Consulta pública é aberta para discutir inteligência artificial

Publicado em
photo-1535378273068-9bb67d5beacd

População deve conhecer o E-Digital, estratégia brasileira que trata das mudanças na vida do país com o advento da inteligência artificial

A Estratégia Brasileira para a Transformação Digital, o E-Digital, aprovada em março de 2018, sinaliza para a importância de tratar a inteligência artificial de maneira prioritária em razão de seus impactos na vida do País e das pessoas. E, agora, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações quer saber o que a população pensa sobre essas mudanças. O texto-base que estabelece o E-Digital no País está aberto para consulta pública até o fim de janeiro.

Essas conversas são indispensáveis, adiantam autoridades de todos os setores. É inegável que o grande aumento no poder dos computadores e no acesso a dados conduziram a avanços práticos e sucessos numa variedade de áreas tais como o diagnóstico de câncer, a automação dos veículos e dos jogos inteligentes. Igualmente inegável é o fato de que esses avanços exigem a formulação de políticas públicas. Por isso é que vários países do mundo, incluindo o Brasil, estão discutindo técnicas, jurídicas e éticas, sobre o uso da inteligência artificial, suas potenciais aplicações e interação com o ser humano nos processos de tomada de decisão.

O professor Gustavo Monaco, da Faculdade de Direito (FD) da USP, é especialista em Direito Internacional e estudioso do tema. Para ele, é preciso cuidado para que não haja aplicação inadequada da inteligência artificial. Monaco cita o exemplo da Estônia, pequeno país báltico de mais de 1 milhão de habitantes, que adotou o juiz-robô que emite decisões judiciais.

“A inteligência artificial tem que ser tratada como um recurso à disposição da melhoria da qualidade de vida e não como um fim em si”, alerta o professor. Por isso, a importância da participação da população, tomando conhecimento dos rumos que a tecnologia pode dar à sua vida.

O documento-base, que está sob consulta pública até 31 de janeiro, propõe discussões sobre educação e capacitação; força de trabalho; pesquisa, desenvolvimento, inovação e empreendedorismo; aplicação pelo governo; aplicação nos setores produtivos e segurança pública. Também estão em discussão os chamados eixos transversais: legislação, regulação e uso ético; aspectos internacionais e governança de inteligência artificial.

FONTE: https://jornal.usp.br/atualidades/consulta-publica-e-aberta-para-discutir-inteligencia-artificial/

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
3D Rendered Illustration of a Human Face Design.

IA x Homem: Advogado robô defenderá réu em julgamento real

Pela primeira vez na história uma inteligência artificial será usada em tribunal para defender um réu acusado de infringir leis de trânsito
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.