimetria.

Com o apoio do Google, a legaltech aumentará o investimento em soluções tecnológicas, inovação e na contratação de novos profissionais. De acordo com Vinícius Marques, fundador e CEO da EasyJur, o aporte é uma grande oportunidade para acelerar o desenvolvimento da startup.

“Estamos muito animados com o investimento do Google, faz muito sentido, pois a iniciativa converge com o propósito da EasyJur, que é revolucionar o status quo da forma de advogar e levar mais justiça para sociedade. Acreditamos que esse será um passo importante para que a EasyJur desenvolva soluções cada vez mais assertivas para o dia a dia dos profissionais do Direito”, ressalta. 

À frente da EasyJur, Vinícius reconhece que enfrentou muitos desafios por ser negro e da periferia. Neste sentido, o apoio do Black Founders Fund é muito importante e deverá ajudar outros empreendedores negros. “Tem muita gente preparada, em busca de uma oportunidade para tirar seus projetos do papel, gerar renda, emprego e impacto social”, conta.

Origem da empresa
A EasyJur nasceu a partir de uma experiência pessoal de Vinícius Marques. Depois que sua mãe perdeu judicialmente a casa da família, em razão de o advogado ter pedido um prazo processual, Vinícius pesquisou sobre o dia a dia dos profissionais de Direito e descobriu que os escritórios de advocacia ainda acompanhavam os prazos de processos judiciais manualmente.

A partir disso, ele decidiu criar uma solução para profissionalizar todo o processo de gestão dos escritórios de advocacia. Com o apoio da EasyJur, muitos escritórios abandonaram o uso de planilhas e outros recursos ultrapassados, e estão reduzindo em até 80% as atividades repetitivas e manuais. Atualmente, a EasyJur atende mais de 60 mil advogados.

Em 2020, a startup saltou de 15 para 32 profissionais, além de projetar ultrapassar a marca de R$ 2,5 milhões em faturamento. Com o apoio do Black Founders Fund, a previsão é que, em 2021, o time, o faturamento e a base de usuários da empresa cresçam, em média, 100%.

“A EasyJur une inteligência humana e artificial para tornar a gestão dos escritórios de advocacia mais ágil e digital”, conta Vinícius. Ele explica que a solução atende tanto escritórios de advocacia que atuam no contencioso quanto no consultivo. “Desenvolvemos soluções baseadas em metodologias ágeis, como scrum e kanban, utilizadas em empresas globais, como Google. Nosso objetivo é revolucionar a forma de trabalho do operador do direito, eliminando completamente as atividades repetitivas e manuais, potencializando os resultados e auxiliando-os nas tarefas do dia a dia”, explica o executivo.

Publicado originalmente em ConJur

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
35288247962-b1ecf8d9b7-c

Solução de captura técnica de provas digitais da Verifact é utilizada pelo TSE e MPF

Tecnologia de coleta e preservação de provas digitais desenvolvida pela empresa Verifact, associada a AB2L, foi usada pelo Ministério Público Federal e Tribunal Superior Eleitoral nas últimas eleições
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.